Conhecimento histórico, Ditadura Civil Militar e Democracia : o que pensam alunos do Ensino Médio

Maria Cristina Dantas Pina, Maria Alessandra dos Santos Aquino

Resumo


Este artigo propõe-se avaliar a o conhecimento histórico dos alunos do ensino médio sobre democracia e ditatura civil militar. Temas importantes na história política recente do Brasil e potentes para investigação da relação entre juventude e política. Estes conteúdos aparecem no currículo escolar, nos livros didáticos, nos filmes e em outras produções públicas. Buscou-se identificar quais conhecimentos os alunos detêm sobre Ditadura Civil Militar (1964/1985) e Democracia (a partir da Constituição de 1988) no Brasil. Especificamente, investigou-se como os alunos estabelecem relações entre dois contextos históricos e como utilizam as informações históricas para explicarem o passado e presente. O referencial teórico balizou-se nas formulações de Jörn Rüsen, Isabel Barca, Maria Auxiliadora Schmidt e Luís Fernando Cerri a respeito das categorias: consciência histórica, narrativa, cultura histórica e aprendizagem histórica. A metodologia pautou-se por critérios qualitativo e quantitativos. A coleta de dados ocorreu por meio de questionário, em 2015, com alunos do 3º Ano do ensino médio, numa escola pública, em Vitória da Conquista/Ba. Para interpretação dos dados utilizou-se a técnica de análise de conteúdo (BARDIN, 2009), elaborando-se tipologia que permitiu verificar e qualificar as diferentes estruturas narrativas. Os resultados apontaram para diferentes expressões das experiências temporais dos alunos com os contextos históricos, revelando, na maioria das narrativas, a carência de conteúdo histórico, a não valorização das informações das fontes para reflexão histórica, dificuldade de estabelecer relação temporal. Demonstraram que ainda não começaram a compreender a História e como a construção desse conhecimento pode ser útil para orientação da vida. As narrativas apontam, ainda, para um dos problemas percebidos no cotidiano da sala de aula de história, que é a dificuldade demonstrada pelo aluno de interpretação, compreensão e expressão por meio da produção de textos.


Palavras-chave


Ensino de História; Conhecimento Histórico; Ditadura Civil Militar; Democracia; Narrativa Histórica

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Martha; SOIHET, Rachel; GONTIJO, Rebeca (org.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Braseira, 2007.

AGUIAR, Edinalva Padre. O ensinado, o aprendido: a educação histórica e a consciência histórica. 2013. 338 f. Tese (Doutorado em Educação) -Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Fazer defeitos nas memórias: para que servem o ensino e a escrita da história? In: MONTEIRO, Ana Maria; ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; REZNIK, Luis; GONÇALVES, Marcia de Almeida (org.). Qual o valor da história hoje?. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012. p. 21-39.

BAHIA. Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Consulta escola. Salvador: Secretaria de Educação do Estado da Bahia, 2015a. Disponível em: http://escolas.educacao.ba.gov.br/node/12620. Acesso em: 23 ago. 2015.

BAHIA. Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Ditadura Militar: direito à memória: 50 anos do golpe militar. Salvador: Secretaria de Educação do Estado da Bahia, 2015b. Disponível em: http://www.educacao.ba.gov.br/direitoamemoria. Acesso em: 1 maio 2015.

BAHIA. Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Orientações curriculares para ensino médio: orientações gerais. Salvador: Egba, 2015c. p. 13.

BARCA, Isabel. Ideias chave para a educação histórica: uma busca de (inter)identidades. História Revista, Goiânia, v. 17, n. 1, dez. 2012. Disponível em: http://revistas.ufg.br/historia/article/view/21683/12756. Acesso em: 1 fev. 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2009.

BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal: Porto Editora, 2006.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. Direito à memória e à verdade: histórias de meninas e meninos marcados pela ditadura. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2009. p. 40-41.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 30 de Janeiro 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 20, 31 jan. 2012.

CAIMI, Flávia Eloisa. História escolar e memória coletiva: como se ensina? Como se aprende? In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; MAGALHÃES, Marcelo, e GONTIJO, Rebeca (org.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. p. 65-79.

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana. Dossiê manifestações em Porto Alegre: violações de direitos humanos por parte da brigada militar. Porto Alegre: Câmara Municipal, 2013. p. 7.

