Administração da informação para a inovação em uma organização; Gestión de la información para la innovación en una organización

Lidiane dos Santos Carvalho, Clóvis Ricardo Montenegro de Lima

Resumo


Introdução: Neste artigo é apresentam-se visões distintas da informação: o operador funcional de sistemas sociais ou uma dinâmica complexa.
Objetivo: Discutir questões da administração da informação para inovação em uma organização. Esta discussão é realizada a partir do estudo específico na Fundação CERTI – Centros de Referênciaem Tecnologias Inovadoras, vinculada a Universidade Federal de Santa Catarina.
Metodologia: Esta investigação combina observação participante, busca de documentos e entrevistas estruturadas.
Resultados: São apresentados resultados parciais da investigação sobre informação, comunicação e inovação tecnológica na Fundação CERTI, instituição de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, vinculada à Universidade Federal de Santa Catarina com foco na inovação em negócios, produtos e serviços.
Conclusões: Sugere é que a Ciência da Informação pode contribuir com o desenvolvimento teórico e metodológico da administração da informação para inovação das organizações.


Palavras-chave


Habermas; Inovação; Administração da informação; Fundação CERTI

Texto completo:

PDF

Referências


ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 3, p. 9-16, set./dez. 2004.

BARAÑANO, Ana Maria. Gestão da inovação tecnológica: estudo de cinco PMEs portuguesas. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v.1, n.2, jan. /jun. 2005.

BARBIERI, Jose Carlos et al. Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

DOSI, Giovanni. Technical change and industrial transformation. London: Macmillan, 1984.

FUNDAÇÃO CERTI. Desafios do domínio do processo de inovação tecnológica nas empresas: gestão, cooperação e financiamento. In: ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E PROCESSOS, 2007, São Paulo. Anais... São Paulo: PROTEC, 2007. Disponível em: http://www.protec.org.br/arquivos/eventos/download/CarlosAlbertoSchneider.pdf. Acesso em: 22 maio 2009.

FUNDAÇÃO CERTI. Fundação centros de referência em tecnologias inovadoras. Disponível em: http://www.certi.org.br/. Acesso em: 10 ago. 2008.

FUNDAÇÃO CERTI. OBITEC: observatório da inovação tecnológica. Disponível em: http://www.observatorio.certi.org.br/. Acesso em: 18 jan. 2009.

FUNDAÇÃO CERTI. Relatório de atividades. Florianópolis: CERTI, 2006.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida. Habermas, informação e argumentação. In: COLÓQUIO HABERMAS, 5., 2008, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2008.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida. Novas fronteiras tecnológicas das ações de informação: questões e abordagens. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 1, p. 55-67, jan./abr. 2004.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida. O caráter seletivo das ações de informação. Informare, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 7-31, 2000.

GORZ, Andre. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.

HABERMAS, Jurgen. A Inclusão do outro: estudos de teoria política. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2004.

HABERMAS, Jurgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

INOVA. Elementos do processo de inovação. 2007. Disponível em: http://www.inovasc.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=50&Itemid. Acesso em: 25 jan. 2009.

LEMOS, Cristina. Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, Helena M. M; ALBAGLI, Sarita. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999. p. 122-144.

LUHMANN, Niklas. Soziale systeme: grundrisseiner allgemainem theorie, 1984.

LYYTINIEN, Kalle. Two views of information modeling. Information and Management, Amsterdam, n. 12, p. 9-19, 1987.

MACHADO, Denise Del Prá Netto; LEHMANN, Cristiane Arndt; ARAUJO, Bárbara de. Organização e cultura de inovação: elementos concretos e fatores percebidos. Revista Alcance, Itajaí, v. 15, n. 2, p. 152-168, maio/ago. 2008.

NEVES, Clarissa Eckert Baeta; NEVES, Fabrício Monteiro. O que há de complexo no mundo complexo? Niklas Luhmann e a Teoria dos Sistemas Sociais. Sociologias, Porto Alegre, v. 15, p. 182-207, 2006.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Paris: OCDE, 2004.

SCHUMPETER, Joseph. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

SILVEIRA, Sergio Amadeo. A mobilização colaborativa e a teoria da propriedade do bem intangível. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2009.

TOMAÉL, Maria Inês; ALCARÁ, Adriana Rosecler, DI CHIARA, Ivone Guerreiro. Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 2, p. 93-104, maio/ago. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-4390.2013v2n2p01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Inf. Prof.

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2317-4390 (versão online)

DOI: 10.5433/2317-4390

infoprof@uel.br



Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)