Educação para o consumo: uma proposta transversal para o Ensino de História

Maria Belintane Fermiano

Resumo


Os Parâmetros Curriculares Nacionais foram lançados, em 1997, como subsídios para apoiar o projeto da escola na sua organização curricular e, dessa forma, atender as diversas realidades e necessidades de escolas e alunos de cada região brasileira. A grande novidade centrou-se nos cinco temas transversais, que flexibilizariam o trabalho com assuntos atuais e importantes para o desenvolvimento da cidadania e contextualização dos conteúdos escolares. Dada a importância do tema transversal Trabalho e Consumo, nos dias atuais, apresentamos a Educação para o Consumo como uma proposta para o ensino de História, uma vez que vai ao encontro dos objetivos da área e aborda: a construção de identidade a partir do consumo; a relação do marketing com crianças e jovens; o consumo como uma relação de desigualdade; a compreensão de assuntos econômicos; a educação para o consumo consciente e a cidadania. 


Palavras-chave


História e consumo; Educação para o consumo; Trabalho e consumo

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Identidade. Entrevista a Benedetto Vechi. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005. 110p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997. 126p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC/SEF, 1997a. 146p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental . Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997b. 437p.

CORRÊA, P. Beneficiários usam recursos para comprar roupas e eletrônicos. Jornal Todo Dia, Americana, 31 dez. 2008. Cidades, p.4.

DELVAL, J. La representación infantil del mundo social. In: TURIEL, E. ENESCO y LINAZA (Comps.). El mundo social en la mente del niño. Madrid: Alianza, 1989. p.245-328.

DELVAL, J. El desarrollo humano. Madri, Espanha: Siglo XXI, 1994. 626p.

DENEGRI, Marianela C. MARTINEZ, Gustavo T. Ciudadanos o consumidores? Aporte constructivista a la educación para el consumo. Paideia. n.37, 2004, p.101-115.

DENEGRI, M. C. et al. La compreensión del mundo econômico como necedesidad de adaptación: un desafio educativo pendiente. Revista de Estudos y Experiencia en Educación. v.5, n.10, 2006. p.74-94.

DITTMAR, H. Consumer culture, Identity and well-being. The search for the “Good Life” and the “Body Perfect”. Hove: Psychology Press, 2008. 271p.

FERMIANO, M. B.; SANTOS, A. S. Ensino de História para o Fundamental 1. Teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2013. 271p.

FERMIANO, M. A. B. Pré-adolescentes (“TWEENS”) - Desde a perspectiva da teoria piagetiana á da psicologia econômica. 475f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

GUNTER, B.; FURNHAM, Adrian. As crianças como consumidoras. Uma análise psicológica do mercado juvenil. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.304p.

GUVEN, C. Reversing the question: Does happiness affect consumption and savings behavior? Journal of Economic Psychology, 33, 2012. p.701–717.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz T.da Silva e Guacira L.Louro. 10.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. 102p.

INSTITUTO AKATU. Pesquisa nº 7 – 2006: como e por que os brasileiros praticam o consumo consciente? 1.ed. São Paulo: Instituto Akatu, 2007. 84p.

JOHN, D. R. Consumer socialization of children: a restrospective look at twentyfive years of research. Journal of Consumer Research. v.26, n.3 dec. 1999. p.183-213.

KATONA, G. Psychological Economics. New York: Elsevier Scientific Publishing Company, 1975. 438p.

LA TAILLE, Y. de. Contribuição da psicologia para o fim da publicidade dirigida à criança. Brasília, DF, 2008.

LINDSTROM, M. A lógica do consumo. Tradução Marcelo Lino. Nova Fronteira. 2005.

LEISER, D.; AZAR, Ofer H; HADDAR, Liat. Psychologycal construal of economic behavior. v.29, 2008. p.762-776.

MEYERS, Helen. Economics for real life. Business & Economics. april-june. 2004. p.16-20.

MCNEAL, J. U. Children as consumers.New York: Lexington Books, 1987. 258p.

MCNEAL, J. U. Kid’s as costumers. A handbook of marketing to children. New York: Lexington Books, 1992. 258p.

MCNEAL, J. U. Kid’s market. Myths and realities. Ithaca, New York: Parmount, 1999. 272p.

OECD. Programme for International Student Assessment. PISA 2012 draft frameworks - mathematics, problem solving and financial literacy. Retrieved from http://www.oecd.org/pisa/pisaproducts/pisa2012draftframeworksmathematicsproblemsolvingandfinancialliteracy.htm

PNAD. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_ pesquisa=40 Acesso em 23 março 2016.

TUFTE, B. Children, media and consumption. International Journal of Advertising & Marketing to Children. out.dec.2003, p.69-76.

VALENTINE, V. Using semiotics to build powerful brands for children. International Journal of Advertising & Marketing to Children. Jan.-mar. 2003, p.9-16.

WARD, S. Consumer socialization. The Journal of Consumer Research. v.1, n.2, sep. 1974. p.1-14. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2489100 Acesso 20 de agosto de 2016. 23:46.

WEBLEY, P.; et al. The economic psychology of everyday life. United Kingdom: Psychology Press, 2001. 214p.

WEBLEY, P.; NYHUS. E. K. Parent’s influence on children’s future orientation and saving. Journal of Economic Psychology. v.27, 2006, p.140-164..




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2016v22n2p111

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br