Um lugar na História para a Didática da História

Luis Fernando Cerri

Resumo


Esse texto almeja oferecer uma leitura breve sobre as mudanças na Didática da História, delinear um novo conceito de Didática da História que incorpora as mudanças havidas no período recente e a situação atual do debate e, a partir de exemplo, delinear algo do campo, objeto, métodos e objetivos da Didática da História dentro da pesquisa histórica. Argumenta-se que a disciplina, que compõe a propedêutica do profissional de História, deve também constituir um espaço na formação e nos estudos pós-graduados em História, consideradas as suas especificidades: produção de textos históricos, mas não historiográficos, empiria diversa tratada com metodologia igualmente diversificada e capacidade de aportar à História uma reflexão sobre si mesma e seus critérios de validade dos enunciados a partir de “fora” do âmbito específico da ciência.

 

Palavras-chave: Didática da História. Formação do historiador. Pesquisa histórica.


Palavras-chave


Didática da História; Formação do historiador; Pesquisa histórica

Texto completo:

PDF

Referências


ANGVIK, Magne; Von BORRIES, Bodo (Ed.) Youth and history: a comparative european survey on historical consciousness and political attitudes among adolescents. Hambourg: Edition Körber-Stiftung, 1997. v. A.

BERGMANN, Klaus. A história na reflexão didática. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 19, p. 29-42, 1990.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Os confrontos de uma disciplina escolar: da história sagrada à história profana. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 13 n. 25/26, p. 193-221, set.1992/ago.1993.

BRUTER, Annie. L’histoire enseignée au grand siècle. Naissance d’une pédagogie. Paris: Belin, 2003.

CAINELLI, Marlene; SCHMIDT, Maria A. Desafios teóricos e epistemológicos na pesquisa em educação histórica Antíteses. Londrina, v. 5, n. 10, p. 509-518, jul./dez. 2012.

CARDOSO, Oldimar. Para uma definição de didática da história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 28, n. 55, p. 153-170, 2008.

, Luis Fernando. Entrevista com o Prof. Dr. Luís Fernando Cerri (UEPG). Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 6, n. 12, p. 369-391, 2014.

CITRON, Suzanne. Le Mythe Nacional. Paris: Ouvriéres, 1987.

CITRON, Suzanne. Enseigner L’Histoire Aujourd’hui. la mémoire perdue et retrouvée. Paris: Ouvriéres, 1984.

CUESTA FERNANDEZ, Raimundo. El código disciplinar de la historia. Tradiciones, discursos y prácticas sociales de la educación histórica en España (siglos XVIIIXX). 1997. Tese (Doutorado) - Universidad de Salamanca, Salamanca.

FONSECA, Selva Guimarães. Caminhos da história ensinada. Campinas: Papirus, 1993.

FONSECA, Thais N. de L. Ver para compreender: arte, livro didático e história da nação. In: SIMAN, Lana M. C.; FONSECA, Thais N. de L. Inaugurando a história e construindo a nação: discursos e imagens no ensino de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

FURET, François. O nascimento da história. In: FURET, François. A oficina da história. Lisboa: Gradiva, 1986.

GASPARELLO, Arlette M. Construtores de identidades: a pedagogia da nação nos livros didáticos da escola secundária brasileira. São Paulo: Iglu, 2004.

MATTOS, Selma R. de. O Brasil em lições: a história como disciplina escolar em Joaquim Manoel de Macedo. Rio de Janeiro: Access, 2000.

PACIEVITCH, Caroline; CERRI, Luis Fernando. Professores progressistas de história e a pedagogia histórico-crítica nos anos 80: aproximações e distanciamentos. Revista História Hoje, São Paulo, v. 3, n. 9, abr. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

RABELO, Alberto Coutinho. O lugar de Carlos Gomes na formação social da música brasileira. 2013. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Paulo, Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Guarulhos, 2013.

RÜSEN, Jörn. Reconstrução do passado: teoria da história II: os princípios da pesquisa histórica. Tradução de Asta-Rose Alcaide. Brasília: Editora UnB, 2007a.

RÜSEN, Jörn. História viva. Teoria da história III: formas e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2007b.

RÜSEN, Jörn. Didática da história: passado, presente e perspectiva a partir do caso alemão. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 1, n. 2, p. 7-16, 2006.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora da UnB, 2001.

RÜSEN, Jörn. ¿Qué es la cultura histórica?? Reflexiones sobre una nueva manera de abordar la historia. In: FÜSSMANN, K.; GRÜTTER, H. T.; RÜSEN, J. (Ed.). Historische faszination: geschichtskultur heute. Weimar: Böhlau, 1994. p. 3-26.

SADDI, Rafael. Didática da história na Alemanha e no Brasil: considerações sobre o ambiente de surgimento da Neu Geschichtsdidaktik na Alemanha e os desafios da Nova didática da história no Brasil. Opsis, Catalão-GO, v. 14, n. 2, p. 133-147, jul./dez. 2014.

SADDI, Rafael. O parafuso da didática da história: o objeto de pesquisa e o campo de investigação de uma didática da história ampliada. Acta Scientiarum Education. Maringá, v. 34, n. 2, p. 211-220, jul./dez., 2012.

WILLIANS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979. Z

AVALA, Ana. Mi clase de historia bajo la lupa. Por un abordaje clínico de la práctica de la enseñanza de la historia. Montevideo: Trilce, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2017v23n1p11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br