O uso de documentos históricos em sala de aula: impactos sociais da Crise de 1929 pelas lentes do fotojornalismo

Daniel Precioso

Resumo


Este artigo apresenta os resultados alcançados em uma atividade pibidiana realizada na escola-campo. Trata-se de uma oficina, realizada com alunos do 9º ano do ensino fundamental, com imagens que retratam os efeitos sociais da “Grande Depressão” nos Estados Unidos dos anos 1930. A metodologia aplicada na oficina foi tomada de Paulo Knauss (2001), que teceu considerações sobre a utilização de fontes históricas em sala de aula. As fontes utilizadas na oficina foram imagens do chamado fotojornalismo. Ao apresentar os resultados alcançados, procuraremos apontar as potencialidades de tal abordagem para a formação da consciência histórica dos alunos.

Palavras-chave


Ensino de História; Fotojornalismo; Oficina

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel González. Formar educadoras e educadores de jovens e adultos. In: SOARES, Leôncio (org.). Formação de educadores de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 17-32.

BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984. BASTOS, Ana Rita. A fotografia como retrato da sociedade. Sociologia: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, PT, v. 28, p. 127-143, 2014.

BECEYRO, Raúl. Ensayos sobre fotografia. Cidade do México: Arte y Libros, 1980.

CHEVALLARD, Yves. La transposición didáctica: del saber sábio al saber a ser ensinado. Buenos Aires: Aique, 1997.

CURTIS, James C. Dorothea Lange, migrant mother, and the culture of the great depression. Winterthur Portfolio, Chicago, v. 21, n. 1, p. 1-20, 1986.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. Campinas: Editora Autores Associados, 1996.

DEWEY, John. The school and society. In: BOYDSTON, Jo Ann (ed.). Early essays and Leibniz's new essays, 1882-1888. Carbondale, IL: Southern Illinois University Press, 1976. (Collected works of John Dewey. The early works of John Dewey, v. 1, 1882 – 1898).

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GARDNER, Howard. Inteligências múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

KNAUSS, Paulo. Sobre a norma e o óbvio: a sala de aula como lugar de pesquisa. In: NIKITIUK, Sonia M. Leite (org.). Repensando o ensino de história. São Paulo: Cortez, 2001. p. 26-46.

ORTEGA Y GASSET, José. Em torno a Galileu. Petrópolis: Vozes, 1989.

PEREIRA NETO, André de Faria. O uso de documentos escritos no ensino de História: premissas e bases para uma didática construtivista. História & Ensino, Londrina, v. 7, p. 143-165, out. 2001.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PISTRAK, Moisey M. Fundamentos da escola do trabalho: uma pedagogia social. São Paulo: Expressão Popular, 2000. RÜSEN, Jörn. El desarrollo de la competencia narrativa em el aprendizaje histórico: una hipótesis ontogenética relativa a la consciencia moral. Propuesta Educativa, Buenos Aires, AR, n. 7, p. 27-36, out. 1992.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; GARCIA, Tânia Maria. A formação da consciência histórica de alunos e professores e o cotidiano em aulas de História. Cadernos CEDES, Campinas, SP, v. 25, n. 67, p. 297-308, set./dez. 2005.

TERRA, Antônia. História e dialogismo. In: BITTENCOURT, Circe. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2004. p. 91-103. VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n1p333

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br