CARRETERO, Mario; MONTANERO, Manuel. Enseñanza y aprendizaje de la historia: aspectos cognitivos y culturales. Cultura y Educación, Madrid, v. 20, n. 2, p. 133-142, 2008. Disponível em: http://www.ub.edu/histodidactica/images/documentos/pdf/ensenanza_apre ndizaje_historia.pdf. Acesso em: 21 ago. 2014.

CERRI, Luis Fernando. Ensino de história e consciência histórica: implicações didáticas de uma discussão contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes?: reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 15 mar. 2015.

FERREIRA, Angela Ribeiro; PACIEVITCH, Caroline; CERRI, Luis Fernando. Identidade e decisões políticas de jovens brasileiros, argentinos e uruguaios. Cultura Histórica & Patrimônio, Alfenas, v. 1, n. 1, p. 21-38, ago. 2012. ISSN 2316-5014. Disponível em: https://publicacoes.unifalmg.edu.br/revistas/index.php/cultura_historica_patrimonio/article/view/04_v1n1_ChP. Acesso em: 10 out. 2015.

FONSECA, Thaís Nivia de Lima. História e ensino de história. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

GAGO, Marília. Pluralidade de olhares: construtivismo e multiperspectiva no processo de aprendizagem. Lisboa: Pensar a Educação, 2012.

GASPAROTTO, Alessandra; PADRÓS, Enrique Serra. A ditadura civil-militar em sala de aula: desafios e compromissos com o resgate da história recente e da memória. In: BARROSO, Vera Lúcia; PEREIRA, Nilton Mullet; BERGAMASCHI, Maria Aparecida; GEDOZ, Sirlei; PADRÓS, Enrique Serra (org.). Ensino de história: desafios contemporâneos. Porto Alegre: EST, 2010. p. 183-201.

GUIMARÃES, Selva. (org.). Ensino de história e cidadania. Campinas, SP: Papirus, 2016.

GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão?. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v.22, n. 2, p. 201-210, maio/ago. 2006.

LIMA, Maria. A expressão linguística dos saberes: aspectos da relação entre a aprendizagem da língua escrita e o desenvolvimento da consciência histórica. In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; MAGALHÃES, Marcelo; GONTIJO, Rebeca. (org.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. p.213-234.

MAGALHÃES, Marcelo; CIAMBARELLA, Alessandra; ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; RIBEIRO, Jayme Fernandes (org.). Ensino de história: usos do passado, memória e mídia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014.

OBSERVATÓRIO DO PNE. O Plano Nacional de Educação. 2016. Disponível em: http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/3-ensinomedio/indicadores#porcentagem-de-jovens-de-15-a-17-anos-matriculadosno-ensino-medio. Acesso em 18 dez. 2016.

RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Tradução de Estevão de R. Martins. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2010a.

RÜSEN, Jörn. Razão Histórica: teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de R. Martins. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2010b.

RÜSEN, Jörn. Aprendizagem histórica: fundamentos e paradigmas. Tradução de Peter H. Rautmann, Caio da C. Pereira, Daniel Martineschen e Sibele Paulino. Curitiba: W. A. Editores, 2012.

RÜSEN, Jörn. O que é cultura histórica?: reflexões sobre uma nova maneira de abordar a História. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora M; MARTINS, Estevão de Rezende (org). Jörn Rüsen: contribuições para uma teoria da didática da história. Curitiba: W.A. Editores Ltda, 2016. p.53-81.

SACRISTÁN, José Gimeno. O aluno como invenção. Tradução de Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (org). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Editora UFPR, 2011.

SEFFNER, Fernando. Leitura e escrita na história. In: ENCONTRO PERSPECTIVAS DO ENSINO DE HISTÓRIA, 3., 1999, Campinas. Anais [...]. Campinas: Unicamp, 1999. Disponível em: http://ojs.fe.unicamp.br/ged/FEH/issue/view/290. Acesso em: 21 jan. 2017.

SILVA, Marcos. Aprender a ditadura brasileira de 1964 a 1985 (ensino de história depois da cada da morte). In: GUIMARÃES, Selva (org.). Ensino de história e cidadania. Campinas, SP: Papirus, 2016. p.65-74.

SILVA, Carla R.; LOPES, Roseli E. Adolescência e Juventude: entre conceitos e políticas públicas. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, Jul-Dez 2009, v. 17, n.2, p 87-106.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n2p83

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br