Análise de citações presentes em teses e dissertações em educação indígena

Alexandre Masson Maroldi, Luis Fernando Maia Lima, Maria Cristina Piumbato Innocentini Hayashi

Resumo


Introdução: A chegada ao Brasil no século XVI dos primeiros jesuítas da Companhia de Jesus e a ação evangelizadora que empreenderam por meio de uma ação catequítico-educativa podem ser consideradas como a primeira experiência pedagógica desenvolvida pelos colonizadores. Na atualidade, a educação indígena tem sido perscrutada em diversas pesquisas acadêmicas, o que motivou o presente estudo. Objetivo: identificar e analisar as citações de artigos e livros, os periódicos citados, as áreas de conhecimento das citações, bem como o tipo de autoria (individual ou coletiva), os idiomas dos artigos e os periódicos citados em teses e dissertações de diferentes áreas de conhecimento. Metodologia: O estudo adotou a abordagem bibliométrica para analisar citações (n=2.627) presentes em teses e dissertações (n=71) sobre a temática. Resultados: A literatura citada é majoritariamente composta por: citações de livros com predomínio daqueles da área de Antropologia; entre os artigos citados predominam aqueles que abordam a temática da Educação escolar indígena; os periódicos que mais publicaram os artigos citados são das áreas de Educação, Antropologia, Multidisciplinar e Ciências Sociais; predominam nas citações as autorias individuais e as publicações em português. Conclusões :A pesquisa revelou padrões, características, lacunas e tendências do conhecimento produzido sobre educação indígena em teses e dissertações brasileiras.


Palavras-chave


Análise de Citações; Bibliometria; Educação Indígena

Texto completo:

PDF

Referências


AGUADO-LÓPEZ, E.; BECERRIL-GARCÍA, A.; GODÍNEZ-LARIOS, S. Become associated or perish: functional collaboration within the Social Sciences in Latin America. Revista Española de Investigaciones Sociologicas, Madrid, v. 161, p. 3-22, jan./mar. 2018.

BHABHA, H. K. O local da cultura. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

BARROS, M. C. D. M. Educação bilíngue, linguística e missionários. Em Aberto, Brasília, v. 14, n. 63, p. 18-37, jul./set. 1994.

BERGAMASCHI, M. A. Processos e práticas educativas dos povos ameríndios no Brasil: um olhar a partir de pesquisas contemporâneas. Arquivos analíticos de políticas educativas, v. 20, n. 34, out. 2012.

BERGAMASCHI, M. A.; SILVA, R. H. D. da. Educação escolar indígena no Brasil: da escola para índios às escolas indígenas. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 124-150, 2008.

BITTAR, M.; SILVA, M. R.; HAYASHI, M. C. P. I. Produção científica em dois periódicos da área de educação. Avaliação, Campinas/Sorocaba, v. 16, n. 3, p. 655-74, nov. 2011.

BONIN, I. T.; RIPOLL, D.; AGUIAR, J. V. S. A temática indígena sob as lentes dos Estudos Culturais e Educação – algumas tendências e enfoques analíticos. Educação, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 59-69, jan./abr. 2015.

CANDAU, V. M. F.; RUSSO, K. Interculturalidade e educação na américa latina: uma construção plural, original e complexa. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 151-169, jan./abr. 2010.

CAPACLA, M. V. (Org.). O debate sobre a educação indígena no brasil (1975-1995): resenhas de teses e livros. Brasília: MEC, 1995.

CARDOSO, J. R. et al. Legislação indigenista e a educação escolar indígena: avanços e possibilidades. A Barriguda: Revista Científica, Campina Grande, v. 6, n. 2, p. 258-276, maio/ago. 2016.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. DELTA, São Paulo, v. 15, n. especial, p. 385-417, 1999.

CLASTRES, P. A sociedade contra o estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (CNPq). Tabela de áreas de conhecimento. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 de junho de 2018.

CRONIN, B. The citation process: the role and significance of citations in scientific communication. London: Taylor Graham, 1984.

DIODATO, V. Dictionary of bibliometrics. New York: Haworth Press, 1994.

FERREIRA JR., A.; BITTAR, M. A gênese das instituições escolares no Brasil: os jesuítas e as casas de bê-á-bá no século XVI. Acervo, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1-2, p. 35-54, jan./dez. 2005.

FINARDI, K. R.; FRANÇA, C. O inglês na internacionalização da produção científica brasileira: evidências da subárea de linguagem e linguística. Intersecções, Jundiaí, v. 19, n. 9, p. 234-250, maio 2016.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento das prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

GARFIELD, E. Citation frequency as a mesure of research activity and performance. Essays of an Information Scientist, v. 1, p. 406-408, 1973.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GOMES, A. M. R. O processo de escolarização entre os Xakriabá: explorando alternativas de análise na antropologia da educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 316-327, maio/ago. 2006.

GOMES, M. P. Os índios e o Brasil: passado, presente e futuro. Petrópolis: Vozes, 1988.

GRUPIONI, L. D. B. A educação indígena na academia: inventário comentado de dissertações e teses sobre educação escolar indígena no Brasil (1978-2002). Em Aberto, Brasília, v. 20, n. 76, p. 197-238, fev. 2003a.

______. Experiências e desafios na formação de professores indígenas no Brasil. Em Aberto, Brasília, v. 20, n. 76, p. 7-11, fev. 2003b.

______. Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, L. D. B. Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HAYASHI, M. C. P. I.; ROTHBERG, D.; HAYASHI, C. R. M. Scientific knowledge and digital in Brazil; how to access public health debate with applied Scientometrics. Scientometrics, v. 83, p. 825-33, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010. Disponível em: < http://censo2010.ibge.gov.br/>. Acesso em: 12 jun. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo da educação básica 2012: resumo técnico. Brasília: INEP, 2013.

KAHN, M. Educação Indígena versus Educação para Índios: sim a discussão deve continuar... Em Aberto, Brasília, v. 14, n. 63, p. 137-144, jul./set. 1994.

KAHN, M.; FRANCHETTO, B. Educação indígena no Brasil: conquistas e desafios. Em Aberto, Brasília, v. 14, n. 63, p. 5-9, jul./set. 1994.

LADEIRA, M. E. Desafios de uma política para a educação escolar indígena. Revista de Estudos e Pesquisas, Brasília, v. 1, n. 2, p. 141-155, dez. 2004.

LIMA, A. C. de S. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995.

MAROLDI, A. M.; et al. Panorama bibliométrico das teses e dissertações sobre educação indígena. Revista Brasileira de Educação do Campo, Tocantinópolis, v. 2, n. 2, p. 677-707, jul./dez. 2017a.

_____. Frente de pesquisa de títulos de livros: um estudo aplicado ao campo da educação indígena. Informação em Pauta, Fortaleza, v. 2, n. 2, p. 35-54, jul./dez. 2017b.

MAROLDI, Alexandre Masson et al. O que revelam os artigos citados nas teses e dissertações em educação indígena?. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, v. 23, n. 48, p. 61-89, 2018a.

MAROLDI, A. M.; LIMA, L. F. M.; HAYASHI, C. R. M.; HAYASHI, M. C. P. I. O que revelam os artigos citados nas teses e dissertações sobre educação indígena? Série-Estudos, Campo Grande, v. 23, n. 48, p. 61-89, maio/ago. 2018b.

MATOS, K. G.; MONTES, N. L. O estado da arte da formação de professores indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, L. D. B. Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

MELIÀ, B. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.

______. Educação Indígena na Escola. Caderno CEDES, Campinas, v. 19, n. 49, p. 11-17, dez. 1999.

MONTEIRO, E. P.; KAHLIL, J. B. Revista Areté 2008-2013: mapeamento das publicações sobre educação indígena e educação em ciências no Amazonas. Revista ARETÉ, Manaus, v. 8, n. 15, p. 196-203, 2015.

MORAES, M.; CARELLI, A. E. A interdisciplinaridade na Ciência da Informação pela perspectiva da análise de citações. Em Questão, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 137-160, jan./abr. 2016.

NORONHA, D. P. Análise das citações das dissertações de mestrado e doutorado em saúde pública (1990-1994): estudo exploratório. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 1, p. 66-75, jan./abr. 1998.

NORONHA, D. P.; FERREIRA, S. M. S. P. Índices de citação. In: CAMPELLO, B. S.; CÉNDON, B. V.; KREMER, J. M. (Org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

OLIVEIRA, A. de D.; ZIBETTI, M. L. T. O que pesquisas brasileiras sobre educação escolar indígena revelam? Revista Tellus, Campo Grande, n. 29, p. 87-112, jul./dez. 2015.

OLIVEIRA, J. P. de. Uma etnologia dos "índios misturados"? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, abr. 1998.

PAULA, E. D. de. A interculturalidade no cotidiano de uma escola indígena. Caderno CEDES, Campinas, v. 19, n. 49, p. 76-91, dez. 1999.

RIBEIRO, D. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

RODRIGUES, L. de S.; ROCHA, S. A. da; RODRIGUES, S. de F. P. Formação indígena para a docência: o que revelam as produções acadêmicas em 16 anos de pesquisas? Revista Tellus, n. 25, p. 145-176, jul./dez. 2013.

SAHLINS, M. O. ‘Pessimismo Sentimental’ e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção (parte 1). Mana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 41-73, abr. 1997.

SILVA, M. F. da. A conquista da escola: educação escolar e movimento de professores indígenas no Brasil. Em Aberto, Brasília, v. 14, n. 63, p. 38-53, jul./set. 1994.

SOARES, G. A. D.; SOUZA, C. P. R. de; MOURA, T. W. de. Colaboração na produção científica na Ciência Política e na Sociologia brasileiras. Sociedade e Estado, Brasília, v. 25, n. 3, p. 525-538, set./dez. 2010.

SPINAK, E. Indicadores cienciometricos. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p. 141-148, maio/ago. 1998.

______. Diccionário enciclopédico de bibliometría, cienciometría y informetria. Caracas: Unesco, 1996.

VANZ, S. A.; CAREGNATO, S. E. Estudos de citação: uma ferramenta para entender a comunicação científica. Em Questão, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 247-59, jul./dez. 2003.

VELHO, L. A ciência e seu público. Transinformação, Campinas, v. 9, n. 3, p. 15-32, set./dez. 1997.

VIVEIROS DE CASTRO, E. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios antropológicos. São Paulo: Cosaic & Naify, 2002.

______. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 115-144, out. 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n3p177

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional