Breve História do Brasil: a influência do Ratio Studiorum na escrita de padre Raphael M. Galanti

Ligia Bahia de Mendonça

Resumo


Investigar a disseminação da Ratio Studiorium, conjunto de normas criado para regulamentar o ensino nos colégios jesuíticos, através do livro didático Breve História do Brasil, tomado no estudo por fonte/objeto de pesquisa, que foi utilizado no ensino da disciplina de História do Brasil nos institutos da Companhia de Jesus no Brasil é o objetivo deste artigo. A obra, dedicada ao público escolar infantil, de autoria do Padre jesuíta Raphael Maria Galanti, foi publicada em 1913, pela editora Duprat& Comp., de São Paulo. A pesquisa reflete como o Padre Galanti, autor, também, de outras obras didáticas sobre a história pátria utilizadas nos colégios jesuítas, por meio da metodologia apresentada no impresso, recorre o Ratio Studiorium para seguir as normas e procedimentos que uniformizam o ensino jesuítico e, por razões políticas da Ordem, exerce influência desta instituição religiosa, mesmo em meios não católicos. O estudo apresenta, também, o livro didático como objeto privilegiado da cultura material escolar para apreender a pedagogia, o conteúdo e o currículo vigente nas escolas da Companhia de Jesus instalada no Brasil. A investigação dialoga com Viñao Frago e Escolano (1998), Diaz (2002) e Dominique Julia (2001) sobre cultura escolar. A pesquisa conclui que os livros do inaciano Padre Galanti, utilizados nas escolas jesuíticas, no final do século XIX e início do século XX, baseados na Ratio Studiorium, influenciou outras escrituras didáticas no sistema educacional brasileiro daquele momento.


Palavras-chave


Ratio Studiorium; Padre Raphael Maria Galanti; Livro Didático; História do Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Guilhermina Loureiro. História do Brasil. São Paulo: Typografia Augusto Siqueira, 1928.

BITTENCOURT, Circe. Autores e editores de compêndios e livros de leitura (1810-1910). Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 475-491, set./dez. 2004.

BULCÃO, Mario. História do Brasil. São Paulo: Typografia Magalhães, 1910.

ESCOLANO BENITO, Augustin. Patrimonio material de la escuela e historia cultural. Revista Linhas, 11(2), 13 – 28, 2010. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/2125. Acesso em 25 mar 2018

FARIA FILHO, Luciano Mendes; GONÇALVES, Irlen Antônio; VIDAL, Diana Gonçalves; PAULILO, Andre Luiz. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 139-159, jan./abr. 2004.

FONSECA, Joaquim da.Tipografia & Design gráfico: Design e produção de impressos e livros. Dados eletrônicos. – Porto Alegre: Bookman, 2008.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FRANCA, Leonel S. J. Ratio Studiorum: o método pedagógico dos jesuítas. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

GALANTI, Raphael Maria. (Discurso). Posse do pe. Rafael Galanti. Rio de Janeiro: RIHGB, 1897.

GALANTI, Raphael Maria. Breve história do Brasil: destinado às creanças do curso preliminar. São Paulo: Duprat, 1913.

HANSEN, João Adolfo. Ratio Studiorum e política católica ibérica no século XVII. In: VIDAL, Diana Gonçalves; HILSDORF, Maria Lúcia Spedo (org.). Tópicas em história da educação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. p. 13-41.

HÉRBRARD, Jean. A lição e o exercício: algumas reflexões sobre a história das práticas escolares de leitura e escrita. Educação. Santa Maria, v. 32 - n. 01, p. 11-20, 2007. pp. 11-20. Disponível em http://www.ufsm.br/ce/revista

HERNÁNDEZ DIAZ, Jose M. Etnografia e historia material de la escuela. In: BENITO, Augustín Escolano; DIAZ, Jose Maria Hernandez (coord.). La memória y el deseo cultura de la escuela y educación deseada. Valencia: Tirantlo Blanch, 2002.

