Juventude e contracultura: investigações sobre a consciência histórica de alunos da rede pública e privada

Ruhama Sabião

Resumo


Ao longo do século XX, com a chamada “Revolução Cultural”, as relações familiares, as concepções de valores sociais e morais, passam por uma transformação, começando a se destacar também as diferenças entre os adultos e os jovens. Pensando nisso, esse trabalho objetivou investigar a consciência histórica de alunos da rede pública e privada sobre juventude e contracultura, elaborando, posteriormente, um material didático acerca da temática. Para isso, foi aplicado um questionário comum aos alunos das duas redes de ensino, procurando analisar também as semelhanças e dissonâncias entre eles. Dentre muitas respostas, destaca-se que os alunos não se veem como sujeitos ativos em assuntos políticos, culturais e sociais, com responsabilidade sobre questões do presente. A expectativa foi que através das leituras historiográficas, fontes e documentos apresentados, os alunos ampliassem sua visão de mundo sobre o que é ser jovem, assumindo uma identidade e percebendo-se como agentes transformadores do lugar onde vivem.


Palavras-chave


Identidade; Juventude; Consciência histórica; Didática da História.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, Helena. Considerações sobre a tematização da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 5/6, p. 25-36, maio/dez. 1997.

ANASTASIA, Carla Maria Junho; RIBEIRO, Vanise Maria. Coleção de livros didáticos Encontros com a História (6º a 9º ano). 3 ed. Editora Positivo: Curitiba, 2012.

BITTENCOURT, Circe Fernandes. Livro didático e saber escolar (1810-1910). Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BRANDÃO, Antônio Carlos; DUARTE, Milton Fernandes. Movimentos culturais da juventude. São Paulo: Editora Moderna, 1990.

BRASIL. Lei nº 4.464, de 9 de Novembro de 1964. Dispõe sôbre os Órgãos de Representação dos Estudantes e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1964.

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de livros didáticos: PNLD 2014: história: ensino fundamental: anos finais. Brasília: Ministério da Educação: Secretaria de Educação Básica, 2013. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/programas-do-livro/livro-didatico/guiado-livro-didatico/item/4661-guia-pnld-2014. Acesso em: 24 out. 2018.

CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, set./dez. 2004.

COLÉGIO CASUCHA. Informações sobre o Colégio Casucha. Santo Antonio da Platina, 2018. Disponível em: http://www.colegiocasucha.com.br/. Acesso em: 24 out. 2018.

DAYRELL, Juarez. A Escola “Faz” as juventudes? reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, out. 2007.

ESCOLA SEM PARTIDO. Ementa: institui o “Programa Escola sem Partido”. 2018. Disponível em: https://www.programaescolasempartido.org/plfederal. Acesso em: 24 out. 2018

GASPARELLO, Arlette. O livro didático como referência de cultura histórica. In: MAGALHÃES, Marcelo; ROCHA, Helenice; GONTIJO, Rebeca (org.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. v. 1, p. 265-279.

HOBSBAWM, Eric. Revolução cultural. In: HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos: o breve século XX: 1941-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 314-336.

HUFFPOST BRASIL. Possível aumento provoca a ira do Movimento Passe Livre pelo Brasil e atos contra tarifas do transporte público podem voltar. Huffpost Brasil, 20 de novembro de 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2020.

INSTITUTO DURANGO DUARTE. Protesto de estudantes de Teatro - alunos da Escola Teatro Martins Penna, no Rio de Janeiro, protestam em favor da eleição direta para presidente. IDD, 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2020.

ISTO É. A mobilização que fustigou a ditadura. Isto é, 15 de junho de 2018. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2020.

MORENO, Jean. Limites, escolhas e expectativas: horizontes metodológicos para análise dos livros didáticos de história. Antíteses, Londrina, v. 5, n. 10, p. 717-740, jul./dez. 2012.

MUNAKATA, Kazumi. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. 1997. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Informações sobre o Colégio Tiradentes. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação, 2018. Disponível em: http://www.snptiradentes.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php? conteudo=. Acesso em: 24 out. 2018.

PASTDAILY. A Beatles Christmas – 1967 – Past Daily Pop Chronicles: Holiday Edition. Pastdaily, 25 de dezembro de 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2020.

PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. O que é contracultura. São Paulo: Brasiliense, 1983. PERROT, Michelle (org.). Da revolução francesa à primeira guerra. In: PERROT, Michelle. História da vida privada. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. v. 4, p. 162-173.

ROLLING STONE UOL. “Nós radicalizamos, mas a História nos deu razão”. Rolling Stone Uol, 29 de setembro de 2012. Disponível em: Acesso em: 29 jan. 2020.

RÜSEN, Jorn. Aprendizagem histórica: esboço de uma teoria. In: RÜSEN, Jorn. Aprendizagem histórica. Curitiba: W. A. Editores, 2012. p. 69-111.

THE MICROSCOPIC GIANT. 50th anniversary of The Beatles playing on The Ed Sullivan Show. The Microscopic Giant, 14 de fevereiro de 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n2p347

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br