Eugenia, educação e saber médico: o discurso eugênico na I Conferência Nacional de Educação (1927)

Alexandre Alves, Audrei Rodrigo da Conceição Pizolati

Resumo


O objetivo deste artigo é problematizar como o discurso eugênico no Brasil esteve vinculado à educação a partir da análise da I Conferência Nacional de Educação realizada em Curitiba em 1927, além de outros documentos do período. Fundamentado numa análise documental, num primeiro momento realizou-se um estudo sobre o tema eugenia e educação presentes em teses, dissertações e artigos. Diante disso, o artigo analisa o debate em torno de temas como a “degeneração”, a miscigenação, as teorias da hereditariedade, a relação entre eugenia e higienismo e a questão da educação eugênica. Argumenta-se que a escola foi uma das principais formas de circulação do discurso eugênico entre diferentes camadas sociais. Com a função de forjar o sujeito para a plena consciência eugênica do melhoramento da espécie e do corpo social, a eugenia foi enaltecida em diversas teses apresentadas na I CNE, denotando claramente sua assimilação pelos educadores da época.


Palavras-chave


Educação-eugênica; Mestiçagem; Saber médico

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTO, Armanda Álvaro. A escola regional de Meriti – uma tentativa de escola moderna. In: COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997. p. 446-450.

ARAGÃO, João Maurício M. Assistência médica à infância escolar. In: COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997. p. 451-455.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO. A atividade da Associação Brasileira de Educação durante o ano de 1927. Relatórios das seções. In: COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997. p. 78-98.

BLACK, Erdwin. War Against the weak. Eugenics and america´s campaign to create a master race. New York: Four Walls Eught Windows, 2003.

BONFIM, Paulo Ricardo. A educação no movimento eugênico brasileiro (1917-1933). 2013. 169 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade São Francisco, Itatiba, 2013.

BRASIL. Lei de 15 de outubro de 1827. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1878. (Coleção de Leis do Império do Brasil de 1827, v. 1, pt I).

CARVALHO, Leonardo Dallacqua de; SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Continuidades e rupturas na história da eugenia: uma análise a partir das publicações de Renato Kehl no Pós-Segunda Guerra Mundial. Perspectiva, Florianópolis, v. 35, n. 3, p. 887-910, jul./set. 2017. Disponível em: https://bityli.com/bLmyt. Acesso em: 12 nov. 2018.

CASTAÑEDA, Luiza Aurélia. Apontamentos historiográficos sobre a fundamentação biológica da Eugenia. Episteme, Tubarão, v. 3, n. 5, p. 23- 48, 1998.

COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997.

DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil (1917- 1945). Tradução de Claudia Sant´Anna Martins. São Paulo: Unesp, 2006.

DOMINGUES, Octavio. Eugenia: seus propósitos, suas bases, seus meios em cinco lições. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1933.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos. Curso no Collège de France (1979-1980). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros. Curso no Collège de France (1982-1983). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

GOUVÊA FILHO, Pedro. E. Roquette-Pinto, o antropólogo e educador. Rio de Janeiro: MEC/ Ince, 1955. (Conferência pronunciada na Associação Brasileira de Educação, na sessão de 18 de abril de 1955).

HOCHMAN, Gilberto; LIMA, Nísia Trindade; CHOR MAIO, Marcos. The path of eugenics in brazil: dilemmas of miscegenation. In: BASHFORD, Alison; LEVINE, Philippa (ed.). The Oxford handbook of the history of eugenics. Oxford: Oxford University Press, 2010. p. 493-510.

HUERTA, Luis. Os fundamentos científicos da eugenia. Boletim de Eugenia, Piracicaba, v. 8, p. 1-3, 1929.

KEHL, Renato Ferraz. A cura da fealdade: eugenia e medicina social. São Paulo: Monteiro Lobato & Co. Editora, 1923.

KEHL, Renato Ferraz. Brazil médico. Rio de Janeiro: [s. n.], 1921. KEHL, Renato Ferraz. Lições de eugenia. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1929.

KEHL, Renato Ferraz. Os erros da filantropia. Boletim de Eugenia, Piracicaba, v. 3, n. 32, p. 1, 1931.

KEHL, Renato Ferraz. Sexo e civilização: aparas eugênicas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1933.

KERN, Gustavo. “Educar é eugenizar”: racialismo, eugenia e educação no Brasil (1870-1940). 2016. 208 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Porto Alegre, 2016.

KEVLES, Daniel. In the name of eugenics: genetics and the uses of human heredity. Berkeley: University of California Press, 1985.

KINOSHITA, Carolina Toshie. Um D. Quixote científico a pregar uma legião de panças: manuais de higiene a sombra da eugenia. (1923-1936). 2013. 192 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

LACERDA, João Batista. Sur les métis au Brésil. In: PREMIER CONGRÈS UNIVERSEL DES RACES, 1911, Paris. Anais […]. Paris: Imprimérie Devouge, 1911.

LEVINE, Philippa. Eugenics: a very short introduction. New York: Oxford University Press, 2017.

LÓPEZ GUÁZO, Laura Suárez. Eugenesia y racismo em México. México: Universidad Autónoma de México, 2005.

MAGALHÃES, Fernando. Pró eugenismo. Bahia: Editora Tipografia de São Francisco, 1913.

