O que aconteceu com as pessoas? a ditadura nos livros didáticos de História

Juliana Pirola da Conceição Balestra, Rogério Anderson Silva

Resumo


O artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada sobre a participação de civis na abordagem da última ditadura brasileira em livros didáticos de História, que circularam no país durante o final do regime e nas primeiras décadas do século XXI. O objetivo é refletir sobre a construção de memórias sobre o período e suas implicações na atualidade, tomando como referência os estudos de Elizabeth Jelin, Michael Pollack e Jörn Rüsen sobre memória, trauma, luto e perdão. Destaca-se que as narrativas que ocultam a participação da sociedade civil durante a última ditadura brasileira escondem os traumas que permanecem latentes na sociedade atual. Com isso, nega-se aos sujeitos, vítimas e algozes, a possibilidade realizar um “luto histórico”, onde poderiam reconhecer o passado traumático como parte de sua própria história ou identidade.

Palavras-chave


Ditadura; Livro didático; Ensino de História.

Texto completo:

PDF

Referências


BALESTRA, Juliana Pirola da Conceição. O peso do passado: currículos e narrativas no ensino de história das Ditaduras de Segurança Nacional em São Paulo e Buenos. 2015. 226 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

BAUER, Caroline Silveira. Um estudo comparativo das práticas de desaparecimento nas ditaduras civil-militares argentina e brasileira e a elaboração de políticas de memória em ambos os países. 2011. 446 f. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Livro didático e saber escolar 1810- 1910. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. São Paulo: FTD, 2013.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Civis que colaboraram com a ditadura: relatório: textos temáticos. Brasília: CNV, 2014a.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Militares relatam opressão antes e depois da ditadura. 2014b. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/outros-destaques/465-militaresrelatam-opressao-antes-e-depois-da-ditadura.html. Acesso em: 12 ago. 2017.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Niterói: Eduf, 2014.

CARNOVALE, Vera; LARRAMENDY, Alina. Enseñar la historia reciente en la escuela: problemas y aportes para su abordaje. In: SIEDE, Isabelino (coord.). Ciencias sociales en la escuela. Buenos Aires: Aique, 2010.

DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do estado. Petrópolis: Vozes, 1981. FICO, Carlos. “Prezada censura”: cartas ao regime militar. Topoi, Rio de Janeiro, n. 5, p. 251-286, set. 2002.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. 9. ed. Porto Alegre: L&PM, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Cartas do cárcere. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

JELIN, Elizabeth. ¿De qué hablamos cuando hablamos de memorias? In: JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Espanha: Siglo Veinteuno, 2001.

KOSELLECK, Reinhart. Uma história dos conceitos: teóricos e práticos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 134-146, 1992.

MORAES, João Quartim. Sobre o “aprimoramento” da expressão ditadura militar. Vermelho, 3 set. 2012.

NADAI, Elza; NEVES, Joana. História do Brasil: da colônia a república. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1982.

PADRÓS, Enrique Serra. América Latina: ditaduras, segurança nacional e terror de estado. Revista História & Luta de Classes, São Paulo, n. 4, jul. 2007.

PETTA, Nicolina Luiza; OJEDA, Eduardo Aparicio Baez. História: uma abordagem integrada. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2003.

PINHEIRO, Milton. Ditadura: o que resta da transição. São Paulo: Boitempo, 2014.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

POMAR, Pedro. O modismo “civil-militar” para designar a Ditadura Militar. Brasil de Fato, São Paulo, 10 ago. 2012.

QUINALHA, Renan Honório. Com quantos lados se faz uma verdade? Notas sobre a Comissão Nacional da Verdade e a “teoria dos dois demônios”. Revista Jurídica da Presidência, Brasília, v. 15 n. 105, p. 181-204, fev./maio 2013.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura no Brasil entre memória e história. In: MOTTA, Rodrigo Pato Sá. Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

ROCHA, Helenice. A Ditadura Militar (1964-1985) nas narrativas didáticas. Espacio, Tiempo y Educación, Salamanca, v. 2, n. 1, p. 97-120, jan./jun. 2015.

RÜSEN, Jörn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de metahistória. Revista História da Historiografia, Ouro Preto, n. 2, p. 163-209, mar. 2009.

TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir. O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n1p159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br