A Cognição Histórica Situada e os critérios de avaliação de Manuais Didáticos no Brasil

Maria Auxiliadora Schmidt

Resumo


A investigação abrange a análise qualitativa dos critérios para avaliação de manuais de História do Ensino Médio, propostos pelo governo brasileiro no documento Edital de Convocação PNLD 2015 para 2018.  Adotou-se a metodologia de investigação qualitativa de estudo no caso e alguns elementos da análise de conteúdo na investigação bibliográfica e documental. A questão fundamental que norteou o percurso da investigação foi verificar se, entre os critérios de avaliação de manuais didáticos brasileiros, foram incorporados elementos relacionados à aprendizagem cuja natureza baseia-se na "cognição histórica situada". No sentido de definir o espectro empírico da investigação foram selecionados, para análise, os critérios utilizados no processo de avaliação dos manuais de História destinados aos alunos do Ensino Médio, cuja faixa etária situa-se, principalmente, entre 15 a 17 anos de idade. A categorização dos dados foi realizada a partir daqueles propostos para a área de Ciências Humanas e, também, mais especificamente, para História. As categorias foram selecionadas tendo como norte o referencial teórico adotado e podem ser sintetizadas em: 1. Orientação temporal; 2. Multiperspectividade; 3. Trabalho com fontes. Observou-se que a lacuna de conceituação do que é “pensamento histórico”, bem como os critérios adotados, indicam mais uma preocupação com aspectos metodológicos e conceituais da área de Ciências Humanas, do que uma delimitação mais explicita de critérios que pudessem balizar uma obra didática cujo objetivo seria aprender a pensar historicamente. Acredita-se que a explicitação de critérios formadores do pensamento histórico poderiam qualificar, de forma mais objetiva, a aprendizagem e, portanto, o ensino de História, em direção a uma literacia histórica, que colocasse o jovem aluno do Ensino Médio como cidadão do mundo e do seu tempo.


Palavras-chave


Avaliação; Consciência Histórica; Aprendizagem Histórica; Ensino Médio.

Texto completo:

PDF

Referências


ASHBY, Rosalyn. (2003). Conceito de Evidência Histórica: exigências curriculares e concepções de alunos. In I. Barca (Org.) Educação Histórica e Museus. Actas das 2as. Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Uminho. Instituto de Educação e Psicologia.

ASHBY, Rosalyn. (2006). Desenvolvendo um conceito de evidência histórica: as ideias dos estudantes sobre testar afirmações factuais simples. Educar em Revista. Dossiê Educação Histórica, (pp. 151-170). Curitiba: Editora da UFPR.

BARCA, Isabel. (2006). Literacia e consciência histórica. Educar em Revista. Dossiê Educação Histórica, (pp. 93-112). Curitiba: Editora da UFPR. Brasil/MEC/FNDE.(2015). Edital de Convocação PNLD 2015 para 2018. Recuperado em 14 dezembro, 2017, de http://www.fnde.gov.br/programas/programas-do-livro/consultas/editaisprogramas-livro/item/7932-pnld-2018. Acesso em 14/dez./2017.

CARIE, Nayara Silva de. (2008). Avaliações de coleções didáticas de História de 5ª a 8ª série do ensino fundamental: um contraste entre os critérios avaliativos dos professores e do Programa Nacional do Livro Didático. Dissertação de Mestrado, Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

COOPER, Hilary. (2006). Aprendendo e ensinando sobre o passado a crianças de três a oito anos. Educar em Revista. Dossiê Educação Histórica, (pp. 171-190). Curitiba: Editora da UFPR.

IDRISSI, Mostafa Hassani. (2005). Pensée historienne et apprentissage de l´histoire. Paris: L´Harmattan. KUENZER, Acácia. (2000). Ensino médio: novos desafios. In Kuenzer, A. (Org.). Ensino Médio. Construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez.

LEE, Peter. (2011, out-dez.). Por que aprender História? Educar em Revista. Dossiê: História, epistemologia e ensino: desafios de um diálogo em tempos de incertezas, (N. 42, pp.19-42). Curitiba: Editora da UFPR.

LESSARD-HÉBERT, M., GOYETTE, G., & BOUTIN, G. (1994). Investigação qualitativa. Fundamentos e Práticas. Lisboa: Instituto Jean Piaget.

MIRANDA, Sonia Regina, & LUCA, Tania Regina de. (2004). O livro didático de história hoje: um panorama a partir do PNLD. Revista Brasileira de História, 24(48), 123-144. https://dx.doi.org/10.1590/S0102- 01882004000200006

RÜSEN, Jörn. (2010). O livro didático ideal. In Schmidt, M.A., Barca, I., & Martins, E.R.. Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Editora da UFPR; Braga (PT): Uminho.

RÜSEN, Jörn. (2012). Aprendizagem Histórica. Fundamentos e paradigmas. Curitiba: W & A Editores.

RÜSEN, Jörn. (2014). Tiempo en ruptura. Mexico, D.F.: Universidad Autónoma Metropolitana/Azcapotzalco.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. (2009). Cognição histórica situada: que aprendizagem histórica é esta? In Schmidt, M.A. & Barca, I. Aprender História: Perspectivas da Educação Histórica. Ijuí: Editora UNIJUI.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora & GARCIA, Tânia Braga. (2010). The Public Usage of History in Brazil and its Relationships With Governmental Policies and Programs. In Nakou, I. & Barca, I. Contemporary Public Debates Over History Education. Charlotte, North Carolina: IAP Information Age Publishing Inc.

SIMÃO, Ana Catarina Gomes Lage Ladeira. (2007). A construção da evidência histórica: concepções de alunos do 3.º ciclo do ensino básico. Tese de doutorado, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Braga-PT. http://hdl.handle.net/1822/7116

STAMATTO, Maria Inês Sucupira, & CAIMI, Flavia Eloisa. (2016, maio-ago.). O livro didático do Ensino Médio: critérios de avaliação e documentos curriculares. Revista Educação em Questão, (Vol.54, N.41, pp.220-250).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2018v24n2p29

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br