Cartas Patrimoniais e a Preservação do Patrimônio Cultural de Ciência e Tecnologia

Marcus Granato, Emanuela Sousa Ribeiro, Bruno Melo de Araújo

Resumo


Introdução: As Cartas Patrimoniais são documentos elaborados por especialistas que objetivam orientar e uniformizar as práticas em torno da proteção aos bens culturais. Objetivo: Este relato caracteriza os documentos que se denominam como Cartas Patrimoniais e suas diversas formas de elaboração. Enfatiza-se a escassez de Cartas Patrimoniais relativas ao patrimônio cultural de ciência e tecnologia (PCC&T) e apresentam-se as principais características da Carta do Rio de Janeiro sobre este patrimônio. Metodologia: Através de revisão de bibliografia e da análise de fontes primárias são discutidos aspectos relacionados à construção das Cartas Patrimoniais. Para a análise específica da elaboração da Carta do Rio de Janeiro sobre o PCC&T, foi realizado estudo de caso, posto que são apresentadas suas características principais e possíveis desdobramentos para uma proteção mais efetiva do PCC&T. Resultados: As Cartas Patrimoniais são produzidas a partir da iniciativa de instituições que possuem a atribuição formal para tal (UNESCO, ICOMOS, IPHAN, entre outras), ou através da atuação de profissionais relacionados ao patrimônio cultural que, a partir de consensos possíveis, elaboram diretrizes que normatizam procedimentos e métodos de preservação. A Carta do Rio de Janeiro sobre o PCC&T abriu um leque de atividades necessárias para construção de uma valorização ativa do PCC&T, a fim de que se construam políticas de preservação e formação de profissionais capacitados para atuar com esta tipologia patrimonial.


Palavras-chave


Cartas Patrimoniais; Patrimônio Cultural; Ciência e Tecnologia; Carta do Rio de Janeiro

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição de 1988. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

______. Decreto nº 80.978, de 12 de dezembro de 1977. Promulga a Convenção relativa à proteção do patrimônio mundial, cultural e natural. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

CABRAL, R. C. A dimensão urbana do patrimônio na Carta de Atenas de 1931. As contribuições da delegação italiana. Arquitextos, São Paulo, n. 179, maio 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2017.

CALABRE, L. Políticas Culturais no Brasil: dos anos de 1930 ao século XXI. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

CAMPOS, Y. D. S. Trayectoria constitucional del patrimonio cultural en Brasil. Memoria y Sociedad, v. 42, n. 21, p. 50-57, jan./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2017.

CASTRIOTA, L. B. Conservação e valores: pressupostos teóricos das políticas para o patrimônio. Topos Revista de Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, n. 4, 2005.

CHAUÍ. M. Cidadania cultural. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2006.

CHUVA, M. Os arquitetos da memória: sociogênese das práticas culturais de preservação do patrimônio cultural no Brasil (anos 1930-1940). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

DANTAS, F. S. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan): um estudo de caso em direito administrativo. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 264, p. 223-243, set./dez. 2013.

FONSECA, M. C. L. O Patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Minc – Iphan, 2005.

_______. Referências Culturais: Base para novas políticas de patrimônio. Políticas Sociais: acompanhamento e análise, n. 20, p. 111-120, 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2017.

GRANATO, M.; SANTOS, F. P. Os Museus e a Salvaguarda do Patrimônio Cultural de Ciência e Tecnologia no Brasil. In: GRANATO, M. (Org.) Museologia e Patrimônio, Série MAST: 30 anos de pesquisa. Rio de Janeiro: MAST, 2015. p. 79-119. v. 1. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

GRANATO, M.; MAIA, E. S.; SANTOS, F. P. Valorização do patrimônio científico e tecnológico brasileiro: descobrindo conjuntos de objetos de C&T pelo Brasil. Anais do Museu Paulista, v. 22, n. 2, p. 11-34, jul./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

GRANATO, M.; CÂMARA, R. N. Patrimônio, ciência e tecnologia: interrelações. In: CARVALHO C. S. R.; GRANATO, M.; BEZERRA R. Z.; BENCHETRIT, S. F. (Org.) Um olhar contemporâneo sobre a preservação do patrimônio cultural material. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008. p. 175-204.

GRANATO, M.; OLIVEIRA, P. L. C. Legislação de Proteção ao Patrimônio Cultural de Ciência e Tecnologia: análise e proposições. In: GRANATO, M.; SCHEINER, T. (Org.), Museologia, Patrimônio, Interculturalidade: museus inclusivos, desenvolvimento e diálogo intercultural. Rio de Janeiro: MAST, 2013. p. 234-249. v. 2.

______. Institucionalização do Patrimõnio Cultural da Ciência e Tecnologia. In: OLIVEIRA, L. V.; SILVA, M. C. S. M. (Org.). Políticas de aquisição e preservação de acervos em universidades e instituições de pesquisa. Rio de Janeiro: MAST, 2012. p. 317-342.

KÜHL, B. M. Notas sobre a Carta de Veneza. Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 287-320, dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2017.

LOURENÇO, M.; WILSON, L. Scientific heritage: Reflections on its nature and new approaches to preservation, study and access. Studies in History and Philosophy of Science, v. 44, 2013. p. 744-753.

LOUVAIN, P. Preservação do patrimônio cultural científico e tecnológico brasileiro: identificação, análise, avaliação e estudo de bens tombados. 2015. 230 f. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Museu de Astronomia e Ciências Afins Rio de Janeiro, 2015.

MOTTA, L. Valor de patrimônio e saber técnico institucional. In: CUREAU, S. et al. (Coords.). Olhar multidisciplinar sobre a efetividade da proteção do patrimônio cultural. Belo Horizonte: Fórum, 2011. p. 183-199.

OLIVEIRA, P. L. C.; GRANATO, M. Proteção e Valorização do Patrimônio Cultural de Ciência e Tecnologia: legislação, tombamentos e propostas. In: Seminário Internacional de Políticas Culturais, 4, 2013, Rio de Janeiro. Anais.... Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui barbosa, 2013a. p. 1-15.

_______. Legislação brasileira de proteção ao patrimônio cultural de ciência e tecnologia: análise e aplicação no ensino e pesquisa. In: Seminário Gestão do Patrimônio Cultural de Ciência e Tecnologia, 2, 2013, Recife. Anais... Recife: EDITORA UNIVERSITÁRIA DA UFPE, 2013b. p. 187-224.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Univesal dos Direitos Humanos. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

PINHEIRO, L. V. R.; GRANATO, M. Para Pensar a Interdisciplinaridade na Preservação: algumas questões preliminares. In: SILVA, R. R. G. (Org.). Preservação Documental: uma mensagem para o futuro. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 23-40.

PORTELA, P. H. G. Direito Internacional Público e Privado. 7. ed. Salvador: JusPODIVM, 2015.

SANT’ANNA, M. Preservação como prática: sujeitos, objetos, concepções e instrumentos. In: REZENDE, M. B.; GRIECO, B.; TEIXEIRA, L.; THOMPSON, A. (Org.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. Rio de Janeiro; Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2017.

SANTOS, C. H. G. R. Patrimônio cultural - documentação e reflexão necessária. In: CUREAU, S.; KISHI, S. A. S.; SOARES, I. V. P.; LAGE, C. M. F. (Org.). Olhar Multisdicisplinar sobre a efetividade da proteção do Patrimônio Cultural. Belo Horizonte: Fórum, 2011. p. 239-254.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n3p202

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional