Migração estudantil, informação e diferença: notas sobre comunidades virtuais no Facebook

Rubens da Silva Ferreira, Sarita Albagli, Leonora Figueiredo Corsini

Resumo


Introdução: Trata sobre o uso das mídias sociais por estudantes estrangeiros, conduzindo a discussão com base nas teses da autonomia das migrações e da informação como produção de diferença. Objetivo: Analisa o uso das mídias sociais por esses estudantes com foco nos processos de produção e circulação de informação, conhecimento e vivências. Metodologia: Faz um exercício etnográfico virtual em oito comunidades organizadas no Facebook, concentrando a recolha e análise dos dados na composição nacional dos participantes, nas informações que circulam por elas e no processo de produção de diferença. Resultados: Classifica as comunidades virtuais em quatro tipos: mistas; nacionais; de estudantes; e institucionais. Identifica o predomínio da Língua Portuguesa nas interações que ocorrem nas comunidades virtuais formadas por estudantes estrangeiros e/ou migrantes. Mostra que esses estudantes são afetados por elementos da cultura brasileira, especialmente pelos ritmos musicais, pelas danças, pela culinária e pelos modos de falar e de vestir. Conclusão: Entende que no contato com novas informações, conhecimentos e modos de ser, os estudantes estrangeiros experimentem mudanças em suas subjetividades, bagagem infocognitiva e identidade. Verifica, então, que a diferença resultante dessa experiência não implica ruptura com as referências culturais e identitárias do país de origem, mas, a construção de estratégias individuais e coletivas de viver em um espaço entre aqui e mediado pela informação

Palavras-chave


Migração Estudantil; Estudantes Estrangeiros; Comunidades Virtuais; Informação

Texto completo:

PDF

Referências


ALTBACH, P. G.; REISBERG, L.; RUMBLEY, L. E. (Org.). Trends in Global Higher Education: Tracking an Academic Revolution. Paris: UNESCO, 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2017.

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BATESON, G. Steps to an ecology of mind. Chicago; London: University of Chicago Press, 2000.

BELKING, N. J.; ROBERTSON, S. E. Information Science and the phenomenon of information. Journal of the American Society for Information Science, v. 27, n. 4, p. 197-204, jul./ago. 1976.

BOURDIEU, P. Le capital social. Actes de la recherche en Sciences Sociales, v. 31, p. 2-3, jan. 1980. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2017.

BOUTANG, Y. M. De la politique migratoire à la question du contrôle de la mobilité: premières hypothèses fondamentales. In: MOULIER-BOUTANG, Y. De l’esclavage au salariat: économie politique du salariat bridé. Paris: PUF, 1998. p. 9-67.

CASTELLS, M. Paraísos comunais: identidade e significado na sociedade em rede. In: _____. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2010. p. 21-92. v. 2.

_____. A sociedade em rede. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009. v. 2.

CASTLES, S. Entendendo a migração global. Uma perspectiva desde a transformação social. REMHU – Revista Internacional de Mobilidade Humana, Brasília, v. 18, n. 35, p. 11-43, jul./dez. 2010.

_____. International migration at the beginning of the twenty-first century: global trends and issues. International Social Science Journal, v. 52, n. 165, p. 269-281, set. 2000. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.

CHANEY, J. P. Uncovering nodes in the transnational social networks of Hispanic workers. 2013. 273 f. Dissertation (Doctor of Philosophy) - Agricultural and Mechanical College, Faculty of the Louisiana State, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

COCCO, G. Introdução. In: LAZZARATO, M.; NEGRI, A. Trabalho imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 7-23.

FACEBOOK. Company Info. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2016.

FALCON, Mark-Anthony. Introduction. In: _____. (Ed.). Multi-sited ethnography: theory, praxis and locality in contemporary research. Surrey; Burlington: Ashgate Publishing Limited, 2009. p. 1-23.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Metodologia de pesquisa no campo da Ciência da Informação. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, v. 1, n. 6, dez. 2000. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2016.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, Chicago, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

GUSMÃO, N. M. M. de. África e Brasil no mundo acadêmico: diálogos cruzados. In: Colóquio Saber e Poder, 2008, Campinas. Anais eletrônicos... Campinas: UNICAMP, 2008, 12 p. Disponível em: . Acesso em: 8 jul. 2017.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HINE, C. Etnografía virtual. Barcelona: UOC, 2004. (Colección Nuevas Tecnologías y Sociedad).

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR MIGRATION. World migration report: 2000. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

LOBO, A. de S. Mantendo relações à distância: o papel do fluxo de objetos e informações na configuração de relações familiares transnacionais em Cabo Verde. In: TRAJANO FILHO, W. (Org.). Lugares, pessoas e grupos: as lógicas do pertencimento em perspectiva internacional. Brasília: Athalaia Gráfica e Editora, 2010. p. 27-44.

MEZZADRA, S. Derecho de fuga: migraciones, ciudadanía y globalización. Madrid: Traficantes de Sueños, 2005. p. 143-157. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2017.

MEZZADRA, Sandro. O que é Operaísmo? 2013. Disponível em: . Acesso em: jan. 2018.

OJIMA, R. et al. Migrações internacionais motivadas por estudo: uma análise sociodemográfica dos estudantes estrangeiros radicados no Brasil. Revista PerCursos, Florianópolis, v. 15, n. 28, p. 166-189, 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2017.

OLIVEIRA, H. P. C. de; AQUINO, M. de A. O conceito de informação etnorracial na Ciência da Informação. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 466-492, set. 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2017.

RECUERO, R. da C. Comunidades Virtuais em Redes Sociais na Internet: uma proposta de estudo. Laboratório de Interação Mediada por Computador. 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.

RHEINGOLD, H. Virtual communities - exchanging ideas through computer bulletin boards. Journal For Virtual Worlds Research, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 1-5, jul. 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

UNITED NATIONS. 244 million international migrants living abroad worldwide, new UN statistics revel. 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n3p495

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional