Coleções biológicas e bibliotecas universitárias: uma proposta para além do desenvolvimento sustentável

Marcos Felipe Gonçalves Maia, Rodney Haulien Oliveira Viana

Resumo


Resumo: Introdução: O ambientalismo e a ecologia têm ganhado espaço nas discussões e nas práticas cotidianas das bibliotecas universitárias. Objetivo: descrever a importância da integração dos metadados dos registros das coleções biológicas nos catálogos das bibliotecas da Universidade Federal do Tocantins (UFT) como uma ação “ambientalmente contextualizada”, para além do desenvolvimento sustentável. Metodologia: Pesquisa descritivo-explicativa, com abordagem qualitativa, com coleta de dados por meio de pesquisas bibliográfica e documental. Leitura teórica por meio do desconstrucionismo de Jacques Derrida. Resultados: Os conceitos de desenvolvimento sustentável, sustentabilidade institucional e ecologia da informação têm sido usados pelos profissionais da informação de uma maneira acrítica, sem considerar sua perspectiva mercadológica e para manutenção do sistema de exploração da natureza. Conclusões: se os profissionais da informação intentam participar da preocupação pela natureza devem estar atentos para desenvolverem ações para além do desenvolvimento sustentável. Devem ajudar no processo de construção de saberes locais e ajudar na construção de modos de utilização da informação por meio de suas práticas cotidianas.


Palavras-chave


Biologia; Biblioteca Universitária; Catálogos; Metadados; Organização da Informação

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVÊDO, Aline. Tratamento da informação em coleções científicas de Zoologia. Ciência da Informação, Brasília, v. 21, n. 1, p. 59-61, jan./abr. 1992.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Qualitative research for education: an introduction to theories and methods. Boston: Allyn e Bacon, 2006.

BRUNDTLAND, Gro Harlem. Our common future. Nova York: ONU, 1987. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016

BELLESI, Lia; SILVA, Ana Rosa. A informação ambiental em sistema cooperativo automatizado: o Siamaz. Ciência da Informação, Brasília, v. 21, n. 1, p. 69-71, jan./abr. 1992.

CARDOSO, Nathalice. A contribuição do bibliotecário para a educação ambiental. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 15, n. 2, p. 140-162, maio/ago. 2010.

CASTRILLON, Silvia. Biblioteca escolar: un modelo legitimista o una propuesta transformadora? Lectura y vida, La Plata, Argentina, v. 30, n. 4, diciembre, 2009. Disponível :. Acesso em: 18 dez. 2015.

COSTA, Heloísa. Meio ambiente e desenvolvimento: um convite à leitura. In: HISSA, Cássio (Org.). Saberes ambientais: desafios para o conhecimento disciplinar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008. p. 79-107.

CUNHA, Murilo Bastos da. A biblioteca universitária na encruzilhada. DataGramaZero, Brasília, v. 11, n. 6, dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

DAVENPORT, Thomas. Ecologia da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1999.

DOLABELA, Regina Froes; BEMFICA, Juliana do Couto. A produção de informação sobre o meio ambiente no Brasil: condicionantes técnicos, sociais e políticos. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 7., 2006, Marília, SP. Anais eletrônicos... Marília, SP: PPGCI, 2006.

ECOLOGY. In: Britannica Academic. Disponível em: . Acesso em 20 abr. 2016.

GONZALEZ, Marcos. Análise das restrições de acesso a dados de espécies ameaçadas, previstas em políticas de coleções biológicas científicas brasileiras, á luz do direito ambiental e da ciência da informação. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 39, n. 1, p. 33-50, jan./abr. 2010.

GOULART, Audemaro. Notas sobre o desconstrucionismo de Jacques Derrida. 2003. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2016.

JOHNSON, Hazel; WILSON, Gordon. Institutional sustainability: community and waste management in Zimbabwe. Futures, v. 3, p. 301-316, 2000.

KAYAGA, Sam; MUGABI, Josses; KINGDOM, William. Evaluating the institutional sustainability of an urban water utility: a conceptual framework and research directions. Utilities Policy, Guildford, v. 27, p. 15-27, 2013.

LANKES, David. Expect more: demanding better libraries for today´s complex world. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

LAROCA, Sebastião. Ecologia: princípios e métodos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

LIMA; Telma; MIOTO, Regina. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 10 n. esp., p. 37-45, 2007.

LINO, Geraldo et al. Ambientalismo: novo colonialismo. Rio de Janeiro: Capax Dei, 2005.

LOPES, Maria; HEIZER, Alda (Org.). Colecionismos, práticas de campo e representações. Campina Grande, PB: Eduepb, 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016.

LOZANO, Marisa; ZAFALON, Zaira; COSTA, Luzia. Contribuição do bibliotecário como educador ambiental: o caso da unidade de gestão de resíduos da Universidade Federal de São Carlos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 23., Anais..., Bonito, MS, 2009.

MAIA, Marcos; SANTOS, Larissa. Registro de memórias locais na biblioteca escolar: um olhar para o livro artesanal. Revista Interface, v. 10, n. 10, p. 7995, dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2016.

MATHIAS, Armin. Instrumentos para o desenvolvimento sustentável regional. Revista do Centro de Estudos Administrativos e Contábeis, Belém, v. 2, n. 2, p. 19-30, 2001. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2016.

NASCIMENTO, Júnio. Tocantins: história e geografia. Goiânia: Bandeirante, 2011.

PAYNE, Philip et al. Promoting green issues and sustainability in UK higher education libraries. SCONUL Focus, London, v. 42, p. 57-60, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2016.

PORTO-GONÇALVES, Carlos. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PUTMAN, Robert. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

SÁ-SILVA, Jackson; ALMEIDA, Cristóvão; GUINDANI, Joel. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, São Leopoldo, v. 1, n. 1, jul. 2009.

SPANGENBERG, Joachim; PFAHL, Stefanie; DELLER, Kerstin. Towards indicators for institutional sustainability: lessons from an analysis of Agenda 21. Ecological Indicators, v. 2, p. 61-77, 2002.

TEIXEIRA, Sebastião Nizio. Sustentabilidade institucional. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Resolução n. 7, de 15 de abril de 2015 do Conselho Universitário. Palmas, 2015a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Relatório de avaliação institucional – Ano 2014. Palmas: EDUFT, 2015b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Resolução n. 27, de 19 de novembro de 2015: dispõe sobre a criação e implantação do Instituto de Biodiversidade do Tocantins. Palmas, 2015c.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Resolução CONSEPE n. 11, de 12 de agosto de 2005: dispõe sobre a criação do Núcleo de Estudos Ambientais (campus de Porto Nacional) da UFT. Palmas, 2005.

VIEIRA, Anna. Informação para gerenciamento ambiental no Brasil. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, p. 177-194, set. 1980.

VIEIRA, Anna. Meio ambiente e desenvolvimento sustentável: fontes para compreensão do discurso político-ambiental do governo brasileiro. Ciência da Informação, Brasília, v. 21, n. 1, p. 7-13, jan./abr. 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n1p58

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional