A questão do direito à privacidade no Facebook: um estudo à luz da ética da informação

Grace Quaresma Fugazza, Gustavo Silva Saldanha

Resumo


Introdução: No contexto de um mundo crescentemente conectado e compartilhado, marcado pela valorização da transparência em detrimento das ações de privacidade de dados pessoais no ambiente digital, nos deparamos com a problemática da efetividade do direito à privacidade no ciberespaço. Objetivo: Esse estudo busca investigar a questão do direito à privacidade na realidade da rede social Facebook para refletir a vivência da democracia no ciberespaço a partir de uma abordagem empírica. Metodologia: A pesquisa consiste em um estudo de caso. Os dados que compõem o seu corpus foram coletados a partir de um questionário auto-administrado de foco quali-quantitativo. Os resultados do estudo são analisados e discutidos à luz da ética da informação. Resultados: As redes sociais possuem ampla liberdade de acesso aos dados pessoais dos internautas, em troca da intensa investigação do comportamento e informação pessoal de seus usuários. A investigação de dados pessoais ocorre também entre os indivíduos, não partindo somente das empresas digitais, em um contexto de uma cultura digital de “transparência”, um produto da sociedade de controle. Conclusões: Considera que a personalização de conteúdos operacionalizada pelas empresas digitais em troca da ampla liberdade de acesso aos dados pessoais de seus usuários ameaça os princípios de autonomia e liberdade no ciberespaço. A investigação de dados pessoais ocorre também entre os indivíduos, como um reflexo da atual “cultura de transparência”.


Palavras-chave


Privacidade; Ética da Informação; Redes Sociais; Liberdade; Cultura Digital

Texto completo:

PDF

Referências


BEZERRA, M. A. A.; ARAÚJO, E. A. de. Reflexões epistemológicas no contexto do Orkut: ética da informação, sociabilidade, liberdade e identidade. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, abr./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012. Dispõe sobre a tipificação criminal de delitos informáticos, altera o Decreto-Lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 03 dez. 2012. Seção 1, p. 1.

BRUNO, F. Mapas de crime: vigilância distribuída e participação na cibercultura. E-compós: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Brasília, v. 12, n. 2, maio/ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2018.

CAPURRO, R. Ethical issues of online social networks in Africa. Innovation: Journal of appropriate librarianship and information work in Southern Africa, v. 46, p. 161-175, dez. 2013.

______. Ética intercultural de la información. In: GOMES, H. F.; BOTTENTUIT, A. M.; OLIVEIRA, M. O. E. de. (Org.). A ética na sociedade, na área da informação e da atuação profissional: o olhar da Filosofia, da Sociologia, da Ciência da Informação e da formação e do exercício profissional do bibliotecário no Brasil. Brasília: Conselho Federal de Biblioteconomia, 2009. p. 43-64. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

______. Impactos de las tecnologías digitales de la información y comunicación en la filosofía, las artes y las ciencias. Perspectivas UNICAMP 50 anos. Mesa: Impactos das Tecnologias da Informação na Filosofia, nas Artes e na Ciência. Anais eletrônicos... Campinas: UNICAMP, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2016.

______. Intercultural information ethics. Localizing the Internet. Ethical issues in intercultural perspective. International Center for Information Ethis. Karlsruhe, 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2016.

______. Privacy: An Intercultural Perspective. Ethics and Information Technology, v. 7, p. 37-47, 2005. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2016.

CAPURRO, R.; ELDRED, M.; NAGEL, D. It and privacy from an ethical perspective digital whoness: identity, privacy and freedom in the cyberworld. In: BUCHMANN, J. (Ed.). Internet Privacy: a multidisciplinary analysis. München: Acatech, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2016.

DELEUZE, G. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: Conversações: 1972-1990. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992, p. 219-226.

FACEBOOK. Declaração de Direitos e Responsabilidades. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2016.

FERREIRA, R. da S. A sociedade de informação como sociedade de disciplina, vigilância e controle. Información, cultura y sociedad, Buenos Aires, n. 31, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2016.

FLORIDI, L. Information ethics: On the philosophical foundation of computer ethics. Ethics and Information Technology, v. 1, n. 1, p. 33-52, mar. 1999.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 41. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

YIN, R. K. Introdução: quando usar os estudos de caso como método de pesquisa. In: ______. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. p. 23-45.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n3p462

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional