Teoria barroca da organização do conhecimento: Emanuele tesauro e o espelho turvo das tensões entre epistemologia, metodologia e sociedade

Gustavo Silva Saldanha, Rosali Fernandez de Souza

Resumo


Introdução: A proposta do estudo é discutir os pressupostos epistemológico-históricos da Organização do Conhecimento, compreendida aqui como um coletivo de ações intersubjetivas dedicadas à representação e à apropriação de saberes no plano da linguagem, a partir do pensamento e da obra de Emanuele Tesauro. O horizonte do trabalho é a identificação de elementos que colocam em discussão as dimensões e tensões entre epistemologia, metodologia e sociedade, a partir de uma teoria barroca da organização e representação dos saberes. Objetivos: O objetivo geral está em um plano teórico direcionado à compreensão das fronteiras que problematizam as relações entre as dinâmicas epistemológicas, aplicadas e sociopolíticas, que reencontram a teorização de Emanuele Tesauro tecida no século XVII. Metodologia: Trata-se de uma reflexão teórica, baseada em um estudo epistemológico-histórico, que procura reconhecer, discutir e relacionar as ideias presentes na teorização de Emanuele Tesauro no século XVII com a os desafios contemporâneos da Organização do Conhecimento. Resultados: A abordagem barroca de Tesauro, demarcada em seu espaço-tempo, e interpretada sob os dilemas contemporâneos da Organização do Conhecimento, demonstra sua atualidade para a reflexão sobre os regimes, as políticas e a economia política das práticas de representação do conhecimento. A abertura pragmática e semiótica do pensamento de Tesauro se apresenta, pois, como ferramenta teórica central para as discussões contemporâneas na epistemologia da Organização do Conhecimento, principalmente nos planos social e cultural. Conclusões: O estudo demonstra, a partir de Emanuele Tesauro, sob a influência aristotélica, uma base sólida, no plano teórico e no plano aplicado, de construção de uma argumentação sobre o simbólico para a Organização do Conhecimento.


Palavras-chave


Emanuele Tesauro; Epistemologia da Organização do Conhecimento; Teoria Barroca; Epistemologia Histórica; Filosofia da Linguagem

Texto completo:

PDF

Referências


CAPURRO, R. What is Information Science for? a philosophical reflection In: VAKKARI, P.; CRONIN, B. (Ed.). Conceptions of Library and Information Science; historical, empirical and theoretical perspectives. In: INTERNATIONAL CONFERENCE FOR THE CELEBRATION OF 20TH ANNIVERSARY OF THE DEPARTMENT OF INFORMATION STUDIES, UNIVERSITY OF TAMPERE, FINLAND.1991. Proceedings... London, Los Angeles: TaylorGraham,1992. p. 82-96.

CARPEAUX, Otto M. Teatro e estado do barroco. Estudos avançados, São Paulo, v. 4, n. 10, p. 7-36, sep.dec. 1990.

DAHLBERG, I. Knowledge Organization: a new Science? Knowl. Org. 33, n.1, 2006 p. 11-19.

ECO, Umberto. Semiótica e filosofia da linguagem. Lisboa: Instituto Piaget, 1984.

FROHMANN, Bernd. Rules of indexing: a critique of mentalism in information retrieval theory, Journal of Documentation, Vol. 46 Iss 2 pp. 81 – 101, 1990.

GARCÍA GUTIÉRREZ, A. Desclassification in Knowledge Organization: a postepistemological essay. Transinformação, Campinas, v.23, n.1, p. 5-14, 2011.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida. Da organização dos saberes às políticas de informação. Informare – Cad. Prog. Pós-grad. Ci. Inf., Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 58-66, 1996.

HJORLAND, B. Domain anlysis in information science: eleven approaches traditional as well as innovative. Journal of Documentation, Londres, v. 58, n. 4, p. 422-462, 2002b.

HJORLAND, B.; ALBRECHTSEN, H. Toward a new horizont in information science: domain-analysis. Journal of the American Society for Information Science, v. 46, n. 6, p. 400-425, jul. 1995.

HJORLAND, B. Library and Information Science: practice, theory and philosophical basis. Information Processing and Management, v. 36, p. 501531, 2000.

HJØRLAND, B. What is Knowledge Organization (KO)? Knowl. Org. 35, n. 2/n.3, 2008 pp. 86-101.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2004.

OTLET, Paul. Traité de documentation: le livre sur le livre: théorie et pratique. Bruxelas: Editiones Mundaneum, 1934.

PEIGNOT, G. Dictionnaire raisonné de bibliologie, tomo I. Paris: Chez Villier, 1802a.

PROCTOR, Robert E. A theory of the conceit?. MLN, v. 88, n. 1, p. 68-94, jan. 1973.

RANGANATHAN, Shyiali R. As Cinco leis da Biblioteconomia. Brasília: Briquet de Lemos, 2009.

RANGANATHAN, Shyiali. R. Prolegomena to Library Classification. 3d ed. New York: Asia Publishing House, 1967.

SALDANHA, Gustavo S. SILVEIRA, N. C. Own name in Knowledge Organization Epistemology: a philosophical-theoretical debate. Knowledge Organization, v. 43, p. 265-278, 2016.

SALDANHA, Gustavo S. Vastu-tantra: sobre a pragmática transcendental em Ranganathan. In: Elaine Rosangela de Oliveira Lucas; Elisa Cristina Delfini Corrêa; Gisela Eggert-Steindel. (Org.). As contribuições de Ranganathan para a Biblioteconomia: reflexões e desafios. São Paulo: FEBAB, 2016. p. 4756.

SALDANHA, Gustavo S. The Philosophy of Language and Knowledge Organization in the 1930?s: Pragmatics of Wittgenstein and Ranganathan. Knowledge Organization, v. 41, p. 296, 2014.

SALDANHA, Gustavo S. O documento e a 'via simbólica': sob a tensão da 'neodocumentação'. Informação Arquivística, v. 2, p. 65-88, 2013.

SALDANHA, Gustavo S. Transgramáticas: filosofia da Ciência da Informação, linguagem e realidade simbólica. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 6, p. 01-30, 2013.

SALDANHA, Gustavo S. SILVA, L. K. R. Os sistemas bibliográficos em Gabriel Peignot: uma metabibliografia científica. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, p. 96-119, 2017.

SOUZA, Rosali Fernandez de. Universo de Ciência e Tecnologia: organização e representação em classificações do conhecimento. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, vol. 5 n. 1, 2012. Disponível em: http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article /view/65/125>. Acesso em: 30 mar. 2016.

SOUZA, Rosali Fernandez de. Organização do conhecimento. In.: TOUTAIN, Lídia M. B. B. (org.). Para entender a Ciência da Informação. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 103-124.

SOUZA, Rosali Fernandez de. Organização e representação de áreas do conhecimento em ciência e tecnologia: princípios de agregação em grandes áreas segundo diferentes contextos de produção e uso de informação. Encontros Bibli (UFSC), v. especi, n.núm.esp., p. 1-15, 2006.

TESAURO, E. Il Cannocchiale Aristotelico. Berlin: Verlag Gehlen; Zürich: Bad Homburg, 1670.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

WITTGENSTEIN, L. O Livro azul. Lisboa: Ed.70, 1992a.

WITTGENSTEIN, L. O Livro castanho. Rio de Janeiro: Edições 70, 1992b.

WITTGENSTEIN, L. Observações filosóficas. São Paulo: Loyola, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2017v22n2p11

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional