O acesso à informação pública no contexto mundial: um panorama preliminar segundo a Classificação Global de Direito à Informação

Thiago Gomes Eirão, Fernando César Lima Leite

Resumo


Introdução: Criado em 2011 pelo Centre for Law and Democracy, o Global Right to Information Rating é um ranking que se baseia em sete aspectos: direito de acesso, escopo, procedimento de requisição, exceções e recusas, apelações, sanções e proteções, medidas de promoção, para classificar o acesso à informação no contexto mundial. Objetivo: Estudar a questão do acesso à informação pública a partir dos dados quantitativos disponíveis no Global Right to Information Rating. Metodologia: Estudo descritivo dos sete aspectos estruturantes da metodologia do Global Right to Information Rating para analisar os relacionamentos entre países quanto ao acesso à informação. Resultados: Os dados coletados demonstram que já existe um número significativo de leis de acesso à informação, consequentemente, o tema já se encontra presente em todos os continentes e em vários países. Há uma relativa diferença de pontuação dos países dentro de cada continente evidenciando uma ausência de diálogo entre nações vizinhas. A distribuição de pontuação não é homogênea em países desenvolvidos ou em desenvolvimento. Conclusões: Um maior acesso à informação pública não está diretamente ligado ao fato de um país apresentar altos índices de desenvolvimento humano – IDH. Países com índices de desenvolvimento humano inferiores alcançaram classificação melhor, quanto ao acesso à informação, em relação aos países com índices de desenvolvimento superiores.


Palavras-chave


Acesso à Informação; Direito à Informação

Texto completo:

PDF

Referências


BENTO, L. V. Acesso a informações públicas: princípios internacionais e o direito brasileiro. Curitiba: Juruá, 2015. 300 p.

BERNERS-LEE, T. Weaving the web: the original design and ultimate destiny of the world wide web. New York: Harper Business, 2000. 246 p.

BEYER, J. L. The Emergence of a Freedom of Information Movement: Anonymous, WikiLeaks, the Pirate Party, and Iceland. Journal of ComputerMediated Communication, v. 19, n. 2, p. 141-154, jan. 2014.

BOBBIO, N. Igualdade e liberdade. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996. 96 p.

______. O futuro da democracia. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, com o fim de garantir o acesso a informações. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

BROOK, H. Your right to know: a citizen's guide to the freedom of information act. London: Pluto Press, 2006. 320 p.

BUENO, E. Brasil: uma história: cinco séculos de um país em construção. São Paulo: Leya, 2010. 478 p.

CENTRE FOR LAW AND DEMOCRACY, 2017. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO. Acesso à informação pública: uma introdução à Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Brasília: CGU, 2011. 26 p.

CORASANITI, G. Dirito dell’informazione: linee generali della legislazione e della giurisprudenza constitucionale per l’impresa di informazione e la professione giornalística. 3. ed. Milani: Cedam, 1999. 322 p.

FERREIRA, A. Direito à informação, direito à comunicação: direitos fundamentais na constituição brasileira. São Paulo: C. Bastos, 1997. 295 p.

GINSBERG, W. The Freedom of Information Act (FOIA): background, legislation, and policy issues. New York: Create Space Independent Publishing Platform, 2014. 30 p.

GOLD, S. D. Freedom of Information Act. New York: Cavendish Square, 2011. 143 p.

HEINEN, J. Comentários à lei de acesso à informação. Belo Horizonte: Fórum, 2014. 310 p.

HOGG, P. His Majesty’s Gracious Ordinance Regarding the Freedom of Writing and of the Press In: The World’s First Freedomof Information Act. Kokkola, Anders Chydenius Foundation, p. 8-17, 2006.

INTERNACIONAL CONFERENCE ON THE RIGHT PUBLIC INFORMATION. ESTADOS UNIDOS. Declaração de Atlanta e Plano de Ação para o Avanço do Direito de Acesso à Informação. fev. 2008. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

MALIN, M. Brasil é 90º país a ter lei de acesso à informação. Observatório da imprensa, v. 16, n. 710, 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

NOGUEIRA JÚNIOR, A. Segurança: nacional, pública e nuclear e o direito à informação. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2006. 237 p.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Relatório do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

REINA, E. G. Derecho de acceso a la información: experiencias regionales y estatales en Europa y América. Derecho Comparado de la Información, p. 135-188, jan./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

SEKARAN, U. Research Methods for Business: A Skill-Building Approach. 4 ed. New York: John Wiley and Sons, 2003. 464 p.

SHARPE, R. J.; ROACH, K. The charter of rights and freedoms. Toronto: Irwin Law, 2005. 400 p.

SILVA, T. E. da et. al. Acesso à informação: ações e estratégias da Câmara dos Deputados para atender à Lei 12.527/2011. 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n2p236

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional