Lei de acesso à informação: um marco no processo democrático

Luciano Araujo Monteiro

Resumo


Introdução: Vivemos num período em que as instituições democráticas deste país, pertencentes ao poder público, estão em descrédito perante a sociedade civil brasileira. Neste contexto, é imperativa a disponibilização de informações governamentais a todos os cidadãos.
Objetivo: Este artigo visa apresentar a importância dos Arquivos como instituições de custódia documental, discutindo, paralelamente, a Lei de Acesso à Informação (LAI), nº 12.527/2011 e observando até que ponto ela é seguida no Brasil.
Metodologia: Para realizar este trabalho foi estabelecida uma análise bibliográfica, associada à comparação de iconografia, de teor estatístico.
Resultados: Como resultados obtidos, foi evidenciado que a lei já citada não é cumprida na maior parte dos municípios analisados, assim como o Ministério Público e o Judiciário são as instituições que mais se recusam a dar acesso aos documentos requeridos.
Conclusão: Podemos concluir que, em nossa sociedade, os interesses privados imperam sobre o interesse público e, torna-se necessário que a LAI seja mais bem divulgada pelos meios de comunicação de massa e pelas instituições de ensino (públicas e privadas), para que os consulentes possam fazer valer seus direitos de ter acesso às informações transparentes e corretas.  


Palavras-chave


Documento; Gestão documental; Arquivo; Acesso à Informação; Transparência

Texto completo:

PDF

Referências


BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. São Paulo: Editora FVG, 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.html. Acesso: em: 01 jul. 2016.

BRASIL. Lei 12.527 de 2011. Regula o acesso a informações. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 01 jul. 2016.

BRASIL. Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União. Panorama dos Governos Municipais Escala Brasil Transparente - 3. avaliação [2016]. Disponível em: https://relatorios.cgu.gov.br/Visualizador.aspx?id_relatorio=23. Acesso em: 12 fev. 2018.

COSTA, C. L. Intimidade versus Interesse Público: a Problemática dos Arquivos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 189-199, 1998. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/viewFile/2066/1205. Acesso em: 01 jul. 2016.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: http://www.colegioser.com.br/arquivos/atividades_pv/redacao/direitos_hum anos.p. Acesso em: 18 fev. 2018.

FERRAREZI, L; ROMÃO, L. M. S. Arquivo, documento e memória na concepção discursiva. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 12, n. 24, p. 152-171, 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518- 2924.2007v12n24p152/414. Acesso em: 01 jul. 2016.

GALF, R; SAKAY, J. Quase metade dos principais órgãos públicos brasileiros descumprem a Lei de Acesso à Informação. Achados e Pedidos, 2017, 36 p. Disponível em: http://www.achadosepedidos.org.br/uploads/publicacoes/Relatorio_LAI_18091 7.pdf. Acesso em: 12 fev. 2018.

LEITÃO, A. M. Fundo DEOPS, Organização e Manutenção. Arquivos, Patrimônio e Memória: trajetórias e perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 1999. p. 139-141.

MAGLIANO FILHO, R. 2017. Um caminho para o Brasil: a reciprocidade entre sociedade civil e instituições. São Paulo: Contexto, 2017. 223 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-4390.2017v6n2p119

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Inf. Prof.

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2317-4390 (versão online)

DOI: 10.5433/2317-4390

infoprof@uel.br



Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)