A transexualidade na literatura científica das ciências da saúde

Débora Gomes Salles, Jéssica dos Santos Gonçalves, Luciana Danielli de Araujo

Resumo


Introdução: O trabalho discute a visibilidade dos estudos científicos sobre transexualidade no campo da Saúde. Objetivos: O estudo questiona de que forma a transexualidade é abordada no campo na atualidade, tendo como margem temporal o período 2014-2016. Metodologia: A análise de domínio, proposta por Birger Hjørland e Hanne Albrechtsen, foi adotada, como abordagem teórico-metodológica, para o reconhecimento do grupo social transgênero como uma comunidade discursiva. A coleta de dados foi realizada na base LILACS, gerenciada pelo Centro Latino-Americano de Informação em Ciências da Saúde (BIREME), a partir dos dados descritivos (centrando-se no título dos artigos), tendo como limitador do levantamento o(s) termo(s) “transexual(is)”. Resultados: Foram recuperados 22 (vinte e dois) documentos no período. A partir destes, foram identificados para análise os seguintes metadados, autor, título, método e população de estudo utilizados, descritor, ano de publicação, sendo consideradas para o estudo, como centrais, os elementos “método” e “temacidade” (retirada a partir dos descritores). Após a análise do corpus, constatou-se que os métodos adotados para abordar o tema são: estudos de narrativa; revisões de análises quali e quantitativas, estudos observacionais, revisões teóricas; análises de conteúdo, estudos comparativos, análises de discurso, revisões sistemáticas, entre outras citadas ao longo deste estudo. As principais ocorrências temáticas identificadas a partir dos descritores foram: pessoas, readequação, gênero, identidade, hormônios e saúde. Conclusões: Dentro dos limites da extensão e horizontalidade dos dados, depreende-se dos resultados que as Ciências da Saúde na América Latina e Caribe ainda estudam a transexualidade com foco na patologização dos indivíduos, principalmente a partir das representações manifestadas pelas noções “readequação” e “hormônios”. 


Palavras-chave


Ciências da Saúde; Análise de Domínio; Gênero; Transexualidade; Produção Científica

Texto completo:

PDF

Referências


ARÁN, Márcia et al. Transexualidade e saúde pública: acúmulos consensuais de propostas para atenção integral. [Rio de Janeiro; Brasília]: UERJ; MCT; CNPq; MS, [2008?]. Texto elaborado a partir do Relatório Preliminar da Pesquisa Transexualidade e Saúde: condições de acesso e cuidado integral (IMS-UERJ/ MCT/ CNPq/ MS/ SCTIE/ DECIT); Relatório das Reuniões realizadas no Ministério da Saúde sobre O Processo transexualizador no SUS (MS, 2006; 2007); Observatório do Instituto Antígona Entendendo os fundamentos jurídicos dos direitos GLBT (2008).

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Estudos feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, maio/ago. 2011.

BENTO, Berenice; PELÚCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Estudos feministas, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 569-581, maio/ago. 2012a.

______. Vivências trans: desafios, dissidências e conformações: apresentação. Estudos feministas, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 485-488, maio/ago. 2012b.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ConstituicaoCompilado.htm>. Acesso em: 30 abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de apoio à gestão participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bisexuais, Travestis e Transexuais. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013. 32 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_lesbicas_ gays.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida; GOMES, Hagar Espanha. Princípios para modelagem de domínio: a posição de Barry Smith e de Ingetraut Dahlberg. Ci. Inf., Brasília, v. 41, n. 1, p. 81-94, jan./abr. 2014.

CAPURRO, Rafael. What is information science for? A philosophical reflection. In: INTERNATIONAL CONFERENCE FOR THE CELEBRATION OF 20th ANNIVERSARY OF THE DEPARTMENT OF INFORMATION STUDIES, UNIVERSITY OF TEMPERE, Finland, 1991. Proceedings… London; Los Angeles: Taylor Graham, 1992.

DAHLBERG, Ingetraut. Knowledge organization: a new science? Knowledge Organization, v. 33, n. 1, p. 11-19, 2006.

GUIMARÃES, José Augusto C. Análise de domínio como perspectiva metodológica em organização da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 41, n. 1, p. 13-21, jan./abr. 2014.

HARAWAY, Donna. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, n. 22, p. 201-246, 2004. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644638>. Acesso em: 19 nov. 2016.

HJØRLAND, Birger. Domain analysis in information science. Eleven approaches – traditional as well as innovative. Journal of Documentation, v. 58, n. 4, p. 422-62, 2002.

______. What is knowledge organization (KO)? Knowledge Organization, v. 35, n. 2/3, p. 86-101, 2008.

HJØRLAND, Birger; ALBRECHTSEN, Hanne. Toward a new horizon in Information Science: domain-analysis. Journal of the American Society for Information Science, v. 46, n. 6, p. 400-425, 1995.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer - uma política pós-identitária para a educação. Rev. Estudos Feministas, v. 9, n. 2, p. 541-553, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104026X2001000200012/8865>. Acesso em: 21 abr. 2017.

MATOS, Maria Izilda S. de. Estudos de gênero: percursos e possibilidades na historiografia contemporânea. Cadernos Pagu, n. 11, p. 67-75, 1998.

Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634463>. Acesso em: 19 nov. 2016.

PINO, Nádia Perez. A teoria queer e os intersex: experiências invisíveis de corpos des-feitos. Cadernos Pagu, n. 28, p. 149-174, jan./jun. 2007. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644800>. Acesso em: 30 nov. 2016.

PIRES-ALVES, F. A. Cooperação internacional em Saúde na era do desenvolvimento: informação científica e tecnologias educacionais na formação de recursos humanos (1963-1983). 2011. 346 f. Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde)- Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://www.ppghcs.coc.fiocruz.br/images/teses/tese_fernando_pires.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2016.

SARACEVIC, Tefko. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspec. Ci. Inf., Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/235/22>. Acesso em: 10 dez. 2016.

SUGA, Sueli Mitiko Yano. Desafios e perspectivas para a base de dados LILACS. In: ENCONTROS SETORIAIS FESPSP: informação em saúde, São Paulo, 27 set. 2013. São Paulo: FESPSP, 2013. Apresentação de slides.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2017v22n2p265

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional