A diplomática contemporânea: reflexões sobre sua aplicabilidade na era digital

William Silva, Daniel Flores

Resumo


Introdução: Ao longo de muito tempo, a Diplomática contribuiu significativamente para a identificação da autenticidade dos documentos, ampliando seu rol de atuação quando foi influenciada por outras disciplinas, tais como a Arquivística moderna, que potencializou o seu objeto de estudo, mostrando a profunda ligação entre a espécie e sua atividade geradora. Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo realizar reflexões acerca da evolução da Diplomática Clássica para a Diplomática Contemporânea, a relação entre esta disciplina e a Classificação Documental e os seus impactos diante a era digital, na constituição do processo de autenticidade dos documentos arquivísticos digitais. Metodologia: A natureza pesquisa é classificada como básica, a forma de abordagem é classificada como qualitativa, o objetivo da pesquisa classificada como exploratória, envolvendo levantamento bibliográfico a respeito da diplomática na sua relação com a arquivística e a empregabilidade na era digital. Resultados: Após a pesquisa, compreende-se que a Diplomática perpassa os tempos, diante os aspectos de estudo da espécie documental, até o momento de sua relação com a Arquivística moderna, quando compreende o universo de estudo da Tipologia Documental, identificando-se com a Classificação, enquanto função matricial da Arquivística moderna, e utilizando dos recursos da análise da autenticidade no ambiente digital. Conclusão: É evidente que há uma relação intrínseca entre a Diplomática, em sua perspectiva contemporânea, com a Arquivística moderna, tanto na compreensão dos aspectos da tipologia documental, quanto como ferramenta essencial na análise da autenticidade no ambiente digital.


Palavras-chave


Diplomática Contemporânea; Tipologia Documental; Classificação; Autenticidade; Documentos Arquivísticos Digitais

Texto completo:

PDF

Referências


BELLOTTO, H. L. Arquivo: estudos e reflexões. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2014.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. Dicionário de terminologia arquivística. Paris: CIA, 1984.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). Carta para preservação do patrimônio arquivístico digital. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

___________. e-Arq Brasil: modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Versão 1.1. - Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011.

_____________. Diretrizes para a presunção de autenticidade de documentos arquivísticos digitais. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2012.

CORTÉS ALONSO, V. Principios y tecnicas archivisticas. In: Manual de archivos municipales. Madrid: ANABAD, 1989.

COUTURE, C. Les functions de L’Archivistique contemporaine. Quebec: Presses de l’ Université du Québec, 1999.

DURANTI, L. Diplomática: novos usos para uma antiga ciência (parte V). Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n.1, p. 196-215, jan./jun. 2015.

HEREDIA HERRERA, A. Archivistica general: Teoria y practica, Sevilha: Diputación de Sevilha, 1991.

INNARELLI, H. C. Gestão de preservação de documentos arquivísticos digitais: proposta de um modelo conceitual. 2015. Teste (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Informação – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

JENKINSON, H. A Manual of Archive Administration. Oxford, Clarendon Press, Part III; “Modern Archives”, 1922.

LOPEZ, A. P. A. História e arquivos: interfaces. In: Introdução ao estudo da história – Formação de professores (EAD), n.º 27, Maringá: EDUEM, 2005.

RODRIGUES, A. C. Diplomática contemporânea: como fundamento metodológico da identificação de tipologia documental em arquivos. 2008. Tese (Doutorado em História Social) – Departamento de História, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ROGERS, C. A literature review of authenticity of records in digital systems: from ‘machine-readable’ to records in the cloud. Acervo, Rio de Janeiro, v. 29, n. 2, p. 16-44, jul./dez. 2016.

RONDINELLI, R. C. O Conceito de documento arquivístico frente à realidade digital: uma revisitação necessária. 2011. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Instituto de Arte e Comunicação Social, Instituto Brasileiro em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

SCHELENBERG, T. R. Manual de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1959.

_____________. Caracteres dos documentos. Documentos públicos e privados: arranjo e descrição. Trad. Manoel A. Wanderley. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1963.

_____________. Arquivos Modernos. Princípios e técnicas. Tradução de Nilza Teixeira Soares. 6ª Ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

SOUSA, R. T. B. Classificação em arquivística: trajetória e apropriação de um conceito. 2004. Tese (doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História Social, do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.

TOGNOLI, N. B.; GUIMARÃES, J.A.C. A Diplomática Contemporânea como base metodológica para a organização do conhecimento arquivístico: perspectivas de inovação a partir das idéias de Luciana Duranti. In: ROMERO, N. L. (Ed.; Org.). Nuevas perspectivas para la difusion y organización del conocimiento. Valência: Universidad Politécnica de Valencia, v. 1, p. 38-47, 2009.

VAZQUEZ, M. Reflexiones sobre el termino tipo documental. In: De archivos y archivistas: homenaje a Aurellio Tanodi. Washington: OEA, 1987, p. 177-185.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n1p351

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional