Visibilidade social de indivíduos transgênero e sistemas de organização do conhecimento

Marcia Maria Melo Quintslr, Bianca da Costa Maia Lopes, Fernanda do Valle Galvão, Michelle Louise Guimarães da Silva

Resumo


Introdução: Esta pesquisa aborda o domínio gênero na Organização do Conhecimento segundo um viés analítico sociopolítico, no intuito de investigar os usos sociais da linguagem nesse domínio, particularmente, no âmbito da população transgênero brasileira. Objetivos: Objetiva-se verificar a existência, ou sua viabilidade, de uma linguagem capaz de expressar a realidade específica dessa população, efetivamente. Metodologia: Parte-se de revisão bibliográfica especializada do domínio de estudos de gênero e da Organização do Conhecimento, combinada a referenciais teóricos da sociologia. Em seguida, duas frentes de análise documental são empreendidas: a primeira, no horizonte das linguagens e classificações recorrentes nas áreas de saúde e estatísticas públicas, dominadas pelo padrão sexual binário. A segunda, a partir do caso específico do Colégio Pedro II ao afirmar o reconhecimento da diversidade de gênero, averiguando-se as repercussões dessa ação em uma rede social. Resultados e conclusões: Os resultados apontam para a ausência de um lugar de fala reconhecido pelos grupos mencionados, restando à Organização do Conhecimento o desafio de compreender os limites classificatórios e, simultaneamente, aportar uma produção contínua e emancipatória de significados ao domínio gênero. 


Palavras-chave


Organização do Conhecimento; Linguagem; Indivíduos Transgêneros; Visibilidade

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz diferença. In: Estudos Feministas, Florianópolis 19 (2), pp. 336, maio-agosto/2011.

BENTO, Berenice; PELÚCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. In: Estudos Feministas, Florianópolis, 20 (2), pp. 256, maio-agosto/2012a.

________. Vivências trans: desafios, dissidência e conformações. In: Estudos Feministas, Florianópolis, pp. 485-488, maio-agosto/2012b.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2008a.

________. Escritos de educação (Org. Maria Alice Nogueira e Afrânio Catani). Petrópolis: Vozes, 2007

________. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Papirus Editora, 2008b.

BRAMAN, Sandra. Forms and Phases of Power: The Bias of the Informational State. In: Change of state: Information, policy, and power, pp. 9-38. Cambridge, MA: MIT Press. 2006.

CAPURRO, Rafael. What is information science for? A philosophical reflection. Conceptions of library and information science, p. 82-96, 1992.

CERVERA, Julia Pérez; FRANCO, Paki Venegas. Manual para o uso não sexista da linguagem. Trad. Beatriz Cannabrava. Montevideo: REPEM, 2006.

DAHLBERG, Ingetraut. Knowledge Organization: a new Science? Knowl. Org. 33, n.1, 2006 pp. 11-19.

DE MATOS, Maria Izilda S. Estudos de gênero: percursos e possibilidades na historiografia contemporânea. Cadernos Pagu, n. 11, p. 67-75, 1998.

FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismos em duelo. In: Cadernos Pagu, n. 1718, p. 9-79, 2002.

FOSKETT, A. C. A abordagem temática da informação. São Paulo: Polígono, 1973.

GARCÍA GUTIÉRREZ, A. Desclassification in Knowledge Organization: a postepistemological essay. Transinformação, Campinas, v.23, n.1, p. 5-14, jan./abr., 2011.

GUIMARÃES, José Augusto Chaves. Análise de domínio como perspectiva metodológica em organização da informação. Ciência da Informação, v. 43, n. 1, 2015.

HARAWAY, Donna. Gênero para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. In: Cadernos Pagu, n. 22, p. 201-246, 2004.

HJØRLAND, Birger. What is Knowledge Organization (KO)? In. Knowledge Organization, 35(3/2), 86-101.

MIRANDA, Marcos Luiz Cavalcanti de. A organização do etnoconhecimento: a representação do conhecimento afrodescendente em Religião na CDD. In. VIII Enancib – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, GT 2: Organização e Representação do Conhecimento Comunicação Oral, 28 a 31 de outubro de 2007, Salvador.

MIRANDA, Marcos Luiz Cavalcanti de; PARANHOS, João Paulo Borges; OLIVEIRA, Jonathan Xisto de; PAES, Michelle Salles. Organização e representação do conhecimento em religiões yorubanas na Library of Congress Subject Headings. In: Desafios e perspectivas científicas para a organização e representação do conhecimento na atualidade. Orgs. José Augusto Chaves Guimarães e Vera Dobedei. Sociedade Brasileira de Organização do Conhecimento (ISKO-Brasil), Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (FUNDEPE). Marília, São Paulo. 2012.

ORTIZ, Renato (org.). 1983. Bourdieu – Sociologia. São Paulo: Ática. Coleção Grandes Cientistas Sociais, vol. 39. p.156-183.

PINHO, Fabio Assis; GUIMARÃES, José Augusto Chaves. Os desafios da representação do conhecimento face à homossexualidade masculina. In: Desafios e perspectivas científicas para a organização e representação do conhecimento na atualidade. Orgs. José Augusto Chaves Guimarães e Vera Dobedei. Sociedade Brasileira de Organização do Conhecimento (ISKO-Brasil), Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (FUNDEPE). Marília, São Paulo. 2012.

PINSKY, Carla Bassanezi. Estudos de gênero e história social. In: Estudos Feministas, Florianópolis. 17(1), pp. 159-189, janeiro-abril/2009.

SOUZA, Rosali Fernandez de. Organização do conhecimento. In: TOUTAIN, Lídia M. B. B. (org.). Para entender a Ciência da Informação. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 103-124.

TGEU. Disponível em: http://tgeu.org/. Acesso em 30 nov. 2016.

VIGNAUX, Georges. O demônio da classificação: pensar, organizar. Instituto Piaget, 1999, Éditions du Sueil, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2017v22n2p235

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional