A inter-relação entre o processo de inteligência competitiva e a gestão da inovação: proposição de um modelo teórico integrativo

Thaís Silva, Júlia Mudrik, Frederico Vidigal

Resumo


Introdução: Frente às incertezas inerentes ao processo de inovação e às instabilidades dos mercados cada vez mais competitivos, diversos métodos e técnicas tem sido utilizados pelas empresas como apoio ao processo de desenvolvimento de novos produtos e da inovação em si. Apesar das práticas de Inteligência Competitiva (IC) serem reconhecidas como um processo estratégico de apoio à tomada de decisão, poucos trabalhos exploram de forma mais detalhada como os ciclos de IC podem ser incorporados ao processo de gestão da inovação de forma a robustece-lo. Objetivos: Propor um modelo teórico integrativo das práticas de IC com o modelo de inovação Stage-Gate®. Metodologia: Revisão de literatura. Resultados: Modelo teórico integrativo do Stage-Gate® com os ciclos de IC, no qual um ciclo único está associado às etapas relacionadas ao nível estratégico do processo enquanto ciclos específicos são associados a cada um dos projeto de produto separadamente. Conclusões: A integração dos modelos contribui positivamente para os resultados empresariais ao estimular uma cadeia de agregação de valor em conhecimento que permite a redução contínua das incertezas, bem como maior conhecimento do mercado e dos clientes, dando suporte a tomada de decisão durante todo o processo de inovação. Ressalta-se assim a complementariedade e vantagens do uso combinado das abordagens aqui tratadas.


Palavras-chave


Gestão da Inovação; Inteligência Competitiva; Tomada de Decisão; Ciclo de Inteligência; Modelo Conceitual

Texto completo:

PDF

Referências


ADIDAM, P. T.; BANERJEE, M.; SHUKLA, P. Competitive intelligence and firm’s performance in emerging markets: an exploratory study in India. Journal of Business & Industrial Marketing, v. 27, n. 3, p. 242-254, 2012.

ALMEIDA, S. O. de et al. Os Efeitos da Participação em Comunidades Virtuais de Marca no Comportamento do Consumidor: Proposição e Teste de um Modelo Teórico. RAC: Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 3, p. 366-391, maio/jun. 2011.

AMARAL, R. M.; GARCIA, L. G.; ALIPRANDINI, D. H. Mapeamento e gestão de competências em inteligência competitiva. Ciência da Informação, v. 37, n. 2, mar./ago. 2008.

BAGNO, R. B. Inovação como uma nova função organizacional: caracterização a partir da experiência de empresas industriais de grande porte no Brasil. 2014. 199 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia de Produção, São Paulo, 2014.

BAREGHEH, A.; ROWLEY, J.; SAMBROOK, S. Towards a multidisciplinary definition of innovation. Management Decision, v. 47, n. 8, p. 1323-1339, 2009.

BORTOLASO, I. V.; VERSCHOORE, J. R.; ANTUNES JÚNIOR, J. A. V. Práticas de Gestão de Redes de Cooperação Horizontais: Proposição de um Modelo de Análise. Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v. 16, n. 3, p. 3-16, set./dez. 2013.

BOSE, R. Competitive intelligence process and tools for intelligence analysis. Industrial Management & Data Systems, v. 108, n. 4, p. 510-528, 2008.

CALOF, J. L.; WRIGHT, S. Competitive intelligence a practitioner, academic and inter-disciplinary perspective. European Journal of Marketing, v. 42, n. 7, p. 717-730, 2008.

CALOF, J. L.; SKINNER, W. Competitive intelligence for managers: a brave new world. Optimum, v. 28, p. 38-43, 1998.

CANONGIA, C.; SANTOS, D. M. S. M. M.; ZACKIEWICZ, M. Foresight, inteligência competitiva e Gestão do conhecimento: instrumentos para a Gestão da inovação. Gestão & Produção, v. 11, n. 2, p. 231-238, maio/ago. 2004.

CASTOR, B. V. J. Planejamento Estratégico em Condições de Elevada Instabilidade. Revista da FAE, Curitiba, v. 3, n. 2, p. 1-7, maio/ago. 2000.

CLARK, K. B.; WHEELWRIGHT, S. C. Managing new product and process development: text and cases. New York: The Free Press, 1993.

CLARK, K. B.; WHEELWRIGHT, S. C. Revolutionizing product development: quantum leaps in speed, efficiency, and quality. New York: Simon and Schuster, 1992.

COOPER, R. G. Predevelopment activities determine new product success. Industrial Marketing Management, v. 17, n. 3, p. 237-247, 1988.

______. Winning at new products: accelerating the process from idea to launch. Massachusetts: 1993.

______. Profitable product innovation: the critical success factors. In: SHAVININA, L. V. The international handbook on innovation. 2003. p. 139-157.

CÔRTES, A. C. F.; COUTINHO, I. E.; CASTANHA, A. B. Sistemas de gestão de qualidade e gestão ambiental: um estudo de caso no cenário automobilístico. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), 22, 2002. Anais...Curitiba: ABEPRO, 2002.

CUNHA, J. C.; MEDEIROS, J. J. Redes sociais no desenvolvimento de inteligência competitiva. Gestão.Org: Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 5, n. 3, set./dez. 2007.

DOCHERTY, M. Primer on ‘‘Open Innovation’’: Principles and Practice. Visions, v. 30, n. 2, p. 13-15, abr. 2006.

FERREIRA, Vicente da Rocha Soares et al. Inovação no setor público federal no Brasil na perspectiva da inovação em serviços. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 4, p. 99-118, 2014.

FRANCO, M.; BARBEIRA, M. As alianças como estratégia e inteligência competitiva na partilha de conhecimento organizacional. In: Asociación Europea de Dirección y Economía de Empresa, Congreso Nacional, 2, 2008. Anais… Salamanca, 2008. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2733594. Acesso em: 20 ago. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n2p427

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional