Infraestrutura de conhecimento e o papel da biblioteca digital no gerenciamento de dados

Elizabete Cristina de Souza de Aguiar Monteiro, Ricardo César Gonçalves Sant'Ana

Resumo


Introdução: Os dados primários de pesquisas são gerados e coletados por diversos meios e constituem-se como fator chave no seu desenvolvimento, principalmente quando de cunho empírico. Da gestão destes dados emerge a necessidade crescente de planejamento e investimentos em uma infraestrutura de conhecimento específica que pode ter nas bibliotecas digitais um importante componente destes novos cenários.
Objetivo:
Neste artigo são apresentados os principais requisitos à infraestrutura de conhecimento para gestão de dados e o possível papel da biblioteca digital como elemento de apoio.
Metodologia:
Foi utilizada a abordagem qualitativa com revisão de literatura sobre infraestrutura do conhecimento e bibliotecas digitais para a discussão dos temas.
Resultados:  Apresenta-se requisitos para a infraestrutura de conhecimento para gestão de dados e as potenciais contribuições das bibliotecas digitais.
Conclusão:
Os requisitos para infraestrutura de conhecimento apresentam aderência em relação a características das bibliotecas digitais o que pode justificar sua participação na gestão de dados.


Palavras-chave


Infraestrutura do conhecimento; Bibliotecas digitais; Gerenciamento de dados

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARO, E. et al. E-science librarianship: field undefined. Issues in Science & Technology Librarianship, Chicago, n. 66, p. 28-43, Summer 2011. Disponível em: http://www.istl.org/11-summer/article1.html. Acesso em: 8 set. 2016.

ARELLANO, M. A. Preservação de documentos digitais. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 33, n. 2, p.15-27, maio/ago. 2004. BELL, G. Prefácio. In: HEY, T.; STEWARD, T.; TOLLE, K. (Org.). O quarto paradigma: descobertas científicas na era da eSience. Tradução Leda Beck. São Paulo: Oficina de textos, 2011. p. 11-15.

BORGMAN, et al. Drowning in data: digital library architecture to support scientific use of embedded sensor networks. In: ACM/IEEE Joint Conference on Digital Libraries, JCDL, 2007, Vancouver. Proceedings…, [S.l.]: Researchgate, 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/220924065. Acesso em: 2 nov. 2015.

BORGMAN, C. L. WALLIS, J. C.; ENYEDY, N. Little science confronts the data deluge: habitat ecology, embedded sensor networks, and digital libraries. International Journal on Digital Libraries, New York, v. 7, n. 1, 17-30, Oct. 2007. Disponível em: http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00799-007-0022-9#/page-1. Acesso em: 12 jan. 2016.

BORGMAN, C. L.; DARCH, P. T.; SANDS, A. E.; WALLIS, J. C.; TRAWEEK, S. The ups and downs of knowledge infrastructures in science: implications for data management. 2014. Disponível em: http://ieeexplore.ieee.org/stamp/stamp.jsp?tp=&arnumber=6970177. Acesso em: 7 dez. 2015.

BORGMAN, C. L. et al. Knowledge infrastructures in science: data, diversity, and digital libraries. International Journal on Digital Libraries, New York, v. 16, n. 3, p. 207–227, Sep. 2015.

CARLSON, J. R.; GARRITANO, J. R. E-science, cyberinfrastructure and the changing face of scholarship: organizing for new models of research Support at the Purdue University Libraries. 2010. Disponível em: http://docs.lib.purdue.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1170&context=lib_research. Acesso em: 2 set. 2016.

CESAR JUNIOR, R. M. Apresentação à edição brasileira. In: HEY, T.; STEWARD, T.; TOLLE, K. (Org.). O quarto paradigma: descobertas científicas na era da eSience. Tradução Leda Beck. São Paulo: Oficina de textos, 2011. p. 7-8.

CRAGIN, M. H. et al. Data sharing, small science and institutional repositories. Philosophical Transactions of the Royal Society, London, n. 368, p. 4023- 4038, 2010. Disponível em: http://rsta.royalsocietypublishing.org/. Acesso em: 17 Jun. 2016.

DIGITAL CURATION CENTRE. What are metadata standards. Edinburgh, c2004-2015a.Disponível em: http://www.dcc.ac.uk/resources/briefing-papers/standards-watch-papers/what-are-metadata-standards. Acesso em: 31 Jul. 2015.

DIGITAL LIBRARY FEDERATION. A working definition of digital library [1998]. Washington, c2004. Disponível em: https://old.diglib.org/about/dldefinition.htm. Acesso em: 20 fev. 2018.

EDWARDS, P. N. et al. Knowledge infrastructures: intellectual frameworks and research challenges. Ann Arbor: Deep Blue, 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 nov. 2015. FOX, P.; HENDLER, J. eScience semântica: o significado codificado na próxima geração de ciência digitalmente apropriada. In: HEY, T.; STEWARD, T.; TOLLE, K. (Org.). O quarto paradigma: descobertas científicas na era da eSience. Tradução Leda Beck. São Paulo: Oficina de textos, 2011. p. 159-163.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP). Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais - Chamada de Propostas de Pesquisa 2017. São Paulo, 2017. Disponível em: http://www.fapesp.br/11068. Acesso em: 15 dez. 2017.

GRAY, J. eScience: a transformed scientific method. 2007. Disponível em: http://research.microsoft.com/en-us/um/people/gray/talks/NRC-CSTB_eScience.ppt. Acesso em: 18 ago. 2015.

GREENBERG, J.; et al. A metadata best practice for a scientific data repository. Journal of Library Metadata, Philadelphia, v. 9, n. 3-4, p. 194-212, Dec. 2009. Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/19386380903405090. Acesso em: 22 nov. 2017.

MAYER- SCHONBERGER, V.; CUKIER, K. Big data: como extrair volume, variedade, velocidade e valor da avalanche de informação cotidiana. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

MEDEIROS, J. C.; CAREGNATO, S. E. Compartilhamento de dados e eScience: explorando um novo conceito para a comunicação científica. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 311-322, set. 2012.

MONTEIRO, E. C. S. A.; SANT’ANA, R. C. G. SANTARÉM SEGUNDO, J. E. e-SCIENCE SEMÂNTICA: integração dos dados na comunicação científica. Informação em Pauta, Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 9-29, 2016.

MONTEIRO, E. C. S. A.; SANT’ANA, R. C. G. Plano de gerenciamento de dados em repositórios de dados de universidades. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, 2018. No Prelo.

NATIONAL SCIENCE BOARD. Long-lived digital data collections: enabling research and education in the 21st century. Alexandria, National Science foundation, 2005. Disponível em: http://www.nsf.gov/pubs/2005/nsb0540/nsb0540.pdf. Acesso em: 30 maio 2016.

NOY, N. F.; McGUINNESS, D. L. Ontology development 101: a guide to creating your first ontology. Stanford: Protégé, [200-]. Disponível em: http://protege.stanford.edu/publications/ontology_development/ontology101-noy-mcguinness.html. Acesso em: 6 Jul. 2015.

OPEN ARCHIVES Initiative object reuse and exchange. [20--]. Disponível em: http://www.openarchives.org/ore/. Acesso em 15 jan. 2015.

PROTOCOLO OAI-PMH. [2006]. Disponível em: http://clube-oai.incubadora.fapesp.br/portal/prot-oai. Acesso em: 14 jul. 2009. S

ANTOS, P. L. V. A. C.; SANT’ANA, R. C. G. Transferência da informação: análise para valoração de unidades de conhecimento. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, abr. 2002.

SANTOS, P. L. V. A. C.; SANT’ANA, R. C. G. Dado e granularidade na perspectiva da informação e tecnologia: uma interpretação pela ciência da informação. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 42, n. 2, p. 199-209, maio/ago, 2013.

SAYÃO, L. F. Interoperabilidade das bibliotecas digitais: o papel dos sistemas de identificadores persistentes - URN, PURL, DOI, Handle System, CrossRef e OpenURL. Transinformação, Campinas, v. 19, n. 1, p. 65-82, 2007.

SHAKERI, S., GRACY, K. F. A model for data curation research in small sciences. American Society for Information Science and Technology, Silver Springer, v. 51, n. 1, p. 1-5, 2014.

STOCK, K. et al. To ontologise or not to ontologise: An information model for a geospatial knowledge infrastructure. Computers & Geosciences, New York, v. 45, p. 98-108, Aug. 2012.

THOMAZ, K.; SOARES, A.J. A preservação digital e o modelo de referência Open Archival Information. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 1-35, fev. 2004.

TOLLE, K.; TANSLEY, S.; HEY, T. Jim Gray e a eScience: um método científico transformado. In: HEY, T.; STEWARD, T.; TOLLE, K. (Org.). O quarto paradigma: descobertas científicas na era da eSience. Tradução Leda Beck. São Paulo: Oficina de textos, 2011. p. 17-29.

VAN DE SOMPEL, H.; YOUNG, J. A.; HICKEY, T. B. Using the OAIPMH… differently. D-Lib Magazine, [S.l.], v. 9, n. 7/8, Jul./Aug. 2003. Disponível em: http://www.dlib.org/dlib/july03/young/07young.html. Acesso em: 14 jan. 2015.

VAN DE SOMPEL, H. V. et al. The "info" URI Scheme for Information Assets with Identifiers in Public Namespaces. 2006. Disponível em: https://www.rfc-editor.org/rfc/pdfrfc/rfc4452.txt.pdf. Acesso em: 15 jan. 2015.

WALLIS, J. C.; ROLANDO, E.; BORGMAN, C. L. If we share data, will anyone use them? Data Sharing and Reuse in the Long Tail of Science and Technology. PLOS ONE, San Francisco, v. 8, n. 7, p. 1-17, 2013.

W3C. OWL Web ontology language. Cambridge, 2004. Disponível em: http://www.w3.org/TR/owl-features/. Acesso em 10 ago. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-4390.2018v7n2p25

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Inf. Prof.

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2317-4390 (versão online)

DOI: 10.5433/2317-4390

infoprof@uel.br



Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)