“A serviço de Deus e meu”: A formação do letrado no Império Português reinado de D. João III

Luciana de Araújo Nascimento-Guaraldo, Célio Juvenal Costa, Sezinando Luiz Menezes

Resumo


No trabalho temos o objetivo de tratar sobre a reforma empreendida na Universidade de Coimbra durante o reinado de D. João III (1521-1557). Intencionamos destacar a relação entre a reforma institucional e a propagação da fé católica no Império por meio da formação dos letrados portugueses. Por meio dos aportes metodológicos de Elias (1994) e Paiva (2012) buscamos pontuar o papel social da Universidade enquanto instituição formada por indivíduos inseridos dentro de uma conjuntura social marcada pela religiosidade cristã do século XVI. Conjecturamos que a reforma da Universidade de Coimbra no reinado de D. João III possa ser relacionada à proposta de formação do perfil de um novo letrado, o letrado que pudesse contribuir, mediante as ações desempenhadas na extensão das possessões portuguesas de além-mar, na conservação, manutenção e expansão daquela forma de sociedade organizada e conduzida pelo Padroado Régio. Além disso, a reforma da Universidade pode ser compreendida como um mecanismo de controle do absolutismo régio do período.


Palavras-chave


Reforma universidade de coimbra; Formação do letrado; Padroado régio; Religiosidade cristã; Mecanismo de controle

Texto completo:

PDF

Referências


ACTAS DOS CONSELHOS DA UNIVERSIDADE DE 1537 A 1557. Volume I. Publicado por Mário Brandão. Coimbra: A. U. C., 1941.

ACTAS DOS CONSELHOS DA UNIVERSIDADE DE 1537 a 1557. Volume II, Parte I. Publicado por Mário Brandão. Coimbra: A.U. C., 1951.

ACTAS DOS CONSELHOS DA UNIVERSIDADE DE 1537 A 1557. Volume. II, Parte II. Publicado por Mário Brandão. Coimbra: A.U. C., 1955.

ACTAS DOS CONSELHOS DA UNIVERSIDADE DE 1537 A 1557. Volume II, Parte III. Publicado por Mário Brandão. Coimbra: A.U. C.,1969.

BLOCH, M. Apologia da História, ou o ofício de historiador. Trad. de André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CASTANHEDA, Fernão Lopes de. História do descobrimento e conquista da Índia pelos Portugueses. Livro VI. Edição de (1554). Typografhia Rollandiana (1833). Disponível em: https://archive.org/details/historiadodescob01castuoft. Acesso em: 25. abr. 2017.

COSTA, Célio Juvenal. O rei D. João III (1521-1557) e a construção da Sociedade de Corte em Portugal (2014). Disponível em: www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/.../Celio_Juvenal_Costa.pdf Acesso em: 15. abr. 2015

DIAS, José Sebastião da Silva. A política cultural da época de D. João III. Volume segundo II. Coimbra: Universidade de Coimbra, (1969).

DIAS, José Sebastião da Silva. Os descobrimentos e a problemática cultural do século XVI. Porto: Editorial Presença, 1982.

DOCUMENTOS DE D. JOÃO III. Volume I. Publicado por Mário Brandão. Coimbra, 1937.

DOCUMENTOS DE D. JOÃO III. Volume II. Publicado por Mário Brandão. Coimbra, 1938.

DOCUMENTOS DE D. JOÃO III. Volume III. Publicado por Mário Brandão. Coimbra, 1939.

DOCUMENTOS DE D. JOÃO III. Volume IV. Publicado por Mário Brandão. Coimbra, 1941.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do Estado e civilização. Vol. 2. Traduação: Ruy Jungmann; revisão, apresentação e notas, Renato Janine Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Organizado por Michel Schroter. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: um história dos costumes. Vol. 1 Tradução: Ruy Jungmann; revisão e apresentação Renato Janine Ribeiro. 2.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

ESTATUTOS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA (1559) com introdução e notas históricas e críticas de Serafim Leite. Coimbra: Por Ordem da Universidade, 1963.

FONSECA, Fernando Taveira. As finanças (Universidade de Coimbra). IN: HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE EM PORTUGAL (1537-1771). Vol. I, Tomo II. Coimbra: Universidade de Coimbra e Fundação Calouste Gulbenkian, (1997a).

FONSECA, Fernando Taveira. Universidade de Coimbra. IN: HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE EM PORTUGAL (1537-1771). Vol. I, Tomo II. Coimbra: Universidade de Coimbra e Fundação Calouste Gulbenkian, (1997b).

MAGALHÃES, Joaquim Romero. A Universidade e a Inquisição. IN: HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE EM PORTUGAL (1537-1771). Vol. I, Tomo II. Coimbra: Universidade de Coimbra e Fundação Calouste Gulbenkian, (1997).

OLIVEIRA, Antonio. O quotidiano da academia. IN: HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE EM PORTUGAL (1537-1771). Vol. I, Tomo II. Coimbra: Universidade de Coimbra e Fundação Calouste Gulbenkian, (1997).

PAIVA, José Maria. Religiosidade e cultura brasileira séculos XVI-XVII. Prefácio Célio Juvenal Costa. Maringá: Eduem, 2012.

PAIVA, José Maria. Igreja e educação no Brasil colonial. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Câmara. Histórias e memórias da educação no Brasil. Vol. I - Séculos XVI-XVIII. Petrópolis: Vozes, 2004.

RAMALHO, Américo da Costa. O humanismo (Depois de 1537). IN: HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE EM PORTUGAL (1537-1771). Vol. I, Tomo II. Coimbra: Universidade de Coimbra e Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

RAMOS, Luís Antonio de Oliveira. A Universidade de Coimbra. IN: HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE EM PORTUGAL (1537-1771). Vol. I, Tomo II. Coimbra: Universidade de Coimbra e Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

SUBTIL, José. Legistas e canonistas. IN: HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE EM PORTUGAL (1537-1771). Vol. I, Tomo II. Coimbra: Universidade de Coimbra e Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2021v27n1p351

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br