Ciência aberta: dimensões para um novo fazer científico

Adriana Carla Silva de Oliveira, Edilene Maria da Silva

Resumo


Introdução: As práticas da e-Science e uso e reuso dos dados científicos se constituem um novo fazer científico que conduz à reflexão sobre novos arcabouços normativos, legais, institucionais e tecnológicos voltados para uma ciência aberta. Objetivo: Esse estudo apresenta como questão de pesquisa: quais dimensões dão sustentabilidade à formulação de uma política orientada à ciência aberta e suas práticas no contexto brasileiro? O objetivo deste estudo é discutir as dimensões que apoiam transversalmente a formulação de uma política direcionada à ciência aberta e suas práticas científicas. Metodologia: Teoricamente, o estudo está orientado pelo quarto paradigma científico baseado na e-Science. A metodologia está apoiada no estudo de Bufrem (2013) que propõe um modelo alternativo e multidimensional para análise e discussão de pesquisas científicas. Tecnicamente, empregaram-se os métodos de pesquisa bibliográfica e levantamento documental acerca do modelo científico Data Lifecycle, legislações e acordos internacionais. Para fins desse estudo, propõem-se cinco dimensões, a saber: epistemológica, política, ético-legal-cultural, morfológica e tecnológica. Resultados: As dimensões substanciam uma política de informação ou a elaboração de diretrizes mínimas para agenda da ciência aberta no Brasil. Conclusões: As dimensões afastaram o olhar reducionista sobre dados de pesquisa e conduziram o estudo para a visão multidimensional e multirrelacional da ciência aberta.


Palavras-chave


Ciência Aberta; e-Science; Políticas de Informação; Colaboração; Dimensões

Texto completo:

PDF

Referências


ALBAGLI, Sarita. Ciência aberta em questão. In: ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lúcia; ABDO, Alexandre Hannud (Ed.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015. p. 9-26.

AULETE, Francisco Julio de Caldas; VALENTE, Antônio L. S. Dicionário Aulete. Rio de Janeiro: Lexicon, [2012].

BIRD, Alexander. Thomas Kuhn.In: ZALTA, Edward N. (Ed.). The Stanford encyclopedia of philosophy. Fall, 2013. Disponível em: http://plato.stanford.edu/archives/fall2013/entries/thomas-kuhn/>. 2013. Acesso em: 11 set. 2015.

BORGMAN, Christine L. Big data, little data, no data: scholarship in the networked world. Cambridge: MIT Press, 2015. Online.

BORGMAN, Christine L. The conundrum of sharing research data. Journal of the American Society for Information Science and Technology, New York, v. 63, n. 6, p. 1059-1078, Jun. 2012. Disponível em: http://ez45.periodicos.capes.gov.br/doi/10.1002/asi.22634/pdf%3E>. Acesso em: 17 abr. 2014.

BRAMAN, Sandra. Change of state: information, policy, and power. Cambridge, MA: MIT Press, 2009.

BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. Tradução de Ruth Joffily. Rio de Janeiro: F. Alves, 1977.

BUFREM, Leilah. Configurações da pesquisa em ciência da informação. Datagrama Zero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 6, dez. 2013. Disponível em: http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/v/a/14107>. Acesso em: 17 abr. 2014.

CARVALKO, Joseph R.; MORRIS, Cara. The science and technology: guidebook for Lawyers. Chicago: American Bar Association, 2014.

DATA MANAGEMENT FACILITATES SHARING AND REUSE. DataONE Education Module:Data Management. Retrieved Nov12, 2012. Disponível em: http://www.dataone.org/sites/all/documents/L01_DataManagement.pptx>. Acesso em: 16 fev. 2015.

DATAONE. Data Observation Network For Earth. 2005. Disponível em: https://www.dataone.org/>. Acesso em: 16 fev. 2015.

EUROPEAN COMMISSION. H2020 programme: guidelines on open access to scientific publications and research data in horizon 2020. Version 3. 25 Aug. 2016. Disponível em: http://ec.europa.eu/research/participants/data/ref/h2020/grants_manual/hi/oa_ pilot/h2020-hi-oa-pilot-guide_en.pdf>. Acesso em: 2 abr. 2016.

FROSIO, Giancarlo F. Open access publishing: a literature review. Nottingham: University of Nottingham,2014.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida. Da política de informação ao papel da informação na política contemporânea. Revista Internacional de Estudos Políticos: RIEP, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 63-97, abr. 1999.

HEY, Tony. The big idea: the next scientific revolution. Harvard Business Review, Brighton, Nov. 2010. Disponível em: https://hbr.org/2010/11/the-bigidea-the-next-scientific-revolution>. Acesso em: 2 abr. 2016.

HEY, Tony; TANSLEY, Stewart; TOLLE, Kristin (Ed.). Jim Gray on eScience: a transformed scientific method. In: ______. (Ed.). The fourth paradigm: dataintensive scientific discovery. Redmond:Microsoft Research, 2009. p. xvii-xxxi. Disponível em: http://digital.library.unt.edu/ark:/67531/metadc31516/>. Acesso em: 25 abr. 2016.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

ICPSR. Inter-University Consortium for Political and Social Research. Guide to social science data preparation and archiving: best practice throughout the data life cycle. 5th ed. Ann Arbor:Institute for Social Research University of Michigan, 2012. Disponível em: http://www.icpsr.umich.edu/files/ICPSR/access/dataprep.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2015.

JARDIM, José Maria. Memória e políticas públicas de informação. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2004. Ciclo Memória e Ciência da Informação.

KROKOSCZ, Marcelo. Outras palavras sobre autoria e plágio. São Paulo: Atlas, 2015.

KUHN, Thomas S. The structure of scientific revolutions. 2nd ed. Chicago: The University of Chicago, 1970. International Encyclopedia of Unified Science, v. 2, n. 2, p. 1-210. Disponível em: http://projektintegracija.pravo.hr/_download/repository/Kuhn_Structure_of_Sci entific_Revolutions.pdf>. Acesso em: 14 set. 2015.

LAFUENTE, Antonio; ESTALELLA, Adolfo. Modos de ciência: pública, abierta y común. In: ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia; ABDO, Alexandre Hannud. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015.

NOW -NETHERLANDS ORGANISATION FOR SCIENTIFIC RESEARCH. Open science. Amsterdan, 2016. Disponível em: http://www.nwo.nl/en/policies/open+science>. Acesso em: 20 abr. 2016.

NSF -NATIONAL SCIENCE FOUNDATION. Long-lived digital data collections: enabling research and education in the 21st century. Arlington: National Science Board, Sept. 2005. Disponível em: http://www.nsf.gov/pubs/2005/nsb0540/nsb0540.pdf>. Acesso em: 20 out. 2015.

OECD - ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Principles and guidelines for access to research data from public funding. Paris, 2007. Disponível em: http://www.oecd.org/sti/scitech/38500813.pdf>. Acesso em: 20 set. 2013.

OLIVEIRA, Adriana Carla S. et al. Quarto paradigma científico: adoção do data life cycle model para o gerenciamento de dados científicos abertos do experimento e-quilt prototype. In: CONFERÊNCIA LUSO-BRASILEIRACONFOA, 6., Salvador, 2015. Anais... Salvador: UFB, 2015. Disponível em: https://drive.google.com/folderview?id=0B2CiJWPT1NhwcmNiZ1BwZWY5TV U&usp=sharing>. Acesso em: 20 abr. 2016.

OSTROM, Elinor Claire Lin. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

OXFORD ENGLISH DICTIONARY. Data. Disponível em: http://www.oxforddictionaries.com/definition/english/data?q=data>. Acesso em: 21 out. 2015.

SAYÃO, Luís Fernando; SALES, Luana Farias. Dados de pesquisa: contribuição para o estabelecimento de um modelo de curadoria digital para o país. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, 2013. Disponível em: http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewArticle/102>. Acesso em: 21set. 2015.

SERINGHAUS, Michael R.; GERSTEIN, Mark. B. Publishing perishing? Towards tomorrow's information architecture. BMC Bioinformatics, London, v. 8, n. 17, Jan. 2007. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/14712105/8/17>. Acesso em: 15 abr. 2016.

SILVA, Edilene Maria; GARCIA, Joana Coeli Ribeiro. Política de informação científica e tecnológica no Brasil. Datagrama Zero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 4, ago. 2014.

TENOPIR, Carolet al.Data sharing by scientists: practices and perceptions. PLoSONE, San Francisco, v. 6, n. 6, jun. 2011. Disponível em: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0021101>.Ace sso em: 18 jun. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2016v21n2p5

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional