A invenção bibliográfica da arte na modernidade: notas históricas sobre a organização do conhecimento artístico no século XVI

Giulia Crippa

Resumo


Introdução: Propomos uma discussão sobre dois textos de natureza bibliográfica do século XVI, mais especificamente o quarto capítulo da Idea del tempio della pittura, de Giovan Paolo Lomazzo (publicado pela primeira vez em 1591), dedicado aos “antigos e modernos escritores de arte” (Lomazzo, 1971, p. 34) e o capítulo dedicado aos “Preceitos de pintura transmitidos pelos antigos e modernos” de Antonio Possevino, de seu Tractatio de Poesia et pintura ethnica, humana et fabulosa collata cum vera, honesta et sacra (1595). Trata-se de fontes históricas que permitem observar alguns aspectos da organização do conhecimento na arte quando esta começa a ser identificada como área com suas especificidades. Objetivos: Entender as escolhas da literatura sobre arte que estabeleceu as bases e demarcou as fronteiras de uma área de conhecimento chamado Arte. Ambos os autores devem ser considerados, além do bem mais conhecido Vasari, como personalidades que iniciaram a elaborar abordagens sistemáticas aos livros de arte, desenhando um campo de conhecimento através da compilação de bibliografias, de certa maneira uma abordagem inovadora nessa área do conhecimento na época, que se chamou de Arte. Metodologia: A abordagem metodológica desse estudo é histórica. O estudo das fontes originais combina-se com a revisão da literatura, pesquisando sobre que configuração do campo do conhecimento foi esboçada pelos autores e como determinou o desenvolvimento dos estudos sobre arte. Resultados: Os autores apresentam um repertório bibliográfico que aborda as questões de uma área em formação, a da Arte, através de perspectivas comuns, utilizando fontes antigas e modernas e, ao mesmo tempo, cada um refletindo interesses distintos. Lomazzo apresenta uma preocupação de natureza prática e Possevino de natureza mais moral. Conclusões: O conhecimento sobre a natureza do campo da arte, na medida em que ele constitui suas bases bibliográficas em registros textuais e visuais, oferece uma rica seara de estudos para o campo informacional, apresentando-se como peculiar em relação ao tratamento de seus documentos desde sua configuração inicial.


Palavras-chave


Bibliografia Histórica; Arte; Giovan Paolo Lomazzo; Antonio Possevino

Texto completo:

PDF

Referências


BALSAMO, L. La bibliografia: storia di una tradizione. Milano: Unicopli, 2017.

BENJAMIN, W. Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BLOCH, M. Apologia della storia. Alessandria: Falsopiano, 2015.

BLUNT, A. Le teorie artistiche in Italia: dal Rinascimento al Manierismo. Torino: Einaudi, 1966.

CECCARELLI, M. G. Antonio Possevino. In: SERRAI, A. Storia della bibliografia. Roma; Bulzoni, 1993. p. 711-760. vol. 4.

CRIPPA, G. Os “Lugares da memória”: dispositivos ideológicos, esquemas tópicos e sistemas classificatórios. In: LARA, M. G. de; FUJINO, A.; NORONHA, D. P. Informação e contemporaneidade, p. 121-138. Recife: Nectar, 2007.

DARNTON, R. O grande massacre de gatos. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

DE CERTEAU, M. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense, 1982.

EILAND, H.; JENNINGS, M. W. Walter Benjamin: una biografia critica. Torino: Einaudi, 2016.

FERNIE, E. Art history and its methods: a critical anthology. London: Phaidon, 1996.

FOSTER, H. An archival impulse. Princeton: MIT Press, 2004. p. 03–22.

FOUCAULT, M. L’archeologia del sapere. Milano: B.U.R., 1994.

HASKELL, F. Le musée éphémère: les maîtres anciens et l’essor des expositions. Paris: Gallimard, 2002.

LE GOFF, J. Documento/Monumento. In: Enciclopedia Einaudi. Torino: Einaudi, 1978. p. 39-48. v. 5.

LOMAZZO, G. P. Degli scrittori dell’arte antichi e moderni. In: BAROCCHI, Paola (Org.). Scritti d’arte del Cinquecento. Tomo I, p. 34-41. Milano-Napoli: Ricciardi, 1971.

MALRAUX, A. Il museo dei musei. Milano: Leonardo, 1994.

POSSEVINO, A. Quinam pingendi praecepta tradiderint antiqui et recentes. In: BAROCCHI, P. (Org.). Scritti d’arte del Cinquecento. Tomo I, p. 42-53. Milano-Napoli, Ricciardi, 1971.

STOKES, R. The function of bibliography. Aldershot: Gower, 1982.

STRASSOLDO, R. Da David a Saatchi: trattato di sociologia dell’arte contemporanea. Udine: Forum, 2010.

TOSATTI, S. B. Trattati medievali di tecniche artistiche. Milano: Jaca Book, 2007.

VASARI, G. Le vite dei più eccellenti pittori, scultori e architetti. Torino: Einaudi, 1986.

VENTURI, L. Storia della critica d’arte. Torino: Einaudi, 1966.

WARBURG, A. L’Atlas Mnémosyne. Paris: L’écarquillé/INHA, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n2p58

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional