Bibliofilia, bibliografias e a construção do sistema axiológico da raridade

Diná Marques Pereira Araújo, Alcenir Soares dos Reis, Fabrício José Nascimento da Silveira

Resumo


Introdução: Apresenta e discute práticas socioculturais vinculadas à Bibliofilia e à Bibliografia que contribuíram para a elaboração do conceito de livro raro no âmbito do colecionismo librario do século XVIII. Objetivo: Identificar os fundamentos históricos e teóricos que amparam a formulação do conceito de livro raro no século XVIII, especialmente no universo da Bibliofilia, com o intuito de contextualizar a definição da raridade.  Método: Para tanto, realizou-se pesquisa exploratória e teórico-descritiva com enfoque histórico-cultural para Bibliofilia e a Bibliografia. A coleta de dados foi feita por meio de pesquisa bibliográfica e documental a partir de leituras da história da Bibliofilia e análise documental de Bibliografias de Livros Raros.  Resultado: A partir da análise dos paratextos das bibliografias de Clement, DeBure e Vogt foram elencados os itens que estruturam o conceito de livro raro no século XVIII, identificado como sistema axiológico da raridade. O estudo desse sistema demonstrou que a raridade é uma construção elaborada para atender aspectos específicos do colecionismo librario pelo comércio livreiro.  Conclusão: A pesquisa sinaliza que o sistema axiológico da Bibliofilia, construído entre livreiros no século XVIII, é um sistema forjado para atender exigências e pré-requisitos específicos do universo da Bibliofilia. A questão que se impõe é a necessidade de compreender esse contexto e refletir acerca da adequabilidade de seu uso na contemporaneidade, especialmente naquilo que se refere à valoração do patrimônio bibliográfico.


Palavras-chave


Bibliofilia, século XVIII; Bibliografia, século XVIII; Livros Raros, século XVIII; Bibliografia de Livros Raros; Sistema Axiológico da Raridade

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, D. M. P. Bibliofilia e Livros Raros na perspectiva históricocultural: uma abordagem crítica às visões instituídas na Biblioteconomia e Ciência da Informação brasileira. 2017. 213 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação, Belo Horizonte, 2017.

ARAÚJO, D. M. P.; REIS, A. S. dos. Bibliografias setecentistas e os conceitos de livro raro. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, p. 168-184, ago. 2017.

______. Bibliotecas, Bibliofilia e Bibliografia: alguns apontamentos. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 7, p. 183-201, 2016.

BALSAMO, L. La bibliografía: historia de una tradición. Espanha: Ediciones Trea, 1998.

CLÉMENT, D. Bibliothèque curieuse historique et critique ou catalogue raisonné de livres difficiles à trouver. Göttingen, etc.: chez Jean Guillaume Schmid, 1750-1760.

DEBUDE. Musaeum Typographicum... [Paris: Chez Guillaume François De Bure], 1755.

DEBURE, G.-F. Bibliographie instructive ou Traité de la connoissance des livres rares et singuliers... A Paris: Chez Guillaume François De Bure, 1763-1768.

ECO, U. A memória vegetal: e outros escritos de bibliofilia. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2011. 271 p.

FARIA, M. I. R. de; PERICÃO, M. da G. Dicionário do livro: da escrita ao livro eletrônico. São Paulo: EDUSP, 2008. 761 p.

MALCLES, Louise Noelle. La bibliographie. Paris: 1956. 134 p.

POMIAN, K. Colecção. In: ENCICLOPÉDIA Einaudi. Memória/História. Lisboa: Imprensa Casa da Moeda, 1984. p. 51-86. v. 1.

______. Collectionneurs, amateurs et curieux: Paris, Venise : XVIe-XVIIIe siecle. Paris: Gallimard, 1987. 367 p.

______. K. História cultural, história dos semióforos. In: RIOUX, J. P.; SIRINELLI, J. F. (Org.). Para uma história cultural. Lisboa: Estampa, 1998.

SORDET, Y. Bibliophilie. In: FOUCHÉ, P.; PÉCHOIN, P.; SHUWER, P. (Dir.) Dictionnaire encyclopédique du livre. Paris: Éditions du Cercle de la Librarie, 2002, p. 281-286. v. 1 .

VARELA-OROL, C. El concepto de libro raro en el siglo XVIII: la recepción de la obra de David Clément en España. Revista General de Información y Documentación. n. 26, 2016, p. 631-650.

VIARDOT, J. Le livre rare: collectionneurs et marchands spécialisés de Naudé à Nodier. Bulletin du bibliophile, n.2, 1983, p.157-173.

_______. Livres rares et pratiques bibliophiliques. In: CHARTIER, R.; MARTIN, Henri-Jean. (Dir.). Histoire de l’édition française: le livre triomphant 1660-1830. Paris: Promodis, 1986. p. 583-614. v. 2.

_______. Naissance de la bibliophilie: les cabinets de livres rares. In: JOLLY, C. Histoire des bibliothèques françaises. Paris: Promodis, 1988. t.2, p.269-289.

_______. Un épisode du collectionnisme en fait de livre au XVIII° siècle: le Musaeum Typographicum ou le goût des raretés superlatives. Littèratures classiques, 2008, n. 66, p. 161-178.

VOGT, J. Catalogvs histórico-criticus librorum rariorum: jam curis quartis recognitus et copiosa accessione ex symbolis et collatione bibliophilorum per Germaniam doctissimorum adauctus. Hamburgi: Sumtibus Christiani Heroldi, 1732.

______. Catalogus historicocriticus librorum rariorum... Hamburgi: Christiani Heroldi, 1747.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n2p38

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional