Ideias prévias de estudantes da educação básica: Um estudo a partir das contribuições da Didática da História

Aaron Sena Cerqueira Reis

Resumo


Neste artigo, objetivamos compreender as ideias prévias de estudantes da Educação Básica acerca da História. A partir da dimensão empírica da Didática da História, consideramos os conhecimentos apresentados pelos/as informantes em um instrumento composto pela seguinte questão: Para você, o que é História? Para quê, ou para quem, serve a História? O estudo foi realizado em uma escola pública estadual, localizada no bairro Butantã, na cidade de São Paulo/SP, em maio de 2016. As respostas dos 199 participantes foram analisadas segundo os pressupostos da Grounded Theory. Com auxílio do IRAMUTEQ, software que viabiliza diferentes tipos de análise textual, identificamos diferentes conceitos que foram categorizados em um dendograma composto por duas classes. A primeira delas reuniu um conjunto de ideias em que a História foi entendida como um tipo de saber relacionado a acontecimentos e fatos do passado; a segunda, um conjunto de ideias que entendia a História como uma matéria de ensino.

Palavras-chave


Ensino de História; Didática da História; Ideias prévias; Conhecimento histórico; Educação Básica

Texto completo:

PDF

Referências


BERGMANN, Klaus. A história na reflexão didática. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 9, n. 19, p. 29-42, 1990. Disponível em: https://www.anpuh.org/arquivo/download?ID_ARQUIVO=3877. Acesso em: 27 dez. 2013.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

CAMARGO, Brígido Vizeu; JUSTO, Ana Maria. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 513-518, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v21n2/v21n2a16.pdf. Acesso em: 20 jul. 2016.

CARRETERO, Mário. Documentos de identidade: a construção da memória histórica em um mundo globalizado. Tradução Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CARRETERO, Mario; LIMÓN, Margarita. Construção do conhecimento e ensino das ciências sociais e da história. In: CARRETERO, Mario. Construir e ensinar: as ciências sociais e a história. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. p. 31-55.

CERRI, Luis Fernando. Um lugar na história para a didática da história. História & Ensino, Londrina, v. 23, n. 1, p. 11-30, jan./jun. 2017. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/28192. Acesso em: 1 dez. 2017.

FERRO, Marc. A manipulação da história no ensino e nos meios de comunicação. Tradução Wladimir Araujo. 2. ed. São Paulo: IBRASA, 1983.

GERMINARI, Geyso Dongley. Ideias de jovens do ensino médio sobre história: um estudo na perspectiva da educação histórica. Antíteses, Londrina, v. 9, n. 18, p. 67-86, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/26537. Acesso em: 30 out. 2017.

KITSON, Alison; HUSBANDS, Chris; STEWARD, Susan. Didáctica de la historia en secundaria obligatoria y bachillerato. Tradução Pablo Manzano Bernárdez. Madrid: Ediciones Morata, 2015.

KUSNICK, Marcos Roberto. A filosofia cotidiana da história: uma contribuição para a didática da história. 2008. 170f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2008.

LAUTIER, Nicole. Os saberes históricos em situação escolar: circulação, transformação e adaptação. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 36, n. 1, p. 39-58, jan./abr. 2011. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/15348. Acesso em: 29 ago. 2015.

MARTINS, Estevão C. de Rezende. História: consciência, pensamento, cultura, ensino. Educar em Revista, Curitiba, n. 42, p. 43-58, out./dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n42/a04n42.pdf. Acesso em: 6 nov. 2017.

MATTOZZI, Ivo. El cuadrilatero del tempo: alguna precision sobre la didactica de la historia. Traducción Mario Sette. La Didattica, Bari-Italy, n. 1, set. 1994. Disponível em: http://www.saber.ula.ve/bitstream/handle/123456789/23898/Bol1_IvoMattozzi.pdf;jsessionid=A535C2A58308063683270D30B89D9F77?sequence=1. Acesso em: 14 ago. 2016.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 9-29.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; SANCHES, Odécio. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade?. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set. 1993. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v9n3/02.pdf. Acesso em: 28 nov. 2019.

MORENO, Concha Fuentes. Concepciones de los alumnos sobre la historia. Educar, Curitiba, p. 219-239, 2006. Número especial. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/viewFile/5539/4053. Acesso em: 26 nov. 2016.

MORTIMER, Eduardo Fleury. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos?. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 20-39, 1996. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/645. Acesso em: 15 set. 2016.

RAMOS, Márcia Elisa Teté; ALVES, Ronaldo Cardoso. Representações de história em jovens da escola básica e da universidade: um estudo sobre pensamento histórico e identidade. Antíteses, Londrina, v. 9, n. 18, p.118-152, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/27345. Acesso em: 30 out. 2017.

RATINAUD. Pierre. IRAMUTEQ: interface de R pour les analyses multidimensionnelles de textes et de questionnaires (computer software). [Paris]: Iramuteq, 2009. Disponível em: http://www.iramuteq.org. Acesso em: 10 mar. 2018.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Tradução Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2001.

RÜSEN, Jörn. Teoria da história: uma teoria da história como ciência.

Tradução Estevão C. de Rezende Martins. Curitiba: Editora UFPR, 2015.

SEGAL, André. Pour une didactique de la duree. In: MONIOT, Henry (org.) Enseigneur l’histoire des manuels à la mémoire. Berne: Peter Long Editions, 1984. p. 93-111. Tradução para uso interno Circe Fernandes Bittencourt.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TAROZZI, Massimiliano. O que é a grounded theory?: metodologia de pesquisa e de teoria fundamentada nos dados. Tradução de Carmem Lussi. Petrópolis: Vozes, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2021v27n1p175

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br