Comunicação científica e atenção online: em busca de colégios virtuais que sustentam métricas alternativas

Ronaldo Ferreira de Araujo, Ariadne Chloe Mary Furnival

Resumo


Introdução: As trocas informacionais em torno da atividade de comunicação científica têm se tornado cada vez mais dinâmicas no ciberespaço, modificando a prática dos cientistas e ampliando o alcance dos resultados de pesquisa que atinge uma atenção online cada vez mais expressiva entre grupos distintos. Objetivo: Analisar se os dados altmétricos de atenção online apontam a existência de “colégios virtuais” – compostos por pessoas de dentro e de fora da comunidade científica – sobre o tema científico sendo compartilhado e comentado nas mídias sociais. Metodologia: Estudo piloto, caracterizado como exploratório, tendo como foco de análise a repercussão do artigo de acesso aberto com o maior indicador altmétrico (n=2.728) para o ano de 2015, segundo divulgado pela Altmetric.com em seu ranking “Top 100”. A qualificação da atenção online é descrita pelas mídias mais expressivas (Twitter e Facebook) em uma amostra randômica (n=10%) para a qual se procedeu a análise de conteúdo e para caracterização do perfil dos grupos sociais que interagiram e a categorização dos tipos de conteúdos de interação. Resultado: A forma mais comum de disseminação observada foi o de compartilhamento e repasse para o Twitter (62%) e Facebook (45%), seguido das categorias “conclusivo” (16% e 25%) e argumentativo (15% e 9,6%). O perfil dos usuários responsáveis pela circulação do artigo indica se tratar de especialistas da área da saúde. Conclusão: Embora a altmetria proponha uma avaliação de impacto mais social e democrático da pesquisa científica os colégios virtuais caracterizados indicam um público especializado e o debate e circulação da informação científica sobre o artigo analisado se concentra na comunidade científica.


Palavras-chave


Comunicação Científica; Altmetria; Atenção Online; Colégios Virtuais

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, R. What happens online in 60 seconds? Smartinsights. Disponível em: http://www.smartinsights.com/internet-marketing-statistics/happens-online-60seconds/; Acesso em: 19 ago 2016.

ALTMETRIC. How is the Altmetric score calculated? 2014. Disponível em: http://support.altmetric.com/knowledgebase/articles/83337-how-is-the-altmetricscore-calculated- > Acesso em 07 jan., 2015.

ALPERIN, J. P. Ask not what altmetrics can do for you, but what altmetrics can do for developing countries. Bulletin of the American Society for Information Science and Technology, v. 39, n. 4, p. 18-21, 15 abr 2013.

ARAÚJO, V. M. R. H.; FREIRE, I. M.. A rede Internet como canal de comunicação, na perspectiva da Ciência da Informação. Transinformação, Campinas, v.8, n.2, maiago, p.45-55, 1996.

ARAÚJO, R. F.; MURAKAMI, T. R. M. A.. Atenção online de artigos de ciência da informação: análise a partir de dados altmétricos do Facebook In: ENCONTRO BRASILEIRO DE BIBLIOMETRIA E CIENTOMETRIA, 5., 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, p.1-8, 2016.

ARAUJO, R. F.. Marketing científico digital e métricas alternativas para periódicos: da visibilidade ao engajamento. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 20, p. 67-84, 2015.

BENGSCH, D.. 8 out of 8 million: Today we celebrate eight million researchers and scientists on ResearchGate. ResearchGate Blog, 8 out., 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/blog/post/8-out-of-8-million > Acesso em 21 ago., 2016.

CASTRO, Regina C. Figueiredo. Impacto da Internet no fluxo da comunicação científica em saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 40, n. spe., ago. 2006.

CAVE, R. Overview of the Altmetrics Landscape. Proceedings of the Charleston Library Conference, Purdue University Press, Indiana, 2012. Disponível em: http://docs.lib.purdue.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1381&context=charleston; Acesso em 17 ago 2016.

FAUSTO, S. et al. Research Blogging: Indexing and Registering the Change in Science 2.0. Plos One, v. 7, p.e50109, 2012.

GARVEY, W. D.; GRIFFITH, B. C.. Scientific communication in social system. Science, 157, p.1011-1016, set., 1967.

GURGEL, N. M. C. ; MATOS, D. M. Diagnóstico das pesquisas virtuais da comunidade científica do Labomar. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 14., 2006, Bahia. Anais... Bahia: UFBA, 2006.

HAUSTEIN, S.; BOWMAN, T. D; COSTAS, R. “Communities of attention” around scientific publications: who is tweeting about scientific papers? Work in progress. Presented at the Social Media & Society 2015 International Conference, Toronto, Canada, p.1-20, 2015.

HORNBY, A.; LESLIE, B.. Digital scholarship and scholarly communication. University of Washington Libraries. 2013.

LE COADIC, Y.-F. A Ciência da Informação. Brasília: Briquet de Lemos, 1996. 119 p.

MEADOWS, Arthur. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999

MOREIRA, Valter. Os colégios virtuais e a nova configuração da comunicação científica. Ciência da Informação. Brasília, v. 34, n. 1, p.57-63, jan./abr. 2005.

MUELLER, S. A ciência, o sistema de comunicação científica e a literatura científica. In: CAMPELLO, B.S.; CENDÓN, B.V.; KREMER, J.M. (orgs). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

NELHANS, G.; LORENTZEN, D.G. Twitter conversation patterns related to research papers. Information Research, v.21, n.2, paper SM2. Disponível em: http://InformationR.net/ir/21-2/SM2.html; acesso em 14 set. 2016.

NEUBERT, P. S.; RODRIGUES, R. S.. Pesquisa bibliográfica e web 2.0: percepção de estudantes de pós-graduação em ciência da informação. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.3, p.143-154, 2012.

OLIVEIRA, E. B. P. M. de; NORONHA, D. P. A comunicação científica e o meio digital. Inf. & Soc.:Est., v. 15, n. 1, 2005.

PRIEM, Jason; PIWOWAR, Heather A.; HEMMINGER, Bradley M. Altmetrics in the wild: using social media to explore scholarly impact. arXiv, p. 1-17, 20 mar. 2012. Disponível em: http://arxiv.org/html/1203.4745v1 >. Acesso em 24 mar., 2013.

PRIEM, J. et al. Altmetrics: a manifesto. 2010. Disponível em: http://altmetrics.org/manifesto>. Acesso em: 02 abr. 2014.

RUMSEY, A.. New-Model Scholarly Communication: road map for change. Scholarly Communication Institute 9. University of Virginia Library. 2011.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M.; BISSANI, M.. A internet como canal de comunicação científica. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.12, n.1, p.1-17, 2002.

TANANBAUM, G.. Article-Level Metrics: a sparc primer. Sparcopen. Abr, 2013. Disponível em: http://www.sparc.arl.org/sites/default/files/sparc-alm-primer.pdf Acesso em 13 ago., 2016.

WHITE, M. D.; MARSH, E. E. Content analysis: a flexible methodology. Library Trends, v.55, n.1, p.22-45, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2016v21n2p68

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional