Modos de aprender a ensinar sobre Gênero nas aulas de História: apontamentos sobre os relatos de experiências do PIBID/UNIFAL (2015-2016).

Leonara Lacerda Delfino

Resumo


O objetivo deste artigo é problematizar as possibilidades e dificuldades de aprender a ensinar sobre a temática de gênero nas aulas de história, através dos projetos de intervenção ministrados por bolsistas do PIBID nas escolas conveniadas à Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL), entre 2015 a 2016. A partir dos relatos produzidos pelos (as) bolsistas, refletimos sobre os resultados e desafios encontrados para o desenvolvimento de uma das frentes da consciência histórica, engendrada através do aprendizado proposto pelos pibidianos nas escolas públicas de Educação Básica da cidade de Alfenas (MG). Para tanto, utilizamos como fontes de análise os relatórios de diagnósticos, os projetos de intervenção e os relatos de experiências dos professores em formação envolvidos na efetivação das sequências didáticas na construção dos saberes ensinados e aprendidos nas aulas de história. Nesta proposta, tratamos sobre as formas de tratamento dadas pelos (as) alunos (as) escolares, os embates externos à abordagem do tema, a construção dos corpos disciplinados dentro e fora da cultura escolar e as percepções e significados atribuídos pelos (as) próprios (as) pibidianos (as) às questões de gênero em suas trajetórias como professores em formação. Por seu turno, nos apoiamos na discussão epistemológica de gênero conjugada às noções de cultura escolar, enquanto espaço de normatização dos corpos, além da noção de diversidade dos saberes docentes e de produção de poderes disciplinares na construção identitária dos sujeitos escolares.


Palavras-chave


Gênero; Diversidade; Programa de Iniciação à Docência; Saberes docentes, consciência histórica

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, Circe. Ensino de história: fundamentos e métodos. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011. BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 3 dez. 2018.

BRASIL. Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Brasília, DF: Presidência da República, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 2010/2007/Decreto/D6096.htm. Acesso em: 3 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L10172.pdf. Acesso em: 3 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de Fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015- 2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 3 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 3 dez. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC: SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 3 dez. 2018.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 15-60.

CAPES. Edital CAPES nº 06/2018. Programa de residência pedagógica. Brasília, 2018. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/01032018- Edital-6-2018-Residencia-pedagogica.pdf. Acesso em: 3 dez. 2018.

CAPES. Programa institucional de bolsa de iniciação à docência edital nº 061/2013. Brasília, 2013. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/Edital_061_201 3_PIBID.pdf. Acesso em: 3 dez. 2018

CARNEIRO, Sueli. Gênero, raça e ascensão social. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 544, 1995.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (Brasil). Parecer CNE nº 9/2001, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: MEC, 2001.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: v. 2 o uso dos prazeres. 7. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1994.

FRAGO, Antonio Viñao. A história das disciplinas escolares. Rede Brasileira da História da Educação, Maringá, v. 8, n. 3, 2008.

FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.

GONZALEZ, Lélia; HASENBALG, Carlos. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

GOODSON, Ivor. Currículo, teoria e prática. Petrópolis: Vozes, 1995.

GUIMARÃES, Selva. Didática e prática de ensino de história: experiência, reflexões e aprendizados. 13. ed. Campinas-SP: Papirus, 2012.

HOOKS, Bell. Vivendo de amor. In: WERNECK, Jurema (org.). O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. Tradução de Maísa Mendonça, Marilena Agostina e Maria Cecilia MacDowell dos Santos. 2. ed. Rio de Janeiro: Palhas, 2006. p. 188.

INEP. Plano nacional de educação PNE 2014-2024: linha base. Brasília, DF: Inep, 2015. LAURETIS, Teresa. Tecnologias do Gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242. Disponível em: http://www.heloisabuarquedehollanda.com.br/?p=1183&cat=6. Acesso em: 3 dez. 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997. LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MAIA, Cláudia de Jesus. A invenção da solteirona: conjugalidade moderna e terror moral Minas Gerais (1890-1948). Ilhas de Santa Catarina: Ed. Mulheres, 2011.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de história: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

MUNIZ, Diva do Couto Gontijo. Feminismos, epistemologia feminista e história das mulheres: leituras cruzadas. OPSIS, Catalão, v. 15, n. 2, p. 316-329, 2015.

NARLOCH, Leandro. Guia politicamente incorreto da história do Brasil. São Paulo: LeYa, 2009.

NAVARRO-SWAIN, T. As teorias da carne: corpos sexuados, identidades nômades. Labrys: estudos feministas. Brasília, n. 1-2, jul.dez. 2002. Disponível em: www.unb.br/ih/hist/gefem/indexbr.html. Acesso em: 3 dez. 2018.

OLIVEIRA, João Pedro Ribeiro. História pública, direitos humanos e cultura escolar: uma reflexão por meio dos projetos de gênero aplicados no PIBID/Unifal-MG. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) – UNIFAL, Alfenas, 2017.

PENNA, Fernando et al. A ideologia do movimento escola sem partido. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

PROJETO INSTITUCIONAL do PIBID, UNIFAL, Quadriênio 2014-2018, aprovado pelo Edital 61/2013. Projeto Pedagógico do Curso de História, UNIFAL, 2016.

RAGO, Margareth. Feminismo e subjetividade em tempos pós-modernos. In: COSTA, Claudia Lima; SCHIMIDT, Simone Pereira (org.). Poéticas e políticas feministas. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2004. p. 31-42.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas: estudos gays, gêneros e sexualidades, Natal, v. 4, n. 5, jan./jun. 2010. p. 17-44.

ROCHA, Helenice Aparecida Bastos. O lugar da linguagem no ensino de História: entre a oralidade e a escrita. 2006. 466 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira; VIRTUOSO, Luciano Sindra. O Programa de Bolsa de Iniciação à Docência/Unifal-MG: uma experiência voltada à Educação pelos Direitos Humanos. Revista Educação Crítica, São Carlos, v. 3, n. 2, 2017.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história: fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: UnB, 2001.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Currículo e diversidade cultural. In: SILVA, Tomaz Tadeu; MOREIRA, Antonio Flávio (org.). Territórios contestados. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 82-113.

SILVA, Marcos (org.). História: que ensino é esse? Campinas-SP: Pairos, 2013.

SOARES, Olavo. O PIBID e o ensino de história: reflexões sobre a formação inicial e o currículo escolar. In: GOMES, Claudia; FELÍCIO, Helena Maria dos Santos. São Leopoldo: Oikos, 2012. p. 41-51.

UNIFAL - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Relatos de experiências referentes aos Projetos de Iniciação à Docência do Curso de História da UNIFAL (2015-2016).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n2p191

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br