Modernidade, cientificidade e memória pela via da literatura: a informação na estrutura narrativa do Drácula, de Bram Stoker

José Claudio Morelli Matos

Resumo


Introdução: Este trabalho interpreta o romance Drácula, de Bram Stoker, identificando pontos de interesse para os estudos da informação. Além disso, é mostrado como a época retratada no livro prepara e anuncia aquilo que se vem chamando atualmente de Era da Informação. Objetivo: Analisar procedimentos de ordenação e apropriação da informação, como elementos essenciais na estrutura narrativa do romance Drácula, de Bram Stoker. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, um esforço de interpretação da obra ficcional, questionando de forma ensaística e argumentativa sobre a relevância da informação no livro. Resultados: Por meio do exame da representação de Biblioteca, da oposição entre a modernidade (científica) e o passado (supersticioso) e da ação das personagens, o livro pode ser descrito como a apresentação em base fictícia, de um longo e detalhado processo de organização e uso de informações. Conclusões: A representação do ciclo completo das informações no romance resulta em uma composição ilustrativa da riqueza de sentidos e do valor que a informação assume na sociedade, já desde o final do século XIX.


Palavras-chave


Informação; Drácula; Memória; Bram Stoker; Biblioteca

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, S. A literatura e a ciência da informação. In: SILVA, H. de C.; BARROS, M. H. T. C. (Org.). Ciência da Informação – Múltiplos diálogos. Marília: Oficina Universitária Unesp. 2009. 114 p.

BARTHES, R. Aula inaugural da Cadeira de Semiologia Literária do Colégio de França. [tradução Leyla Perrone-Moisés]. São Paulo: Cultrix, 1977.

BRADSHAW’S CONTINENTAL RAIL GUIDE September 1988. Manchester: Bradshaw & Blacklock. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2017.

CARLAN, E.; MEDEIROS, M. Sistemas de Organização do Conhecimento na visão da Ciência da Informação. RICI: Revista Ibero-americana de Ciência da Informação, Brasília, v. 4, n. 2, p. 53-73, ago./dez. 2011.

CRIPPA, G. Ordem e desordem nos labirintos da ficção: os bibliotecários e suas representações em alguns produtos culturais contemporâneos. Transinformação, Campinas, v. 2, n. 21, p. 151-161, 2009.

LA ROQUE; T. Frankenstein, de Mary Shelley, e Drácula, de Bram Stoker, Gênero e ciência na literatura. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1. p. 11-34, mar./jun. 2001.

ORTEGA, C. D. Surgimento e consolidação da Documentação: subsídios para compreensão da história da Ciência da Informação no Brasil. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 14, número especial, p. 59-79, 2009.

SARACEVIC, T. Ciência da Informação: Origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte. v. 1, n. 1, p. 41-62, jan/jun. 1996.

SEED, D. The Narrative Method of Dracula. In: Nineteenth-Century Fiction. University of California Press. v. 40, n. 1, p. 61-75, jun. 1985.

STOKER, B. Drácula: uma história de mistério. São Paulo: Landmark, 2014.

TRACY, R. Loving you in all Ways: Vamps, Vampires, Necrophiles and Necrofilles in Nineteenth-Century Literature. In: BARRERA, R. (Ed.). Sex and Death in Victorian Literature. London & Hampshire: Palgravre Macmillan, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n3p260

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional