Porque vocês não sabem do lixo ocidental: ensino de história da educação e a “questão do outro”

Ana Luiza Jesus Costa

Resumo


O presente artigo é fruto de reflexão teórica sobre uma experiência pedagógica realizada durante os anos de 2016 e 2017 com a disciplina de História da Educação I – história geral da educação, ainda em andamento, no curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. A experiência partiu do questionamento sobre a centralidade do chamado “mundo ocidental” presente no programa oficial da disciplina. Diante desta problematização propusemos uma abordagem alternativa para história geral da educação calcada nos encontros entre povos e diálogos entre culturas, tomando como eixo a discussão sobre a alteridade. O exercício teórico aqui apresentado amplia o universo da experiência em questão, buscando investigar a perspectiva formativa vigente nos cursos de história geral da educação oferecidos aos licenciandos em Pedagogia nas três Universidades estaduais paulistas: Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (UNESP) e Universidade de Campinas (UNICAMP). Para tanto, trabalhamos com as ementas dos cursos analisados em três aspectos estruturais: objetivos; conteúdo programático e referências bibliográficas. Foi possível constatar e discutir, nos limites postos por essas fontes, a permanência de marcas eurocêntricas nas abordagens de história geral da educação no universo investigado.

Palavras-chave


História geral da educação; Mundo ocidental; Alteridade

Texto completo:

PDF

Referências


BERNAL, Martin. A Atena negra: as raízes afro-asiáticas da civilização clássica. Barcelona: Crítica, 1993. BORGES, Márcio. Os sonhos não envelhecem. São Paulo: Geração Editorial, 1996.

BRASIL. Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10.639.htm. Acesso em: 25 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 2010/2008/Lei/L11645.htm. Acesso em: 25 mar. 2018.

BRAUDEL, Fernand. O espaço e a história no Mediterrâneo. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1988.

CANTON, Ciro Augusto Pereira. “Nuvem no céu e raiz”: romantismo revolucionário e mineiridade em Milton Nascimento e no Clube da Esquina (1970-1983). 2010. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, 2010.

EAGLETON, Terry. Versões de cultura. In: EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: UNESP, 2005.

GALEANO, Eduardo. Caminos de alta fiesta. In: GALEANO, Eduardo. Espejos: uma historia casi universal. Buenos Aires: Siglo XXI Editores, 2008. p.6-7.

GILROY, Paul. O atlântico negro. São Paulo: Editora 31, 2001. GOODY, Jack. O roubo da história: como os europeus se apropriaram das ideias e invenções do Oriente. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

HOUTONDJI, Paulin J. Conhecimento de África, conhecimento de africanos: duas perspectivas sobre os estudos africanos. In: SANTOS, Boa Ventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do sul. Coimbra, Portugal: Edições Almedina, 2009.

LARAIA, Roque de Barros. Da natureza da cultura, ou da natureza à cultura. In: LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. p. 9-64.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boa Ventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

SAID, Edward. Introdução. In: SAID, Edward. Cultura e imperialismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. p. 9- 34.

SANTOS, Boa Ventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: SANTOS, Boa Ventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

SLENES, Robert. A importância da África para as ciências humanas. História Social, Campinas, n. 19, 2010.

STAVANS, Ilan. O que é civilização. São Paulo: Studio Nobel, 2004.

TODOROV, Tzevetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: EDUEL, 2012.

UNESP – UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Faculdade de Ciências. Programa de ensino do curso de Licenciatura em Pedagogia, História da Educação. Bauru: UNESP, 2015. Disponível em: https://www.fc.unesp.br/Home/Cursos/Pedagogia/planos-de-ensino3003.pdf. Acesso em: 10 de junho de 2018.

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Faculdade de Ciência e Tecnologia. Programa de ensino do curso de Licenciatura em Pedagogia, História da Educação 1. Presidente Prudente: UNESP, 2018. Disponível em: https://drive.google.com/drive/folders/1W2HEftBdZ_67GeWM9m3da3avEPx CVoCf. Acesso em: 10 jun. 2018.

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Instituto de Biociência de Rio Claro. Programa de ensino do curso de Licenciatura em Pedagogia, História da Educação Antiga e Medieval. Rio Claro: UNESP, 2011a. Disponível em: http://ib.rc.unesp.br/Home/Instituicao/DivisaoTecnicaAcademica/SecaodeGraduacao/historia-da-educacao-antiga-e-medieval---22.08.11.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Instituto de Biociência de Rio Claro. Programa de ensino do curso de Licenciatura em Pedagogia, História da Educação Moderna e Contemporânea. Rio Claro: UNESP, 2011b. Disponível em: http://ib.rc.unesp.br/Home/Instituicao/DivisaoTecnicaAcademica/SecaodeGraduacao/historia-da-educacao-moderna-e-contemporanea---22.08.11.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Plano de ensino do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia, História da Educação 1. Araraquara: UNESP, 2017. Disponível em: http://www.fclar.unesp.br/Home/Graduacao/ced0134---2017.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

UNICAMP. Curso de Licenciatura em Pedagogia. Grade curricular. Disponível em: https://www.dac.unicamp.br/sistemas/catalogos/grad/catalogo2018/coorde nadorias/0006/0006.html#EP110. Acesso em: 10 jun. 2018.

USP – UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Educação. Curso de Licenciatura em Pedagogia. História da Educação 1. São Paulo: USP, 2017. Disponível em: https://uspdigital.usp.br/jupiterweb/jupDisciplina?sgldis=EDF0119&verdis= 4. Acesso em: 10 jun. 2018.

VIDAL, Diana Gonçalves; FARIA FILHO, Luciano Mendes. História da educação no Brasil: a constituição histórica do campo. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 23, n. 45, p. 37-70, 2003.

WARDE, Mirian; CARVALHO, Marta Maria Chagas. Política e cultura na produção da história da educação no Brasil. Contemporaneidade e Educação, Rio de Janeiro, ano 5, n. 7, p. 9-33, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n1p305

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br