Rosas de chumbo: da censura ao acesso informacional de documentos sigilosos na ditadura brasileira

Diego Salcedo, Luana Alves de Melo Costa

Resumo


Introdução: Pressupõe uma relação entre a censura de documentos sigilosos, no período ditatorial brasileiro, e os seus vestígios atuais recuperados e mediados pela Comissão Nacional da Verdade. Estabelece, desde a Biblioteconomia, essa relação por meio de analogia com a obra ‘O Nome da Rosa’, conteúdo estudado e analisado nos cursos da área. Entende que esse debate alude à relevância dessa documentação enquanto registro que preserva e constitui a memória e identidade brasileira. Objetivo: Expor e debater, desde a Biblioteconomia, sobre alguns elementos que caracterizaram o controle e o acesso de informações de documentos sigilosos na ditadura brasileira. Metodologia: Utilizou como procedimento metodológico tanto a revisão bibliográfica em literatura especializada, quanto à análise de documentos por meio de conteúdos eletrônicos. Resultado: A partir da exposição e do debate sobre o tema proposto enaltece o papel social da Biblioteconomia, bem como o de mediador do bibliotecário no que diz respeito ao desafio que os documentos sigilosos do período ditatorial brasileiro oferecem. O desafio é o progressivo estudo, análise documental e sua divulgação. Conclusão: Verificou a necessidade de que o tema seja mais discutido na área. Sugere a elaboração permanente de políticas públicas direcionadas ao tema valorizando a identidade e memória nacional.


Palavras-chave


Acesso; Biblioteconomia; Censura; Ditadura Brasileira; Sigilo

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

______. Decreto n° 7. 845, de 14 de novembro de 2012. Regulamenta procedimentos para credenciamento de segurança e tratamento de informação classificada em qualquer grau de sigilo, e dispõe sobre o Núcleo de Segurança e Credenciamento. Diário Oficial da União, seção 1, 16 nov. 2012, p. 1. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

______. Ato Institucional nº 5, 13 de dezembro de 1968. São mantidas a Constituição de 24 de janeiro de 1967 e as Constituições Estaduais; o Presidente da República poderá decretar a intervenção nos estados e municípios, sem as limitações previstas na Constituição, suspender os direitos políticos de quaisquer cidadãos pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos eletivos federais, estaduais e municipais, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, 13 dez. 1968, p. 10801. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2016.

______. Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014. v. 1. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2016.

______. Lei nº 12.528, 18 de novembro de 2011. Cria a Comissão Nacional da Verdade no âmbito da Casa Civil da Presidência da República. Diário Oficial da União, seção 1, 18 nov. 2011, p. 5. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2016.

______. Lei nº 12.527, 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, 18 nov. 2011, p. 1. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2016.

______. Ministério da Justiça. Memórias reveladas: centro de referências das lutas políticas no Brasil (1964-1985). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2016.

______. Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos. Direito à memória e à verdade: histórias de meninas e meninos marcados pela ditadura. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2009.

BOOBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de Política. Brasília: Ed. da UnB, 1998.

BUCKLAND, M. K. Informação como coisa. São Paulo: EDUFF, 2004. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2016.

CALLADO, A. Bar Don Juan: romance. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

CHAFFE, B. A. A ditadura militar no Brasil e o controle da informação: relatos de censura nas bibliotecas da UFRGS. 2009. 62 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Informação) –, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Porto Alegre, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2016.

CHIAVENATO, J. J. O golpe de 64 e a ditadura militar. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2004.

ECO, H. O nome da rosa. Rio de Janeiro: Record, 1986.

______. O nome da rosa. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2016.

FICO, C. Documentos secretos da ditadura militar. Youtube. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2016.

GARCIA-FEBO, L. et al. Código de ética da IFLA para bibliotecários e outros profissionais da informação. 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

GARCIA, J. C. R. Bibliotecário: informar tudo à todos? Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 2, n. 1, p. 50-54, jan./dez. 1992. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

HUYSSEN, A. Resistências à memória: os usos e abusos do esquecimento público. In: BRAGANÇA, A.; MOREIRA, S. V. (Org.) Comunicação, acontecimento e memória. São Paulo: INTERCOM, 2005. p. 22 -36.

INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS CRIMINAIS. Documentos da ditadura militar. JusBrasil, 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2018.

LEITÃO, B. J. M. Bibliotecas públicas, bibliotecários e censura na era Vargas e regime militar. Rio de Janeiro: Interciência, 2011.

ORTEGA, C. D.; LARA, M. L. G. de. A noção de documento: de Otlet aos dias de hoje. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, abr. 2010, não paginado. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2016.

PINHEIRO, P. S.; PEREIRA. A. R. Arquivos da repressão e o acesso público na era digital. São Paulo: Comissão Nacional da Verdade, 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2016.

REIMÃO, S. Proíbo a publicação e circulação...: censura a livros na ditadura militar. Estudos Avançados, São Paulo, v. 28, n. 80, p. 75-90, jan./abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

ROCHA, R. O reizinho mandão. São Paulo: Pioneira, 1978.

ROCHA, R. O rei que não sabia de nada. São Paulo: Cultura, 1980.

ROCHA, R. O que os olhos não vêem. Rio de Janeiro: Salamandra, 1981.

ROCHA, R. Sapo vira rei vira sapo. Rio de Janeiro: Salamandra, 1983.

ROCHA, R. A volta do reizinho mandão. Rio de Janeiro: Salamandra, 1983.

SALCEDO. D. A. Espelhos de papel: pelo estatuto do selo postal. Recife: EDUFPE, 2017 (no prelo).

SALCEDO, D. A. Espelhos de papel: pelo estatuto do selo postal adesivo. 2013. 253 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação, Recife, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

SILVA, A. A. G. da.; BORGES, J. Arquivos secretos eclesiásticos em Salvador. Informação&Informação, Londrina, v. 14, n. 2, p. 38-61, jul./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

SOUZA. M. A. D. de. Sobre o nome da rosa II. Tribuna do Norte, 30 out. 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2016.

STAMPA, I.; SÁ NETTO, R. de. Documentar a Ditadura, uma reflexão coletiva sobre uma história que não pode se repetir. In: STAMPA, I.; SÁ NETTO, R. de. (Org.). Arquivos da repressão e da resistência. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2013. p. 10-20.

TAVARES, C. O dia que durou 21 anos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

______. Repressão. In: Memórias da Ditadura [On-line]. Disponível em: . Acesso em: 10 de jun. 2016.

TELLES, Lígia F. As meninas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1973.

VERRI, G. M. W. Tinta sobre papel: livros e leitura na Capitania de Pernambuco entre 1759 e 1808. Recife: EDUFPE, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n2p284

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional