Linguagens de indexação em bibliotecas universitárias: estudo analítico

Mariângela Spotti Lopes Fujita, Maria Carolina Andrade e Cruz, Bruna Otreira Muniz Patrício, Luciana Beatriz Piovezan Rio Rio Branco

Resumo


Introdução: A linguagem de indexação é uma parte fundamental da política de indexação, tendo em vista seu papel mediador na representação e recuperação da informação. Para conhecer a realidade em catálogos online de bibliotecas universitárias realizou-se estudo analítico sobre linguagem na política de indexação de bibliotecas universitárias. Objetivo: O estudo analítico tem o objetivo de verificar o uso de linguagem de indexação pelos profissionais, qual(is) linguagem(ns) utilizam, a existência de manual de política de indexação e o uso de software de construção e manutenção disponível para o catalogador. Metodologia: Para isso, foi construído e aplicado questionário em amostra de bibliotecas universitárias da região sudeste do Brasil. Resultados: O questionário foi respondido por 60 bibliotecas com o seguinte perfil: 60% possui coleções especializadas de uma até quatro áreas de assunto, 73% das bibliotecas tem de 1 a 3 profissionais dedicados à indexação, 83% das bibliotecas integram uma rede ou sistema, 50% participam de catálogos coletivos. Com relação ao uso, verificou-se que 49 (89,1%) utilizam alguma linguagem de indexação, 25 (51%) utilizam uma linguagem de indexação, sendo 20 com linguagem própria sem uso de software específico para construção e manutenção, e 24 (49%) mais de uma linguagem. Entre as bibliotecas que utilizam linguagem de indexação, 19 bibliotecas adotam procedimentos quando não são encontrados termos na linguagem, 17 bibliotecas atualizam a linguagem por meio de interoperabilidade semântica. A formalização da política de indexação em documento é realizada por 58,3% e apenas 22% não descrevem a linguagem de indexação. Conclusões: O estudo analítico realizado com aplicação do questionário revela novos cenários no uso de linguagens de indexação em bibliotecas com avanços, problemas e lacunas que são verdadeiros desafios a serem enfrentados, em conjunto, pelos profissionais e pesquisadores.


Palavras-chave


Organização do Conhecimento; Indexação; Linguagens Documentárias; Política de Indexação; Bibliotecas Universitárias

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 12676: métodos para análise de documentos - Determinação de seus assuntos e seleção de termos de indexação – Procedimento. Rio de Janeiro, 1992.

AMERICAN NATIONAL STANDARD/NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION. ANSI/NISO Z39.19 Guidelines for the Construction, Format, and Management of Monolingual Controlled Vocabularies. Bethesda: NISO Press, 2005. 179 p.

BARBOSA, E. F. Metodologia da pesquisa: instrumentos de coleta de dados em pesquisas educacionais. 2008. Disponível em: http://www.inf.ufsc.br/~vera.carmo/Ensino_2013_2/Instrumento_Coleta_Dados_Pesquisas_Educacionais.pdf. Acesso em: 23 set. 2017.

BARITÉ, M. Diccionario de organización del conocimiento: clasificación, indización, terminología. 6. ed. Montevideo: CSIC, 2015. Disponível em: https://www.colibri.udelar.edu.uy/handle/123456789/9028. Acesso em: 18 out. 2017.

BOCCATO, V. R. C. A linguagem documentária como instrumento de organização e recuperação da informação. In: HOFFMAN, W. M.; FURNIVAL, A. C. (Org.). Olhar: ciência, tecnologia e sociedade. São Paulo: Pedro e João, CECH-UFSCar, 2008. p. 269-278.

BOCCATO, V. R. C. O contexto sociocognitivo do indexador no processo de representação temática da informação. Encontros Bibli, v. 17, p. 67-86, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17nesp1p67. Acesso em: 26 ago. 2017.

BOCCATO, V. R. C.; FUJITA, M. S. L. O uso de linguagem documentária em catálogos coletivos de bibliotecas universitárias: um estudo de avaliação sociocognitiva com protocolo verbal. Perspectivas em Ciência da Informação, p. 23-51, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v15n3/03.pdf. Acesso em: 26 ago. 2017.

CARNEIRO, M. V. Diretrizes para uma política de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 221-241, set. 1985. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000002649/422f489505a67213cba8556004958487/. Acesso em: 25 ago. 2017.

CERVANTES, B. M. N. Contribuição para a terminologia do processo de inteligência competitiva: estudo teórico e metodológico. 2004. 183 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2004. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/93723. Acesso em: 25 ago. 2017.

CESARINO, M. A. N.; PINTO, M. C. M. F. Cabeçalho de assunto como linguagem de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 268-288, 1978. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000001991/41d251f63e7744e1fee36986a3780073/. Acesso em: 23 ago. 2017.

CINTRA, A. M. M.; TÁLAMO, M. de F. G. M.; LARA, M. L. G. de; KOBASHI, N. Y. Para entender as linguagens documentárias. Rio de Janeiro: Polis, 2002.

CLEVELAND, D. B.; CLEVELAND, A. D. Introduction to indexing and abstracting. 4. ed. Santa Barbara, California: Libraries unlimited, 2013.

CURRAS, E. Ontologías, taxonomías y tesauros: Manual de construcción y uso. Gijón: Trea, 2005.

FUJITA, M. S. L. Linguagem de indexação para bibliotecas na perspectiva da política de indexação. Marília: UNESP; FAPESP, 2015. (Projeto de Pesquisa).

FUJITA, M. S. L. Política de indexação para bibliotecas. Marília: UNESP; CNPq, 2010. (Projeto de Pesquisa).

FUJITA, M. S. L. A política de indexação para representação e recuperação da informação. In: GIL LEIVA, I.; FUJITA, M.S.L. Política de indexação. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2012. p. 17-28.

FUJITA, M. S. L. Política de Indexação para Bibliotecas: Funções e Finalidades. In: FUJITA, M. S. L. (Org.) Política de indexação para bibliotecas: elaboração, avaliação e implantação. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/politicas-de-indexacao-parabibliotecas_ebook.pdf. Acesso em: 23 set. 2017.

FUJITA, M. S. L.; SANTOS, L. B. P. Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico e analítico com pesquisa participante. TransInformação, Campinas, v. 28, n. 1, p. 59-76, jan./abr. 2016. Disponível em: http://periodicos.puccampinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/2732/2228. Acesso em: 12 set. 2017.

FUJITA, M. S. L. Modelos de Categorização para a Construção de Tesauros: metodologia de ensino. In: BOCCATO, V. R. C.; GRACIOSO, L. de S. Estudos de linguagem em Ciência da Informação. Campinas: Alínea, 2011.

GIL LEIVA, I. Manual de indización. Gijón: Trea, 2008.

GIL URDICIAIN, B. Manual de lenguajes documentales. 2. ed. rev. e aum. Gijón: Trea, 2004.

GIVEN, L. M.; OLSON, H. A. Knowledge organization in research: a conceptual model for organizing data. Library & information Science Research, v. 25, n. 2, p. 157-176, 2003. Disponível em: http://ac.elscdn.com/S0740818803000057/1-s2.0-S0740818803000057-main.pdf?_tid=9f288cc8- 5d98-11e6-95d5-00000aacb35f&acdnat=1470682256_d2529d056accb393654f95f369d7f32c. Acesso em: 08 ago. 2016.

GUIMARÃES, J. A. C. A recuperação temática da informação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Ciência da Informação, São Paulo, v. 16, n. 3/4, p. 112-130, 1990. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000002799/66844f64b006528b6536e3e344a92f4d/. Acesso em: 20 set. 2017.

GUIMARÃES, J. A. C. As políticas de indexação como elemento para a gestão do conhecimento nas organizações. In: VIDOTTI, S. A. G. (Coord.) Tecnologia e conteúdos informacionais: abordagens teóricas e práticas. São Paulo: Polis, 2004. p. 43-52.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LARA, M. L. G. de. Linguagem documentária e terminologia. Transinformação, v. 16, n. 3, p. 231-240, 2004. Disponível em: http://periodicos.puccampinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/710/690. Acesso em: 16 set. 2017.

MARRA, P. S. C. O papel das bibliotecas universitárias na comunicação científica: um estudo sobre os repositórios institucionais. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 17, n. esp. 2, p. 174-194, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17nesp2p174. Acesso em: 25 set. 2017.

MARTINS, M. C. B. Indexação e controlo da terminologia em bibliotecas do ensino superior politécnico em Portugal: o sistema no instituto politécnico de Portalegre. 2014. 372 p. Tese (Doutorado em Metodologia e Linhas de Investigação em Biblioteconomia e Documentação) – Universidade de Salamanca, Salamanca, 2014. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/7171/1/TESIS%20346.pdf. Acesso em: 10 set. 2017.

MOURA, M. A.; SILVA, A. P.; AMORIM, V. R. de. A concepção e o uso das linguagens de indexação face às contribuições da semiótica e da semiologia. Informação & Sociedade, v. 12, n. 1, 2002. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000001571/f872650acc92d0fddd5252cce9cb7c9d/. Acesso em: 17 set. 2017.

NARUKAWA, C. M.; SALES, R. A relevância e influência de linguagens documentárias na política de tratamento da informação. In: GIL LEIVA, I.; FUJITA, M. S. L. (Ed.). Política de indexação. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2012.

NUNES, C. O. Algumas considerações acerca da ausência de políticas de indexação em bibliotecas brasileiras. Biblos: Revista de Bibliotecologia y Ciencias de la Información, Rio Grande, n. 16, p. 55-61, 2004. Disponível em: http://www.seer.furg.br/ojs/index.php/biblos/article/viewFile/411/96. Acesso em: 30 out. 2017.

RUBI, M. P. Proposta para implantação de política de indexação em bibliotecas. In: GIL LEIVA, I.; FUJITA, M. S. L. Política de indexação. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2012. p. 107-120.

SVENONIUS, E. The intellectual foundation of information organization. Cambridge: MIT Press, 2000.

VAN SLYPE, G. Lenguajes de indización: concepción, construcción y utilización en los sistemas documentales. Madrid: Fundación Germán Sánchez Rui Perez, 1991.

VIEIRA, A. P. F.; OLIVEIRA, L. P. de; CUNHA, T. M. Incursões sobre o tratamento temático da informação: estudo da política de indexação em bibliotecas universitárias goianas. Revista Informação em Pauta, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 28-49, jan./jun. 2017. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/24429. Acesso em: 21 out. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2019v24n1p190

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional