Se tudo é História, por que continuamos a estudar Pré- história na escola? Os conceitos de História e Pré- história nos livros didáticos contemporâneos

Ana Lucia do Nascimento, Juliana Alves de Andrade, Luiz Adriano Lucena Aragao

Resumo


O presente trabalho problematiza a permanência do conceito de Pré-história nos livros didáticos de História, aprovados pelo PNLD 2017-2019. Nossa intenção é demonstrar a força da tradição da historiográfica oitocentista brasileira na literatura didática, mesmo após a criação e consolidação do Programa Nacional do Livro Didático-PNLD, responsável pela avaliação da qualidade historiográfica e pedagógica dos livros didáticos a partir da década de 1990. Usamos os pressupostos conceituais desenvolvidos nas pesquisas sobre a História dos Conceitos (KOSELLECK,1992), bem como os  conceitos de:  História ( BLOCH, 2002), Pré-história (TRIGGER,2004), Livro didático (FREITAS, 2009).  Para tal, faremos uma leitura do livro didático a luz da estratégia analítica da Análise de Conteúdo (BARDIN, 2010). Com esse estudo foi possível compreender as estratégias utilizadas pelo mercado editoral para não romper a relação existente entre as exigências dos editais do PNLD, a historiografia escolar e tradição cultuada pela cultura escolar na contemporaneidade. Nesse sentido, a pesquisa demonstra que, mesmo após as reconfigurações dos saberes históricos a serem ensinados nos livros didáticos, por conta da forte influência da historiorafia francesa (Escola dos Annales, História Cultural, Nova História Cultural), o material permanece organizado a partir da perspectiva cronologica e eurocentrica do tempo e do espaço, e sobretudo,  defendendo ou apresentando a ideia de surgimento da história depois da invenção da escrita. Nesse sentido, a estratégia do livro é adotar um nova semântica (palavra, termo, discurso) para explicar essa “origem” da história ou redefini o significado do termo.

Palavras-chave


História; Pré-história; Livro didático

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz. Fazer defeitos nas memórias: para que servem a escrita e o ensino da história?. In: GONÇALVES, Márcia de Almeida; ROCHA, Helenice; REZNIK, Luís; MONTEIRO, Ana Maria (org.).Qual o valor da história hoje?. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

APOLINÁRIO, Maria Raquel. Projeto Araribá: história. 4. ed. São Paulo: Moderna, 2014.

ARAGÃO, Luiz Adriano Lucena. História e pré-história: investigando os usosdesses conceitos nos livros didáticos de história. 2019. 154 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2019. Disponível em: http://www.tede2.ufrpe.br:8080/tede2/handle/tede2/8391. Acesso em:16 jun. 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo: 1977. Lisboa: Edições, 2010. v. 70.BARROS, José D'Assunção. Teoria da história: os primeiros paradigmas: positivismo e historicismo. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

BOULOS JUNIOR, Alfredo. História, sociedade & cidadania. 3. ed. São Paulo: FTD, 2015.

BRASIL. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Programas do Livro. Brasília: MEC, 2017. Disponível em:

http://www.fnde.gov.br/programas/programas-do-livro/livrodidatico/dadosestatisticos. Acesso em: 12 maio 2017.

BRASIL. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Programas do Livro. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/component/k2/item/518-histórico. Acesso em:12 maio 2017.

CAIMI, Flavia Eloisa. As disciplinas escolares no contexto do PNLD:avanços, lacunas e desafios na avaliação do livro didático. Revista de Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 57, p. 525-543, 2015.

CAIMI, Flavia Eloisa. O que sabemos (e o que não sabemos) sobre o livro

didático de história: estado do conhecimento, tendências e perspectivas. In: GALZERANI, Maria Carolina Bovério; BUENO, João Batista Gonçalves; PINTO JUNIOR, Arnaldo. Paisagens da pesquisa contemporânea sobre livro didático de história. Campinas: UNICAMP, 2013. p. 35-52.

CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, 2004.

CORRÊA, Ângelo Alves. Longue Durée: história indígena e arqueologia. Cienc. Cult., São Paulo, v. 65, n. 2, p. 26-29, jun. 2013.

COTRIM, Gilberto. Historiar. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

FREITAS, Itamar. Livro didático de história: definições, representações e

prescrições de uso. In: OLIVEIRA, Margarida Dias de; OLIVEIRA, Almir Félix Bueno de. Livros didáticos de História: escolhas e utilizações. Natal: Editora da UFRN, 2009. p. 11-19.

GATTI JÚNIOR, Décio. A escrita escolar da história: livro didático e ensino no Brasil (1970-1990). Porto Alegre: Edusc, 2004.

GLEZER, Raquel. Novos livros & velhas ideias. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 4, n. 7, 1984.

GOSDEN, Chris. Pré-história. Porto Alegre: L&PM POCKET, 2012.

GUIMARÃES, Selva. Didática e prática de ensino de História: experiências,

reflexões e aprendizados. 13. ed. São Paulo: Papirus, 2012. (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico)




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2021v27n1p150

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br