MAYR, Ernst. The growth of biological thought: diversity, evolution and inheritance. Cambridge: The Belknap Press, 1982.

MONARCHA, Carlos. Brasil arcaico, escola nova: ciência, técnica & utopia nos anos 1920-1930. São Paulo: Editora UNESP, 2009. MORAES, Deodato de. A escola nova. In: COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997. p. 607-611.

MOTA, André. Quem é bom já nasce feito: sanitarismo e eugenia no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003.

MOTA, André; MARINHO, Maria Gabriela S. M. (org.). Eugenia e história: ciência, educação e regionalidades. São Paulo: USP, Faculdade de Medicina, UFABC, Universidade Federal do ABC, CD.G Casa de Soluções e Editora, 2013.

MUNARETO, Geandra Denardi. Por uma nova raça: pensamento médico eugênico no Rio Grande do Sul (1920-1940). 2013. 182 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

NICOLAU, Meira de Angelis. Pela perfeição da raça brasileira. In: COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997. p. 437-445.

PADILHA, Celina. Sobre a educação sexual. In: COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997. p. 428-433.

PENNA, Belisário. O ensino da genética nas escolas primárias. Boletim de Eugenia, Piracicaba, ano 1, n. 11, p. 1-4, nov. 1929.

PENNA, Belisário. Por que se impõe a primazia da educação higiênica escolar. In: COSTA, Maria José Ferreira franco; SHENA, Denílson Roberto; SHIMIDT, Maria Auxiliadora. I Conferência nacional de educação (1927). Brasília: MEC: IPARDES, 1997. p. 29-33.

PENNA, Belisário. Prefácio. In: KEHL, Renato F. Eugenía e medicina social (problemas da vida). Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1923. p. IIIIV.

PIZOLATI, Audrei Rodrigo da Conceição. DISCURSO EUGÊNICO NA I CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO (1927, CURITIBA/PR – BRASIL). 2018. 199 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de PósGraduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2018. Disponível em: https://bityli.com/vs644. Acesso em: 20 jun. 2018.

PROCTOR, Robert. Racial hygiene: medicine under the nazis. Cambridge: Harvard University Press, 1988.

PROVINE, William. Geneticists and race. American Zoologist, Utica, v. 26, n. 3, p. 857-887, 1986.

PROVINE, William. Geneticists and the biology of race crossing. Science, New York, v. 182, n. 4114, p. 790-796, 1973.

ROCHA, Simone. A educação como ideal eugênico: o movimento eugenista e o discurso educacional no Boletim de Eugenia 1929-1933. Cadernos de Pesquisa: pensamento educacional, Curitiba, v. 6, n. 13, p. 162-177, 2011.

ROCHA, Simone. Eugenia no Brasil: análise do discurso “científico” no Boletim de Eugenia: 1929-1933. 2010. 112 f. Tese (Doutorado em História da Ciência) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Acta da sessão inaugural. In: I CONGRESSO BRASILEIRO DE EUGENIA. Actas e trabalhos. Rio de Janeiro: s. n°, 1929. v.1. 342, p. 613.94 C76. reg. 8328/06 ex.3. Rio de Janeiro, 1929. p. 305- 308.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Ensaios de antropologia brasiliana. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1933. (Biblioteca Pedagógica Brasileira, série V, Coleção Brasiliana, v. 22).

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Os fundamentos biológicos da sociologia. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 25 mar. 1936.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Prometheus: or, biology and the advancement of man. Boletim de Ariel, Rio de Janeiro, n. 1, p. 31-33, out. 1931. SAMPAIO, Alberto José. O ensino de genética nas escolas primarias. Boletim de Eugenia, Piracicaba, v. 1, n. 11, p. 1-4, 1929.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. As idéias eugênicas no Brasil: ciência, raça e projeto nacional no entreguerras. Revista Eletrônica História em Reflexão, Dourados, v. 6, n. 11, jan./jun. 2012. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/historiaemreflexao/article/viewFile/1877/1 041. Acesso em: 16 jan. 2018.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Ciência e miscigenação racial no início do século XX: debates e controvérsias de Edgard Roquette-Pinto com a antropologia física norte-americana. História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 597-614, jul./set. 2016. Disponível em: https://bityli.com/fdlg4. Acesso em: 1 jan. 2018.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Política biológica como projeto, a eugenia negativa e a construção da nacionalidade na trajetória de Kehl. 1917/1932. 2006. 220 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Programa de Pós-Graduação em História das Ciências da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz, RJ, 2006.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Por uma nação eugênica: higiene, raça e identidade nacional no movimento eugênico brasileiro dos anos 1910 e 1920. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 146-166, jul./dez. 2008. Disponível em: www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=74. Acesso em: 21 jun. 2016.

STEPAN, Nancy Leys. The hour of eugenics: race, gender, and nation in Latin America. Ithaca: Cornell University Press, 1991.

WEGNER, Robert. Dois geneticistas e a miscigenação. Octavio Domingues e Salvador de Toledo Piza no movimento eugenista brasileiro (1929-1933). Varia História, Belo Horizonte, v. 33, v. 61, p. 79-107, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/vh/v33n61/1982-4343-vh-33-61-00079.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n1p427

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br