Encontrabilidade da informação e videoativismo: uma análise do atributo folksonomia no YouTube

Jéssica Amorim do Nascimento, Angela Maria Grossi de Carvalho

Resumo


Introdução: As tecnologias digitais associadas à mobilidade e à web social transformaram as relações sociais em diversas esferas. Os ambientes têm se tornado cada dia mais cooperativos e a massa de informação depositada e compartilhada diariamente cresce de acordo com o número de usuários – o que modificou a relação que temos com a forma de compartilhar as informações na web, bem como a forma que produzimos ou realizamos qualquer tipo de manifestação social.
Objetivo: De acordo com essa premissa, este artigo apresenta um estudo que buscou analisar a folksonomia – atributo da Encontrabilidade da Informação de Vechiato e Vidotti (2014), que analisa a etiquetagem social – partindo dos usuários.
Metodologia: A análise foi realizada no ambiente YouTube, coletando as informações sobre os protestos do dia 17 de julho de 2013 e identificando o conteúdo de videoativismo para compreender de que forma o atributo presta contribuição para a aplicação da Encontrabilidade da Informação.
Resultado: No YouTube, são apresentados aproximadamente 145 mil resultados com a busca “17 de junho de 2013”, e em sua maioria, não pertencem à mídia tradicional – são propostas videoativistas. Destes, após análise de acordo com a metodologia de observação, o número foi reduzido para 8 páginas de conteúdo relevantes.
Conclusão: Foi possível utilizar a folksonomia no momento da publicação do vídeo. Com a busca “17 de junho de 2013”, e o resultado foi 145 mil vídeos. Após utilização da informação, este número mudou para 159 vídeos que possuem real ligação com o tema proposto – que classifica o atributo folksonomia como bastante relevante para a Encontrabilidade no ambiente estudado.


Palavras-chave


Encontrabilidade da Informação, Folksonomia, Videoativismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, J. de; MOURA, M. A. Folksonomia: a linguagem das tags. Encontros bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 18, n. 36, p. 85- 106, jan./abr. 2013.

BARDAJÍ, L. L. Rodea el Congreso: la confrontación simbólica através del audiovisual. In: BUSTOS, Gabriela et al. Videoactivismo - acción política, cámara en mano. Tenerife: Cuadernos Latina, 2014.

BLATTMANN, U.; SILVA, Fabiano Couto Corrêa da. A Colaboração e a interação na Web 2.0. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 191-215, jul./dez., 2007.

CASTELLS, M. Redes de Indignação e Esperança: Movimentos Sociais na Era da Internet. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2013.

CATARINO, M. E.; BAPTISTA, A. A. Folksonomia: um novo conceito para a organização dos recursos digitais na web. DataGramaZero, v. 8, n. 3, 2007. Disponível em: http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/v/a/4483. Acesso em: 04 set. 2017.

DURIGAN, G. Vídeo-ativismo em rede: um estudo sobre os protestos brasileiros de 2013 registrados no documentário 20 centavos. 2016. 102f. Dissertação (Mestrado em Mídia e Tecnologia) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru, 2016.

FAROOQ et al. Evaluating tagging behavior in social bookmarking systems: metrics and design heuristics. In: CONFERENCE ON SUPPORTING GROUP WORK. p. 351-360, 2007. Proceedings…, 2007.

GARCIA, P. F. Videoactivismo de convocatoria: el linguaje publicitario en las Mareas Ciudadanas. In: BUSTOS, Gabriela et al. Videoactivismo - acción política, cámara en mano. Tenerife: Cuadernos Latina, 2014.

LOHMANN, S.; DÍAZ, P. Representing and visualizing folksonomies as graphs - A reference model. 2012 International Working Conference on Advanced Visual Interfaces, AVI 2012, Capri Island. p. 729-732.

MAZETTI, H. Resistências criativas: os coletivos artísticos e ativistas no Brasil. Revista Lugar Comum, n. 25-26, 2008.

MIKA, P. Social networks and the semantic web. New York: Springer, 2007. 234 p.

MORVILLE, P. Libraries at the crossroads of ubiquitous computing and the internet. Online, v. 29, n. 6, nov./dez. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-4390.2017v6n2p60

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Inf. Prof.

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2317-4390 (versão online)

DOI: 10.5433/2317-4390

infoprof@uel.br



Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)