Representação informacional de documentos artísticos em ambiente museológico: uma análise exploratória sob o ponto de vista da integração departamental

Giovana Deliberali Maimone

Resumo


Introdução: Analisa a integração dos departamentos museu, arquivo e biblioteca em ambiente museológico, no que diz respeito à representação informacional dos objetos/documentos artísticos, sendo que foram considerados todos os materiais referentes às artes, independentemente de seu suporte. Objetivos: Identificar a integração dos profissionais e dos acervos dos departamentos de museus em relação ao tratamento documentário dos diferentes tipos de materiais; contextualizar usos e ambiências destes documentos procurando delimitar fronteiras de aplicação documentária; e, comparar linguagens documentárias e ferramentas afins já existentes na área de artes. Metodologia: Foram realizados levantamentos e análises bibliográficas sobre o tema em questão, tendo como parte aplicada o envio e retorno de questionários à instituições de arte da cidade de São Paulo. Resultados: Muito embora existam diferenças entre os objetivos dos museus, esta pesquisa revelou a existência de iniciativas de integração tanto dos acervos quanto dos profissionais envolvidos com o trato informacional. Conclusões: É fundamental o trabalho integrado de representação de documentos artísticos sob o aspecto “informativo”, uma vez que agregam valor ao conteúdo das obras.


Palavras-chave


Representação da Informação; Documentos Artísticos; Museus; Arquivos; Bibliotecas

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN NATIONAL STANDARDS ORGANIZATION - ANSI. ANSI/NISO Z 39.19: 2005: guidelines for the construction, format, and management of monolingual controlled vocabularies. Bethesda: NISO Press, 2005. 176 p.

CINTRA, A. M. M. et al. Para entender as linguagens documentárias. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Polis, 2002. 96 p.

CLASSIFICAÇÃO DECIMAL DE DEWEY. 23. ed. 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2016.

COELHO, T. Dicionário Crítico de Política Cultural: cultura e imaginário. São Paulo: Iluminuras, 1997.

COMITÊ INTERNACIONAL DE DOCUMENTAÇÃO (CIDOC) / CONSELHO INTERNACIONAL DE MUSEUS (ICOM). Declaração de Princípios de Documentação em Museus e Diretrizes Internacionais de Informação sobre Objetos de Museus: categorias de informação do CIDOC. São Paulo: Secretaria de Estado de Cultura de São Paulo; Associação de Amigos do Museu do Café; Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2014.

CUNHA, M. B. da; CAVALCANTI, C. R. de O. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2008.

DESVALLÉES, A.; MAIRESSE, F. (Ed.) Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus: Pinacoteca do Estado de São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura, 2013. 100 p.

FARIA, M. I.; PERICÃO, M. DA G. Dicionário do livro: da escrita ao livro eletrônico. São Paulo: EDUSP, 2008.

GARCÍA CANO, J. M. La documentación en el museo arqueológico de Murcia. Anales de documentación, n. 2, p. 159 – 168. 1999.

HARPRING, P. Introduction to controlled vocabularies: terminology for art, architecture and other cultural Works. Los Angeles, California: Getty Research Institute, 2010. 244 p.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DE PORTUGAL. Sistema Integrado de Metainformação. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

INTERNATIONAL STANDARD ORGANIZATION. ISO 25964: thesauri and interoperability with other vocabularies. Part 1: Thesauri for information retrieval. Geneve: International Standard Organization, 2011.

INTERNATIONAL STANDARD ORGANIZATION. ISO 25964: thesauri and interoperability with other vocabularies. Part 2: Interoperability with other vocabularies. Geneve: International Standard Organization, 2012.

MAIMONE, G. D.; SILVEIRA, N. C.; TÁLAMO, M. F. G. M. Reflexões acerca das relações entre representação temática e descritiva. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v. 21, n. 1, p. 27-35, jan./abr. 2011.

PAES, M. L. Arquivo: teoria e prática. 3. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

SANTOS, G. C.; RIBEIRO, C. M. Acrônimos, siglas e termos técnicos: arquivística, biblioteconomia, documentação, informática. Campinas, SP: Editora Átomo, 2003.

SMIT, J. W. Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia: o que agrega estas atividades profissionais e o que as separa? Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 1, n. 2, p. 27 – 36. 1999-2000.

SPECTRUM 4.0: padrão para gestão de coleções de museus do Reino Unido. São Paulo: Secretaria de Estado de Cultura de São Paulo; Associação de Amigos do Museu do Café; Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2014. UDC CONSORTIUM – Classificação Decimal Universal. 3. ed. Lisboa, PT : Biblioteca Nacional, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n1p109

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional