O protagonismo indígena nas aulas de História: problemas e desafios no livro didático.

Francis Mary Soares Correia da Rosa

Resumo


Objetivamos nesse artigo um estudo ensaístico das possibilidades de implementação da lei 11.645/08 no que se refere à temática indígena nas aulas de história da educação básica, por meio de um estudo crítico ao livro didático de história e das categorias de análise presente na história indígena, a saber, resistência e do protagonismo. A escolha pelo conceito do protagonismo e resistência indígena como fio condutor surge diante de uma dupla necessidade enquanto professora, historiadora e filósofa: o primeiro passo é construir um viés crítico à imagem dos povos indígenas em um dos livros didáticos de história aprovados no último PNLD/História-2018, historicizando às categorias de análise costumeiramente apresentadas e, o segundo passo: estabelecer subsídios para se pensar criticamente a produção de um “vazio” discursivo no que se refere ao protagonismo e os movimentos de luta e resistência indígenas. Por meio de uma revisão bibliográfica crítica e relacional ao tema, optou-se por uma abordagem ensaística, porém fundamentada em uma revisão da literatura que aponta como principal suporte os estudos de Grupioni (2004), Munduruku (2009; 2012) e Santos e Felippe (2017), dentro outros. Espera-se contribuir para a ampliação sobre as discussões da implementação da lei 11.645/08 e o livro didático de história, assim como apontar subsídios para o ensino de história comprometido com essa demanda legal.

Palavras-chave


Ensino de história; Livro didático; Lei 11.645/08

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma única história. Tradução de Eria Barbosa. 2009. Disponível em: http://www.ted.com/tals/lang/ptbr/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_singl e_story. html. Acesso em: 15 fev. 2018.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. A atuação dos indígenas na História do Brasil: revisões historiográficas. Rev. Bras. Hist., São Paulo, v. 37, n. 75, p. 17- 38, maio 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 01882017000200017&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 27 jan. 2018.

BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras. In.: POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: Editora da Unesp, 2011. p. 187-227.

BICALHO, Poliene Soares dos Santos. Protagonismo indígena no Brasil: movimento, cidadania e direitos (1970-2009). 2010. Tese (Doutorado em História) -Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

BORGES, Jorgeval Andrade. A vez da África?: o ensino da história africana em escolas públicas da Bahia. 2014. Tese (doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 Março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura AfroBrasileira e Indígena”. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 27 jan. 2018.

BRASIL. Guia de Livros didáticos PNLD/2018: história. Brasília: Ministério da Educação: Secretaria de Educação Básica, 2017.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

CUNHA, Antonio Geraldo da; MELLO SOBRINHO, Cláudio. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Lexikon Editora Digital, 2015.

DUSSEL, Enrique. O encobrimento do outro. Petrópolis: Vozes, 1993.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 23. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

GÂNDAVO, Pero de Magalhães. Tratado da terra do Brasil: história da Província Santa Cruz. Belo Horizonte: Itatiaia, 1980.

GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

GRUPIONI, Luis Donisete Benzi. Livros didáticos e fontes de informações sobre as sociedades indígenas no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luis Donisete Benzi. (org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 4ª ed. São Paulo: Global: Brasília: MEC, MARI, UNESCO, 2004. p.481-525.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: raízes de um paradigma indiciário. São Paulo: Companhia das Letras,1989.

JEKUPÉ, Olívio. Literatura escrita pelos povos indígenas. São Paulo: Scortecci, 2009.

MUNDURUKU, Daniel. O banquete dos deuses. São Paulo: Global Editora, 2009.

MUNDURUKU, Daniel. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

ROSA, Francis Mary Soares Correia. A Invenção do Índio. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 257-277, jul./dez. 2015.

SANTOS, Maria Cristina dos; FELIPE, Guilherme Galhegos. Protagonismo como substantivo na História indígena. In: SANTOS, Maria Cristina dos; FELIPE, Guilherme Galhegos. Protagonismo ameríndio de ontem e hoje. Jundiaí: Paco, 2016. p. 13-52.

TEMPO EM CURSO. ano 5, v. 5, n. 2, fev. 2013.

VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila de Castro; FERREIRA, Jorge; SANTOS, Georgina dos. História. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2016. v. 1.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas Canibais. São Paulo: Cosaf Naify, 2015.

WITTMANN, Luisa Tombini. Ensino (d) e história indígena. São Paulo: Autêntica, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n1p203

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br