JORNAL AURORA COLEGIAL. Nova Friburgo, 7 set. 1911.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-44, jan./jun. 2001.

KLEIN, Luiz Fernando. Restauração da Companhia de Jesus e da pedagogia jesuíta. JORNADA INTERNACIONAL DE INNOVACIÓN ACADÉMICA. Encuentro de Reflexión sobre Pedagogía Ignaciana. Universidad Rafael Landívar, Guatemala. Disponível em http://www.pedagogiaignaciana.com/Noticias/VerNoticia.aspx?IdNoticia=1039 Acesso em 03/06/2017.

LACERDA. Joaquim Maria. História do Brasil por perguntas e respostas. Rio de Janeiro: Francisco Alves & Cia., 1911.

MACEDO, Joaquim M. Lições de história do Brasil. Rio de Janeiro: H. Garnier, Livreiro e Editor, 1907.

MARTINS, Ana Luíza. Revistas em revista - imprensa e práticas culturais em tempos de República: São Paulo (1890-1922). São Paulo: Edusp: Fapesp: Imprensa Oficial do Estado, 2001.

MENDONÇA, Ligia Bahia. Educação jesuítica: marcas do primeiro projeto educacional brasileiro. Rio de Janeiro: UNESA, 2006.

MENDONÇA, Ligia Bahia. O silêncio da ação: jesuítas no Brasil pós-Reforma Pombalina. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

MUNAKATA, Kazumi. Livro didático como indício da cultura escolar. Revista História da Educação, Porto Alegre, v. 20, n. 50, p. 119-138, set./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/heduc/v20n50/2236-3459-heduc-20-50-00119.pdf. Acesso: 23 jan. 2018.

MUNAKATA, Kazumi. O livro didático como mercadoria. Pro-Posições, Campinas, v. 23, n. 3, p. 51-66, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010373072012000300004&la ng=pt. Acesso em: 15 jan. 2018.

RAZZINI, Márcia de Paula Gregório. Práticas de leitura e memória escolar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO – SBHE, 2., 2002, [Belo Horizonte]. Anais eletrônicos [...]. [Belo Horizonte]: SBHE, 2002. Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema3/0303.pdf. Acesso em: 15 nov. 2016.

RESUMO do Programma de Ensino. São Paulo: Duprat, 1912.

RIBEIRO, João. História do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1936.

SCHUELER, Alessandra Frota Marinez; CHAMON, Carla Simone;

VAZQUEZ, Grabiel. Ensinar história na escola primária oitocentista: o resumo da história do Brasil, de Maria Guilhermina Loureiro de Andrade. Gênero, Niterói, v. 11, p. 15-34, 2012.

SILVA, Alexandra Lima da. Ensino e mercado editorial de livros didáticos de História do Brasil – Rio de Janeiro (1870-1924). 2008. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008. Mimeo.

SILVA, Alexandra Lima da. Escritas de viagem, escritas da história: estratégias de legitimação de Rocha Pombo no campo intelectual. 2012. Tese (Doutorado em educação) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SIRINELLI, François. Os intelectuais. In: REMOND, René (org). Por uma nova história política. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2003.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: UNESP, 1998.

TOLEDO, Cézar de Alencar Arnaut de. Razão de estudos e razão política: um estudo sobre a Ratio Studiorum. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, Maringá, v. 22, p. 181-187, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v22i0.4160. Acesso em: 5 maio 2020.

VECHIA, Ariclê; LORENZ, Karl Michael (org.). Programa de ensino da escola secundária brasileira: 1850-1951. Curitiba: Ed. do Autor, 1998.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Do espaço escolar e da escola como lugar: propostas e questões. In: VIÑAO FRAGO, Antonio; ESCOLANO, Augustin Benito. Currículo, espaço e subjetividade. Rio de Janeiro: DPA, 1998. p. 59-141.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2020v26n1p282

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br