Ensino de História e desenvolvimento do pensamento histórico nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Eleta Carvalho Freire, Dayse Kássia Silva Amorim, Laís Almeida Souza

Resumo


A pesquisa cujos resultados são apresentados neste artigo teve como objetivo conhecer a apropriação que estudantes do 5º ano do ensino fundamental têm sobre as noções de temporalidade histórica. A investigação contou com apoio de pesquisas que, ao discutirem o ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental, destacam a relevância da articulação entre o desenvolvimento do pensamento histórico da criança e o ensino dos conhecimentos históricos. Foi desenvolvida em uma escola da rede pública municipal na cidade do Jaboatão dos Guararapes, situada na Região Metropolitana do Recife na qual realizamos observações de aulas, entrevista com a professora e aplicação de um exercício aos estudantes. Os dados foram analisados a partir dos referenciais da análise temática, propostos por Bardin (1977) para a análise do conteúdo das comunicações. Os resultados apontaram que os estudantes compreendem o tempo apoiando-se em sua dimensão cronológica e linear e, ainda assim, a sequenciação de fatos depende da presença de elementos concretos e apresentados de forma ordenada. Por outro lado, o entendimento sobre a relação de simultaneidade entre acontecimentos mostrou-se limitado a eventos do tempo presente, sem a percepção da simultaneidade entre fatos do passado. Assim, inferimos que o entendimento sobre a temporalidade histórica estaria em fase inicial de construção, uma vez que a noção de tempo cronológico e linear é predominante na assimilação revelada pelas crianças.


Palavras-chave


Ensino de história; Aprendizagem histórica; Temporalidade histórica; Desenvolvimento do pensamento histórico

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, Maria José Milharezi. Pedagogia cidadã: cadernos de formação: ensino de história. São Paulo: UNESP, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida. O tempo histórico no ensino fundamental. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED GT ENSINO FUNDAMENTAL, 23., 2000, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: ANPED, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: história e geografia: ensino fundamental. Brasília: MEC, 1997.

CAINELLI, Marlene. Educação histórica: perspectivas de aprendizagem da história no ensino fundamental. Educar em Revista, Curitiba, v. 22, p. 57-72, 2006.

CAVALCANTI, Erinaldo. Pernambuco de muitas histórias: história do Estado de Pernambuco. São Paulo: Moderna, [2011].

CONCEIÇÃO, Maria Telvira da. O trabalho em sala de aula com a história e a cultura afrobrasileira no ensino de história. In: OLIVEIRA, M.M.D. História: ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação, 2010. (Coleção Explorando o Ensino, v. 21).

COOPER, Hilary. Aprendendo e ensinando sobre o passado a crianças de três a oito anos. Educar em Revista, Curitiba, p. 171-190, 2006.

CORRÊA, Rosa Lydia Teixeira.. Sobre a permanência de práticas pedagógicas ao longo do tempo histórico. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 5, n. 14, p. 1-11, jan./abr. 2005. Disponível em: www.periodicoscapes.gov.br. Acesso em: 1 abr. 2015.

FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática de ensino de história. Campinas: Papirus, 2003.

FREITAS, Itamar. A experiência indígena no ensino de História. In:

OLIVEIRA, M.M.D. História: ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação, 2010. (Coleção Explorando o Ensino, v. 21).

MIRANDA, Sonia Regina. Estranhos passados encontrados em um museu: a criança e seus olhares sobre o tempo desconhecido. Cad. Cedes, Campinas, v. 30, n. 82, p. 369-382, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v30n82/07.pdf. Acesso em: 1 abr. 2015.

NEMI, Ana Lúcia L.; MARTINS, João Carlos. Didática de história: o tempo vivido: uma outra história?. São Paulo: Editora FTD, 1996.

OLIVEIRA, Sandra Regina Ferreira. O tempo, a criança e o ensino de história. In: ZAMBONI, E.; ROSSI, V.L.S. (org.). Quanto tempo o tempo tem!. Campinas: Alínea, 2005.

PERNAMBUCO. Secretaria de Educação. Parâmetros para a educação básica do estado de Pernambuco: história. Recife: Secretaria de Educação, 2013.

RECIFE. Secretaria de Educação. Política de ensino da rede municipal do Recife: ensino fundamental do 1º ao 9º ano. Recife: Secretaria de Educação, 2015.

SCALDAFERRI, Dilma Célia Mallard. Concepções de tempo e ensino de história. Londrina. História e ensino, Londrina, v. 14, p. 53-68, ago. 2008. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/viewFile/11522/10227. Acesso em: 23 jan. 2015.

SILVA, Marcos Antônio da; FONSECA, Selva Guimarães. Ensino de História hoje: errâncias, conquistas e perdas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 31, n. 60, p. 13-33, 2010.

SIMAN, Lana Mara de Castro. A temporalidade histórica como categoria central do pensamento histórico: desafios para o ensino e a aprendizagem. In: ZAMBONI, E.; ROSSI, V. L. S. (org.). Quanto tempo o tempo tem!. Campinas: Alínea, 2005.

VESENTINI, J. Willian; MARTINS Dora; PÉCORA Marlene. Ápis: história 5º ano. São Paulo: Editora Ática, [2011].

ZAMBONI, Ernesta; FONSECA, Selva Guimarães. Contribuições da literatura infantil para a aprendizagem de noções do tempo histórico: leitura e indagações. Cad. Cedes, Campinas, v. 30, n. 82, p. 339-353, 2010.

ZAMBONI, Ernesta; OLIVEIRA, Sandra Regina Ferreira. O espaço e o tempo no processo de ensinar e aprender história na sala de aula. História Revista, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 115-128, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2020v26n1p200

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br