Jornal Formação como meio de atuação do Centro Estudantal Campinense (1936/1953)

Ajanayr Michelly Sobral Santana, Lia Machado Fiuza Fialho, Charliton José dos Santos Machado

Resumo


Objetivou-se compreender o que motivou os estudantes do Centro Estudantal Campinense a criar o jornal Formação e como este se constituía na condição de espaço de desenvolvimento da intelectualidade juvenil e de disseminação do ideário de educação dos estudantes secundaristas. Desenvolveu-se uma pesquisa documental híbrida no Formação nas edições de 1936 e 1953, complementada com os jornais Tribuna do Estudante e Jornal do Estudante, respectivamente, nas edições de 1951 e 1953, e de entrevistas em História Oral Temática com três ex-centristas. As fontes explicitam que o Centro Estudantal Campinense se constituiu como uma organização estudantil de formação educacional e política de estudantes campinenses, desde a promoção do debate acerca dos projetos educacionais e políticos e do movimento estudantil local, que se utilizava do jornal Formação para disseminação de seu ideário. Constatou-se que, na escrita do Formação, os centristas constituíram espaços de lutas e disputas e disseminaram suas ideias. Este veículo de comunicação contribuiu para o alargamento intelectual dos estudantes campinenses.


Palavras-chave


Jornal Formação; Centro Estudantal Campinense; Secundaristas

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Maria Paulo. Memórias estudantis: da fundação da UNE aos nossos dias. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Roberto Marinho, 2007.

BARBOSA, Marialva. História cultural da imprensa: Brasil, 1900-2000. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

BANFIELD, Grant; HADUNTZ, Helen; MAISURIA, Alpesh. The (im)possibility of the intellectual worker inside the neoliberal university. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 3-19, 2016.

BUFFA, Ester. O público e o privado na educação brasileira do século XX. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara (Orgs.). História e memórias da educação no Brasil, vol. III: Século XX. 4ª ed. 3ª reimpressão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018, p.53-67.

BURKE, Peter (Org.). A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 2008.

CAMPOS, Raquel Discini de. No rastro de velhos jornais: considerações sobre a utilização da imprensa não pedagógica como fonte para a escrita da História da Educação. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 12, n. 1, p. 45-70, 2012.

CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. História e análise de textos. Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p. 536-567.

CAPELATO, Maria Helena. Imprensa e História do Brasil. São Paulo: Contexto, 1988.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FREITAS, Sônia Maria de. História oral: possibilidades e procedimentos. 2. ed. São Paulo: Humanitas, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: 34, 2009.

GAUDÊNCIO, Bruno Rafael de Albuquerque. A palavra impressa: uma história dos jornais, revistas e outros suportes impressos de Campina Grande (1913-1953). In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 16., 2014, João Pessoa. Apresentação... João Pessoa: ANPUH, 2014.

GAUDÊNCIO, Bruno Rafael de Albuquerque. Da academia ao bar: círculos intelectuais, cultura impressa e repercussões do modernismo em Campina Grande-PB. 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2012.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. Historiografia, diversidade e História oral: questões metodológicas. In: LAVERDI, Robson et al. (Org.). História oral, desigualdades e diferenças. Recife: UFPE; Florianópolis: UFSC, 2012. p. 15-37.

LEVI, Giovanni. Sobre a Micro-História In: BURKE, Peter (org). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora da UNESP, 1992.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCA, Tania Regina de; MARTINS, Ana Luiza. Imprensa e cidade. São Paulo: Unesp, 2006.

MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tania Regina de. Introdução: pelos caminhos da imprensa no Brasil. In: MARTINS, Ana Luiza; LUCA (Orgs). História da imprensa no Brasil. 2ª Ed. São Paulo: Contexto, 2012.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MONTENEGRO, José Benjamim. Cabral visto de perto. João Pessoa: A União, 2017.

NASCIMENTO, Gilmar dos Santos. A geração engajada: busca de espaços na velha estrutura de poder (um estudo sobre o Centro Estudantal Campinense) 1955-1960. 1990. Dissertação (Mestrado em Sociologia Rural) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia Rural, Universidade Federal da Paraíba, Campina Grande, 1990.

PEREIRA, Anderson de Carvalho; RIBEIRO, Carme Sandra de Jesus. A culpabilidade pelo fracasso escolar e a interface com os “problemas de aprendizagem” em discurso. Educação & Formação, v. 2, n. 5, p. 95-110, 2017.

PINHEIRO, Antonio Carlos Ferreira. As novas abordagens no campo da História da Educação brasileira. In: XAVIER, Libânia; TAMBARA, Elomar;

PINHEIRO, Antonio Carlos Ferreira (Org.). História da Educação no Brasil: matrizes interpretativas, abordagens e fontes predominantes na primeira década do século XXI. Vitória: Ufes, 2011. p. 247-265.

ROMANELLI, Otaíza de O. História da Educação no Brasil (1930/1973). 15 ed, Petrópolis: Vozes, 1993.

SANTANA, Ajanayr Michelly Sobral. Entre práticas e representações: o Centro Estudantal Campinense como espaço de formação (1948-1964). 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2015.

SAVIANI, Demerval. O legado educacional do século XX no Brasil. 3 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2014.

SHIROMA, Oto Eneida; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA, Oolinda. Política educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais do final do século XX: abordagens históricas e configurações historiográficas. In: MAUAD, Ana Maria; AZEVEDO, Cecília (Org.). Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 47-57.

SYLVESTRE, Josué. Meio século de vida pública sem mandado ou com?: fatos e personagens da História de Campina Grande e da Paraíba (1950-2000). Campina Grande: Latus, 2013.

SYLVESTRE, Josué. Nacionalismo & coronelismo: fatos e personagens da História de Campina Grande e da Paraíba (1954-1964). Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

VASCONCELOS, José Gerardo; FIALHO, Lia Machado Fiuza; LOPES, Tânia Maria Rodrigues. Educação e liberdade em Rousseau. Educação & Formação, v. 3, n. 8, p. 210-223, 2018.

VASCONCELOS, Larissa Meira de; FIALHO, Lia Machado Fiuza; MACHADO, Charliton José dos Santos. Educação, gênero e higienismo nos anúncios publicitários da Paraíba durante a Primeira República. Cadernos de História da Educação, Uberlândia, v. 16, n. 2, p. 451-473, 2017.

VIEIRA, Lucas Schuab. A imprensa como fonte de pesquisa em história: Teoria e

método. Revista de recensões de comunicação e cultura, 2013.

WANDERLEY, Mayrinne Meira. Corpo e poderes: a relação dialógica entre corpo e moda. In: ARAÚJO, Edna Maria Nóbrega et al. (Org.). Historiografia e(m) diversidade: artes e artimanhas do fazer histórico. João Pessoa: UFCG, 2010. p. 122-132.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2020v26n1p304

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br