Aspectos machistas na organização do conhecimento: a representação da mulher em instrumentos documentários

Brisa Pozzi de Sousa, Vinicius de Souza Tolentino

Resumo


Introdução: Abordar o tema mulher justifica-se pela forma como esse assunto tem desencadeado transformações que precisam ser compreendidas pela Organização do Conhecimento (OC), envolvendo tanto o aspecto temático quanto descritivo. A investigação não pode estar desvinculada do contexto social, pois os limites e as definições acerca do tema não são fixos e indefiníveis e necessita de discussões. Objetivos: Consiste na análise de descritores (nos tesauros) e de regras (no AACR2r) que suscitem a indicação de representações machistas, pois se torna imprescindível que profissionais tenham olhar crítico sobre o uso dos referidos instrumentos. Metodologia: Analisa a representação com foco na mulher, em três diferentes instrumentos: o Tesauro para Estudos de Gênero e Sobre Mulheres (TEG), o Tesauro Jurídico do Superior Tribunal de Justiça (TJ STJ) e o Anglo American Cataloguing Rules, 2ª edição (AACR2r). Para averiguar o que se propõe, a sistematização do referencial teórico consiste no delineamento sobre OC, a mulher e os instrumentos. Resultados: As análises demonstram posturas machistas nos recortes investigados, permitindo constatar a necessidade de revisão dos três instrumentos, demandando atualização dos conceitos para que os descritores e as regras mantenham-se coerentes com a (re)configuração social livre de preconceito. Conclusões: Se o processo de representação for imbuído de preconceitos, tanto pelo fato do instrumento não ser atualizado ou por desconhecimento em relação ao domínio gênero, o impacto surtirá efeito negativo no público usuário.


Palavras-chave


Organização do Conhecimento; Gênero; Mulher; Tesauros; Regras de Catalogação

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN NATIONAL STANDARDS INSTITUTE; NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION. Z 39.19:2005: guidelines for the construction, format, and management of monolingual controlled vocabularies. Bethesda: NISO, 2005.

BARBOSA, Alice Príncipe. Novos rumos da catalogação. Rio de Janeiro: BNG: Brasilart, 1978.

BIBLIOTECA NACIONAL (BRASIL). Catálogo de autoridade pessoa. Disponível em: http://acervo.bn.br/sophia_web/index.html>. Acesso em: 30 mar. 2017.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Feminismo. ______. In: Dicionário de política. 13. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2010. v. 1. p. 485-490.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 30 mar. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.100, de 29 de setembro de 1995. Estabelece normas para a realização das eleições municipais de 3 de outubro de 1996, e dá outras providências. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9100.htm>. Acesso em: 30 mar. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.034, de 29 de setembro de 2009. Altera as Leis nos 9.096, de 19 de setembro de 1995 - Lei dos Partidos Políticos, 9.504, de 30 de setembro de 1997, que estabelece normas para as eleições, e 4.737, de 15 de julho de 1965 - Código Eleitoral. Brasília, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12034.htm>. Acesso em: 30 mar. 2017.

BRASIL. Decreto Nº 7.037, de 21 de dezembro de 2009. Aprova o Programa Nacional de Direitos Humanos - PNDH-3 e dá outras providências. Brasília, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7037.htm>. Acesso em: 3 mar. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Atribuições. [200?a]. Disponível em: http://www.stj.jus.br/sites/STJ/default/pt_BR/Institucional/Atribui%C3%A7%C3 %B5es>. Acesso em: 3 mar. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Secretaria de Jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. Consulta ao vocabulário jurídico controlado. Brasília: A Secretaria, [200?b]. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/thesaurus/ajuda_thes.jsp>. Acesso em: 27 nov. 2016.

BRUSCHINI, Cristina; ARDAILLON, Danielle; UNBEHAUM, Sandra G. Tesauro para estudos de gênero e sobre mulheres. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Ed. 34, 1998.

BUCHMANN, Luciano. Uma marca machista: o gênero da obra de Poty. Revista Científica/FAP, Curitiba, v. 3, p. 245-254, jan./dez. 2008.

CASTAÑEDA, Marina. O machismo invisível. São Paulo: A Girafa, 2006.

CERVANTES, Brígida Maria Nogueira; FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. Uma perspectiva diacrônica de parâmetros e modelos de construção de tesauros. In: CERVANTES, Brígida Maria Nogueira (Org.). Horizontes da organização da informação e do conhecimento. Londrina: Eduel, 2012. p.119-138.

CHARTIER, Roger. Diferenças entre os sexos e dominação simbólica. Cadernos Pagu, Campinas, n. 4, p. 37-47, 1995.

CÓDIGO de Catalogação Anglo-Americano. 2. ed. rev. 2002. São Paulo: FEBAB; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

CORRÊA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p.13-30, 2001.

DEREK, Austin; PETER, Dale. Diretrizes para o estabelecimento e desenvolvimento de tesauros monolíngues. Rio de Janeiro: IBICT; SENAI, 1993.

DESCRIÇÃO Bibliográfica Internacional Normalizada (ISBD): edição consolidada. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 2012. Tradução e revisão técnica Rosa Maria Galvão e Margarida Lopes.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2017v22n2p166

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional