Interdisciplinaridade e formação do bibliotecário para atuação em Bibliotecas Escolares

Sabrina Martins, Cezar Karpinski

Resumo


Introdução: Desde a publicação do Manifesto, no ano de 1999, e das Diretrizes para Bibliotecas Escolares, em 2005, ambos da IFLA/UNESCO, o bibliotecário passa a ocupar uma posição primordial no processo educativo da escola. Dessa forma, o bibliotecário deve dispor de suas habilidades e competências informativas ao aprendizado do aluno, no processo de aprender a aprender e de transformar a informação em conhecimento. Objetivo: Fomentar a reflexão sobre a singularidade pedagógica da BE e o perfil atual do bibliotecário no atendimento dessas especificidades. Metodologia: Pesquisa bibliográfica e análise comparativa de documentos norteadores da formação de bibliotecários e Bibliotecas Escolares. Resultados: Discussão sobre as funções pedagógicas da Biblioteca Escolar e do bibliotecário dentro da instituição de ensino e a interdisciplinaridade entre as áreas da Ciência da Informação e Educação. Conclusões: Aponta a interdisciplinaridade como possibilidade eficiente na formação dos profissionais de educação e da biblioteconomia para se efetivar o papel da Biblioteca Escolar. Por meio de um programa pedagógico dialógico entre educadores e bibliotecários, a biblioteca atua como espaço de informação e conhecimento, promovendo o desenvolvimento educacional dos seus usuários.


Palavras-chave


Bibliotecas Escolares; Formação Profissional; Competências Profissionais; Interdisciplinaridade

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Maria Eugênia Albino. A biblioteca faz a diferença. In: CAMPELLO, Bernadete Santos. A Biblioteca escolar: temas para uma prática pedagógica. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2002. p.13-16.

BESSA, Amanda de Queiroz. A Interação entre bibliotecárias e professores de escolas públicas estaduais em Manaus, Amazonas, na biblioteca escolar. 2011. 220 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

BRASIL. Lei nº 12.244, de 24 de maio de 2010. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 maio 2010. Seção 1, p.3. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=3& data=25/05/2010>. Acesso em: 7 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Câmera de Educação Superior. Parecer CNE/CES 492/2001: estabelece as Diretrizes Curriculares para os Cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social, Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. [Brasília, DF], 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0492.pd>. Acesso em: 7 de fev. 2016.

CASTRO FILHO, Cláudio Marcondes de. Os caminhos da biblioteca escolar. In: ROMÃO, Lucília Maria Sousa. Sentidos da biblioteca escolar. São Carlos, SP: Compacta, 2008. p. 73-91.

CORRÊA, Elisa Cristina Delfini et al. Bibliotecário escolar: um educador? Revista ACB, Florianópolis. v. 7, n. 1, p.107-123, 2002. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/379/459>. Acesso em: 21 out. 2015.

EGGERT-STEINDEL, Gisela et al. Reformulação curricular e projeto pedagógico do curso de Biblioteconomia - habilitação gestão da informação. Florianópolis, 2007. Disponível em: http://www.faed.udesc.br/arquivos/id_submenu/544/ppc_biblio_2007.pdf>. Acesso em: 7 fev. 2016.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

FARIAS, Christianne Martins. Bibliotecário escolar e competência: análise da prática profissional. 2010.143 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

IFLA; UNESCO. Manifesto da Biblioteca escolar da IFLA/UNESCO. São Paulo, 1999. Disponível em: http://archive.ifla.org/VII/s11/pubs/portug.pdf>. Acesso em: 5 nov. 2015.

_______. Diretrizes da IFLA/UNESCO para a biblioteca escolar. São Paulo: IFLA, 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2015.

KARPINSKI, Cezar. História e Arquivologia: interdisciplinaridade a partir da prática. Ágora, Florianópolis, v. 25, n. 51, p.37-46, 2015. Disponível em: https://agora.emnuvens.com.br/ra/article/view/575/pdf_1. Acesso em: 7 fev. 2016.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Sujeitos da práxis pedagógica. In: ________. Filosofia da Educação. São Paulo: Editora Cortez, 1994. p. 109-120.

MENEZES, Estera Muszkat. Pesquisa bibliográfica. Florianópolis: CIN/CED/UFSC, 2009.

MILANESI, Luís. O que é biblioteca. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

________. A biblioteca escolar no Brasil hoje. In: MAROTO, Lucia Helena. Biblioteca escolar, eis a questão!: do espaço do castigo ao centro do fazer educativo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p.57-74.

QEdu. Infraestrutura escolar: dependências: Bibliotecas. [S.l], 2018. Disponível em: http://www.qedu.org.br/brasil/censoescolar?year=2014&dependence=0&locali zation=0&education_stage=0&item=.>. Acesso em: 8 fev. 2018.

SILVA, Ezequiel Theodoro. Biblioteca escolar: centro difusor do fazer educativo. In: MAROTO, Lucia Helena. Biblioteca escolar, eis a questão!: do espaço do castigo ao centro do fazer educativo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p.75-90.

TAVARES, Denise Fernandes. A biblioteca escolar; conceituação, organização e funcionamento, orientação do leitor e do professor. São Paulo: LISA, 1973.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Centro de Ciências da Educação. Departamento de Ciência da Informação. Projeto pedagógico do curso de graduação em biblioteconomia da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2015. 92 f. Disponível em: http://biblioteconomia.ufsc.br/files/2014/10/BBD_PPC_2016.pdf>. Acesso em: 9 fev. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n1p424

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional