O Museu em processo: oralidades no uso pedagógico do Museu de Artes e Ofícios em Belo Horizonte/MG

Jezulino Lucio Mendes Braga

Resumo


Esse artigo apresenta a experiência de uma professora da educação básica que faz uso pedagógico dos museus para ensinar história. Trata-se da professora Cora que desenvolveu com alunos do EJA o projeto Desvendando o Primeiro de Maio, usando como estratégia a metodologia da história oral, leitura de textos e visita a exposição do Museu de Artes e Ofícios em Belo Horizonte. Com esse projeto a professora oportunizou aos estudantes do EJA a narrativa de suas memórias em diálogo com a história ensinada em sala de aula. O artigo também apresenta a concepção de museu em processo que vem sendo difundida nos textos da museóloga Tereza Scheiner. Essa concepção serve de base para pensar as atividades desenvolvidas pela professora Cora que estimulou a produção de narrativas autorais dando novo sentido a exposição museal e dialogando com os conteúdos curriculares propostos para a educação básica. A metodologia da história oral foi usada nas ações desenvolvidas no projeto.


Palavras-chave


Museus; Ensino de história; Experiência

Texto completo:

PDF

Referências


BANN, S. As invenções da História: ensaios sobre a representação do passado. São Paulo: UNESP, 1994.

BARBOSA, N. M. Olhares sobre a prática docente no uso do Arte de Ofícios. Relatório final de pesquisa de iniciação científica/CNPQ. 2010.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr., 2002.

BRAGA, J. L. M. B. Professores de História em Cenários de Experiência. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação/UFMG. Belo Horizonte, 2014.

DUBET, F. Sociologia da Experiência. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

GREENBLATT, S. O novo historicismo: ressonância e encantamento. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 244-261, 1991.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Museus em números. Brasília: IBRAM, 2011. Disponível em . Acesso em 20 de ago. de 2010.

KNAUSS, P. A presença de estudantes: o encontro de museus e escolas no Brasil a partir da década de 50 do século XX. Varia História, Belo Horizonte, v. 27, n. 46, p. 581-597, jul./dez., 2011.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MONTEIRO, A. M. F. da C. Professores de História: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2007.

PEREIRA, J. S.; SIMAN, L. M. C. Educadores em zonas de fronteira - Limiares da relação museu-escola. In: NASCIMENTO, S. S.; FERRETI, C. S. (Org.). Museu e Escola. Anais. Belo Horizonte: Puc Minas/UFMG, 2009, v. 1, p. 1-15.CD.

PEREIRA, J. S.; SIMAN, L. M. C Escola e Museu: diálogos e práticas. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura/Superintendência de Museus/CEFOR-PUC-Minas, 2007.

PEREIRA, J. S.; SIMAN, L. M. C. Aprendizagem histórica como prática social: lições poéticas e éticas em “A Danação do Objeto: O Museu no Ensino de História”. Educação em Revista. Belo Horizonte, n. 47, jun., 2008.

POLLAK, M. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

SCHEINER, T. C. Comunicação, educação, exposição: novos saberes, novos sentidos. Semiosfera. Revista de Comunicação e Cultura. Rio de Janeiro, ano 3, n. 4-5, jul., 2003.

SCHEINER, T. C. O museu como processo. Cadernos de Diretrizes Museológicas 2: mediação em museu: curadorias, exposições, ação educativa. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais, Superintendência de Museus, 2008.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2016v22n1p29

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br