A arte da destruição controlada: reflexões sobre avaliação arquivística e memória

Francisco Alcides Cougo Junior

Resumo


Introdução: O artigo problematiza a relação entre arquivos e memória a partir da função arquivística da avaliação de documentos Objetivo: Recorrer aos estudos contemporâneos da memória para refletir sobre o ato de avaliar documentos e sua respectiva aferição de “valores” para guarda permanente. Metodologia: análise bibliográfica e sistematização dos conceitos de “sociotransmissores”, esquecimento, memória multidirecional e governança memorial. Resultados: propõe uma ampliação das relações entre memória, patrimônio e arquivos, superando a ideia do arquivo apenas como um “lugar de memória” para abranger as funções arquivísticas, seus conceitos, termos e teorias. Conclusões: aproximam-se as concepções de “memória multidirecional”, “governança memorial” e a atividade de avaliação documental.


Palavras-chave


Arquivos; Memória; Avaliação; Patrimônio

Texto completo:

PDF

Referências


ARREGUY, C. A. C.; VENÂNCIO, R. P. A avaliação de documentos na administração pública de Belo Horizonte: processo e metodologia. In: e identidade. São Paulo: Contexto, 2012.

CENTRO NACIONAL DE MEMÓRIA HISTÓRICA (CNMH). Política pública de archivos de derechos humanos, memoria histórica y conflicto armado. Bogotá: CNMH, 2017.

CONNERTON, P. Seven types of fogetting. Memory Studies, v. 1, n. 1, p. 59-71, 2008.

COX, R. J. Making the records speak: archival appraisal, memory, preservation, and collection. The American Archivist, v. 64, n. 2, p. 394-404, 2001.

MENEZES, I. P. de. Avaliação arquivística: reflexões sobre a constituição do patrimônio documental. 2015. 100 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Bens Culturais e Projetos Sociais) – Fundação Getúlio Vargas, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, Rio de Janeiro, 2015.

EASTWOOD, T.; MACNEIL, H. Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016.

FIGUEIREDO, L. Lugar nenhum: militares e civis na ocultação dos documentos da ditadura. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2015.

FOOTE, K. E. To remember and forget: archives, memory, and culture. The American Archivist, v. 53, n. 3, p. 378-392, 1990.

HYUSSEN, A. Seduzidos pela memória. Rio de Janeiro, Aeroplano, 2000.

JACOBSEN, T.; PUNZALAN, R. L.; HEDSTROM, M. L. Invoking “collective memory”: mapping the emergence of a concept in archival science. Archival Science, v. 13, n. 2-3, p. 217-251, 2013.

JARDIM, J. M. Caminhos e perspectivas da gestão de documentos em cenários de transformações. Acervo, v. 28, n. 2, p. 19-50, jul./dez. 2015.

KETELAAR, E. Archivistics research saving the profession. The American Archivist, v. 63, n. 2, p. 322-340, 2000.

LLANSÓ I SANJUAN, J. Gestión de documentos. Definición y análisis de modelos. Vitoria-Gasteiz: Departamento de Cultura, 1993.

MICHEL, J. Du centralisme à la gouvernance des mémoires publiques. Senspublic, v. 2, 2010.

NETO, L. Getúlio (1930-1945): do governo provisório à ditadura do Estado Novo. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2013.

NORA, P. Pierre Nora en Les lieux de mémoire. Montevidéu: Ediciones Trilce, 2008.

PENTEADO, P. et al. A documentação acumulada nas confrarias e misericórdias de Portugal: problemas e soluções. León: Universidad, 2002.

PÉROTIN, Y. Administration an the “Three Ages” of archives. The American Archivist, v. 29, n. 3, p. 363-369, 1966.

PIRES, M. C.; FREITAS, R. S. O direito à memória e o direito ao esquecimento: o tempo como paradigma de proteção à dignidade da pessoa humana. Unoesc International Legal Seminar, Chapecó, v. 2, n. 1, p. 157-171, 2013.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

ROTHBERG, M. Multidirectional memory: remembering the Holocaust in the Age of Decolonization. Palo Alto, EUA: Stanford University Press, 2009.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

SCHWARTZ, J. M.; COOK, T. Archives, records and power: the making of modern memory. Archival Science, v. 2, n. 1-2, p. 1-19, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2019v24n1p403

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional