A Ditadura de 1964-1985 na iniciação à docência: o ensino entre o dever de memória e as disputas midiáticas

Walter Francisco Figueiredo Lowande, Vinícius Pedro Fonseca, Pedro Otávio Carvalho Fernandes

Resumo


Propomos algumas reflexões teóricas sobre os desafios de se ensinar a história da ditadura de 1964-1985 em meio às guerras de memória sobre o período que se processam nas mídias eletrônicas. Esse debate relaciona-se de maneira relevante com as discussões a respeito dos problemas envoltos no tema da história pública e da mídia-educação. Em seguida, apresentamos algumas das experiências e conclusões que desenvolvemos a este respeito a partir de ações desenvolvidas no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência em 2017.

Palavras-chave


Ditadura de 1964-1985; Guerras de memória; Mídia-educação

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. [S.l.], [1947]. Disponível em: https://nupese.fe.ufg.br/up/208/o/fil_dialetica_esclarec.pdf?1349572420. Acesso em: 03 jul. 2017.

BAGGIO, K. G. Conexões ultraliberais nas Américas: o think-tank norteamericano Atlas Network e suas vinculações com organizações latinoamericanas. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DA ANPHLAC, 12., 2016, Campo Grande. Anais [...]. Campo Grande, MS, 2016.

BAUMAN, Z. Modernidade e holocausto. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1998.

BÉVORT, E.; BELLONI, M. L. Mídia-educação: conceitos, história e perspectivas. Educação Social, Campinas, v. 30, n. 109, p. 1081-1102, set./dez. 2009.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2004. v. 1.

FICO, C. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 5-74, jan./abr. 2017.

GUMBRECHT, H. U. Modernização dos sentidos. São Paulo: Editora 34, 1998.

IBGE. Brasil em síntese, panorama da cidade de Alfenas, Minas Gerais. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/alfenas/panorama. Acesso em: 28 dez. 2017.

INEP. Sinopse estatística da Educação Básica 2016. Brasília: INEP, 2017.

INTERNATIONAL COALITION OF SITES OF CONSCIENCE. “Sobre nós”. 2017. Disponível em: http://www.sitesofconscience.org/pt/sobre-nos/. Acesso em: 28 dez. 2017.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

MALERBA, J. Acadêmicos na berlinda ou como cada um escreve a História?: uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre Public History. História da historiografia, Ouro Preto, n. 15, p. 27-50, ago. 2014.

MALERBA, J. Os historiadores e seus públicos: desafios ao conhecimento histórico na era digital. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 37, n. 74, p. 135-154, 2017.

MATTOS, M. B. O governo João Goulart: novos rumos da produção historiográfica. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 28, n. 55, p. 245- 263, 2008.

MELO, D. B. Ditadura “civil-militar”?: controvérsias historiográficas sobre o processo político brasileiro no pós-1964 e os desafios do tempo presente. Espaço plural, v. 13, n. 27, pp. 39-53, Jul./Dezembro 2012.

MÉSZÁROS, I. O século XXI: socialismo ou barbárie. São Paulo: Boitempo, 2003.

NAPOLITANO, M. O golpe de 1964 e o regime militar brasileiro: apontamentos para uma revisão historiográfica. Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 209-217, 2011.

PEREIRA, M. H. F. Nova direita? Guerras de memória em tempos de Comissão da Verdade (2012-2014). Varia Historia, Belo Horizonte, v. 31, n. 57, p. 863-902, set./dez. 2015.

PEREIRA, M. H. F.; HERMETO, M. Justa memória, dívida, ética e passadospresentes dolorosos: questões a partir da análise de interpretações sobre a Ditadura Militar Brasileira (1964-1985) em livros didáticos de história. In MAIA, T. A.; ALVES, L. A. M.; HERMETO, M.; RIBEIRO, C. S. P. (Orgs.). (Re)Construindo o passado: o papel insubstituível do ensino da História. Porto Alegre: EdiPUCRS; Porto: CITCEM, 2016.

PEREIRA, M. H. F.; PEREIRA, A. C. I. Os sentidos do golpe de 1964 nos livros didáticos de história (1970-2000): entre continuidades e descontinuidades. Tempo, v. 16, n. 30, pp. 197-220, 2011.

PINTO, A.; MÓDOLO, L. Big Data e a espoliação algorítmica dos dados: novos meios para uma velha dominação. Blog da Boitempo, 11 outubro 2017. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2017/10/11/big-data-e-aespoliacao-algoritmica-dos-dados-novos-meios-para-uma-velha-dominacao/. Acesso em: 26 dez. 2017.

REIS FILHO, Daniel Aarão. (org.). Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Perseu Abramo, 1997.

ROCHA, H. A Ditadura Militar (1964-1985) nas narrativas didáticas brasileiras. Espacio, Tiempo y Educación, v. 2, n. 1, p. 97-120, 2015.

SEIGEL, M. Beyond compare: comparative method after the transnational turn. Radical History Review, v. 91, p. 62-90, Inverno 2005. WAGNER, R. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

WEINSTEIN, B. Pensando a história fora da nação: a historiografia da América Latina e o viés transnacional. Revista eletrônica da ANPHILAC, n. 14, p. 9-36, jan./jun. 2013.

WERNER, M.; ZIMMERMANN, B. Pensar a história cruzada: entre empiria e reflexividade. Textos de História, v. 11, n. 1/2, p. 89-127, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n1p353

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br