O ensino híbrido nas aulas de História nos Anos Finais do Ensino Fundamental: impactos e transformações no processo de aprendizagem

Samanta Trivilin Comiotto

Resumo


As rápidas mudanças que ocorrem na sociedade atual levam a escola a repensar suas práticas para adequar-se a modelos cognitivos que se encaixem as necessidades sociais exigidas aos sujeitos pertencentes a ela. Neste sentido, as metodologias do ensino híbrido trazem novas possibilidades para a produção do conhecimento e para a significação da aprendizagem dos educandos “nativos virtuais”. Unir o ensino de história que, possui em seu caráter primeiro, o objetivo de formar cidadãos pensantes e atuantes na sociedade com base na análise das ações humanas ao longo do tempo, a novas formas de significar o passado podem contribuir para um processo de aprendizagem de maior qualidade e relevância.

Palavras-chave


Ensino híbrido; História; Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (org.). Ensino híbrido: personificação e tecnologia da educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BECKER, Fernando. Para uma pedagogia da ação e a Educação 3.0. In:CARVALHO, Mônica Timm de (org.). Educação 3.0: novas perspectivas para o ensino. São Leopoldo: Ed. UNISINOS; Porto Alegre: SINEPE, 2017, p. 25 a 44.

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

BERLEZZI, Fernando L. C. Formação de professores de educação básica para uso de linguagem híbrida: a importância do roteiro de audiovisual no processo de ensino-aprendizagem. 2017. Dissertação (Mestrado) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2017.

BITTENCOURT, Circe (org.) O saber histórico na sala de aula. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

CARVALHO, Mônica Timm de (org.). Educação 3.0: novas perspectivas para o ensino. São Leopoldo: Ed. UNISINOS; Porto Alegre: SINEPE, 2017.

CAVALCANTE, Maria da Paz. Ensinar e aprender história na relação dialética entre interpretação e consciência histórica crítica. 2014. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2014.

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

ECCO, Idanir. O ensino de história: evidências e tendências atuais. Revista Ciências Humanas, Rio de Janeiro, v. 8, n. 10, p. 123-141, jun. 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIL, Carmem Z. de Vargas; ALMEIDA, Dóris B. Práticas pedagógicas em história: espaço, tempo e corporeidade. Erechim: Edelbra, 2012.

HELENE, Daniel V. A história, seu ensino e sua aprendizagem: conhecimentos prévios e o pensar historicamente. 2016. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

LENGEL, James G. A evolução da educação: 1-2-3. In: CARVALHO, Mônica Timm de (org.). Educação 3.0: novas perspectivas para o ensino. São Leopoldo: Ed. UNISINOS; Porto Alegre: SINEPE, 2017, p. 45 a 62.

LUCHESE, Terciane Ângela. Modos de fazer história da educação: pensando a operação historiográfica em temas regionais. História e Educação, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 145-161, maio/ago. 2014.

MARIA, Noemi A. O currículo e o ensino de história nos anos finais do ensino fundamental. 2012. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MARIN, Marilú Favarin; SCHMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos. Relação teoria e prática na formação de professores de história: experiências de laboratórios de ensino no Brasil e da associação de professores de história em Portugal (1980-2010). In: ENCONTRO NACIONAL DOS PESQUISADORES DO ENSINO DE HISTÓRIA, 9., 2011. Florianópolis. Anais Eletrônicos [...]. Florianópolis: [UFSC], 2011.

MARTINS, Lilian C. B. Implicações da organização da atividade didática com uso de tecnologias digitais na formação de conceitos em uma proposta de ensino híbrido. 2016. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

MORAN, José. Como transformar nossas escolas. In: CARVALHO, Mônica Timm de (org.). Educação 3.0: novas perspectivas para o ensino. São Leopoldo: Ed. UNISINOS; Porto Alegre: SINEPE, 2017, p. 63 a 91.

MORAN, José. Educação híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (org.). Ensino híbrido: personificação e tecnologia da educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 27 a 45.

PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Novos temas nas aulas de história. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

RODRIGUES, Eric Freitas. A avaliação e a tecnologia: a questão da verificação de aprendizagem no modelo de ensino híbrido. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (org.). Ensino híbrido: personificação e tecnologia da educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 123 - 140.

SANTOS, Glauco de Souza. Espaços de aprendizagem. In: BACICH, Lilian;

TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (org.). Ensino híbrido: personificação e tecnologia da educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 103 - 120.

SCHNEIDER, Fernanda. Otimização do espaço escolar por meio do modelo de ensino híbrido. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (org.). Ensino híbrido: personificação e tecnologia da educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 67 - 80.

SOARES, Eliana Maria Sacramento; LUCHESE, Terciane Ângela. A sala de aula no presente- passado: dois olhares, uma reflexão. Revista Intersaberes, Curitiba, v. 10, n. 21, set./dez. 2015.

YAMAMOTO, Iara. Metodologias ativas de aprendizagem interferem no desempenho de estudantes. 2016. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2020v26n1p244

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br