Design thinking como estratégia de inovação em bibliotecas

Jordan Paulesky Juliani, Diego de Castro Vieira, Déborah Medeiros, Douglas Paulesky Juliani

Resumo


Introdução: A necessidade por inovar e caracterizar o que é novo, faz com que o termo inovação esteja permanentemente na agenda de um número crescente de organizações dos mais variados segmentos. As bibliotecas enquanto organizações precisam inovar, trata-se de uma demanda emergente.

Objetivo: Empregar as técnicas e processos do design thinking (DT) como instrumento de inovação na Biblioteca Universitária da UDESC.

Metodologia: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, desenvolvida por meio de uma pesquisa-ação. Os dados foram coletados por meio de entrevistas. Concluída a coleta de dados realizaram-se as etapas do DT, a partir do emprego da técnica do grupo focal.

Resultados: O processo de DT permitiu desenvolver uma inovação incremental para a Biblioteca. Para que a inovação aconteça é fundamental que os atores envolvidos no processo estejam libertos de paradigmas e ideias preconcebidas. A utilização das técnicas de grupo focal, combinada com a de cartões de insights e diagrama de afinidades foram fundamentais para que as etapas do DT pudessem ter sido realizadas com sucesso.

Conclusões: A prototipação da inovação na biblioteca da UDESC sugeriu uma melhora significativa ao uso da sua estrutura e recursos disponíveis. O DT demonstrou-se simples e efetivo para sistematizar a inovação em bibliotecas.


Palavras-chave


Inovação. Bibliotecas universitárias.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2016v21n3p101



  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional