A educação, o ensino de história e o currículo mínimo do estado do Rio de Janeiro: currículo escrito, em ação e formação de professores

Thiago Rodrigues Nascimento

Resumo


A educação fluminense enfrenta, atualmente, uma crise. Os professores, a partir de mecanismos coercitivos propostos pela Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC), têm a sua autonomia pedagógica ameaçada. A partir de fevereiro de 2011 começou a ser publicado o currículo mínimo das disciplinas que compõem os ensinos fundamental e médio. O objetivo deste artigo é analisar a construção do currículo mínimo, seus objetivos, o contexto em que foi elaborado e como os professores estão sendo formados (ou não) para trabalhar com esse documento. Discutimos sobre o lugar da História no currículo da rede estadual e o currículo mínimo de História. Tomamos como fonte, além dos documentos normativos elaborados pela SEEDUC, indicadores de avaliações como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica e notícias sobre a educação fluminense publicadas em periódicos.

Palavras-chave


Ensino de História; Currículo Mínimo; Formação de Professores;

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, K. Currículos de História: a criação da tradição e o código disciplinar. In: FONSECA, Selva; GATTI JÚNIOR, Décio (Orgs.). Perspectivas do Ensino de História: Ensino, cidadania e consciência histórica. Uberlândia: EDUFU, 2011.

BITTENCOURT, C. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

BORGES, C. O professor da educação básica e seus saberes profissionais. Araraquara: JM Editora, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CARDOSO, O. Para uma definição de Didática da História. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 28, n. 55, p. 153-170, jan./jun. 2008.

FONSECA, S. G. Caminhos da História ensinada. 11ª ed. Campinas/SP: Papirus, 2010.

FRIGOTTO, G.; GAMA, Z.; ALGEBAILE, Eveline; MOTTA, Vânia da; Plano de Metas da Educação do Rio de Janeiro: do economicismo ao cinismo. Publicado em: 13 jan. 2011.

FUNDAÇÃO CECIERJ. EDITAL EXT-CECIERJ Nº 002/2013.

RESOLUÇÃO SEEDUC Nº 4.866 de 14 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a implantação e acompanhamento do currículo mínimo a ser instituído na rede de ensino pública do Estado do Rio de Janeiro.

GOODSON, I. Currículo: Teoria e história. 10ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008.

MELLO, J. História da disciplina Didática Geral em uma escola de formação de professores: (re) apropriação discursos acadêmicos nos anos de 1980 e 1990. 2002. 189f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, UFRJ, 2002.

IG. Último segundo. Maioria dos Estados está abaixo da média nacional no Ideb. Publicado em: 05/07/2010.

MAGALHÃES, M. Apontamentos para pensar o ensino de História hoje: reformas curriculares, ensino médio e formação do professor. Tempo, v. 11, n. 21, p. 59- 74, jul./dez. 2006.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

MONTEIRO, A. M. Didática da História e Teoria da História: produção de conhecimento na formação de professores. In: PEREIRA, J. S; SIMAN, Lana Mara de Castro (Orgs.). PARTE IV - Ensino de História: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 479-499.

MOREIRA, A. F. Didática e currículo: questionando fronteiras. Revista Educação & Realidade, v. 23, n. 2, p. 11-26, ago./dez. 1998.

NADAI, E. O ensino de História no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 13, n 25/26, p. 143-65, set. 1992/ago. 1993.

O GLOBO. Diretora de colégio estadual suborna alunos e é exonerada. Publicado em: 21/12/2012.

O GLOBO. Ensino Médio do Rio tem o segundo pior desempenho do país no Ideb. Publicado em: 05/07/2010. Disponível em: http://g1.globo.com/rio-dejaneiro/noticia/2010/07/ensino-medio-do-rio-tem-o-segundo-pior-desempenhodo-pais-no-ideb.html>. Acesso em: 08 ago. 2013.

O GLOBO. Ideb: Estado do Rio é o penúltimo do ranking. Publicado em: 05/07/2010.

OLIVEIRA, M.; FREITAS, I. Currículos de história e perspectivas de aprendizagem para os anos finais do ensino fundamental no Brasil (2007-2012). História Hoje, v. 1, n. 1, p. 269-304, 2012.

QUIRINO, M. J. S. O.; PEREIRA, C.; LEAL, C.; OLIVEIRA, V. L. de. Políticas Curriculares: Uma Breve Crítica ao Currículo Mínimo Implantado no Estado do Rio de Janeiro. VIII ENPEC Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências: Campinas, 2011.

RIO DE JANEIRO. Currículo Mínimo - Filosofia. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, 2012b.

RIO DE JANEIRO. Currículo Mínimo - História. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, 2012a.

RIO DE JANEIRO. Currículo Mínimo – Produção Textual. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, 2013b.

RIO DE JANEIRO. Currículo Mínimo – Resolução de Problemas Matemáticos. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, 2013a.

ROCHA, H. Sem bagagem não se ensina e nem se aprende História. In: SILVA, Cristiani Bereta; ZAMBONI, E. (Org.). Ensino de História, memória e culturas. Curitiba: CRV, 2013.

SANTOS, B. B. M. dos. O currículo da disciplina escolar história no Colégio Pedro II – a década de 1970 – entre a tradição acadêmica e a tradição pedagógica: a história e os estudos sociais. Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ, 2011a.

SEEDUC. Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro.

SEPE. Abaixo-assinado Carta aberta de professores e professoras da Faculdade de Educação da UFRJ ao Secretário de Educação do Governo do Rio de Janeiro, Sr. Wilson Risolia. Pedido de exoneração. Publicado: 17/07/2013.

SEPE. Dieese: perdas salariais do magistério estadual atingem até 23,70%, mas projeto de Cabral concede apenas 7%. Publicado: 14/05/2013.

SILVA, A. M. Precarização do trabalho docente e meritocracia na educação: o olhar empresarial dos governos e a resistência do professorado da rede pública do Estado do Rio de Janeiro. In: VII Simpósio Nacional Estado e Poder, 2012, Uberlândia. Simpósio Nacional Estado e Poder. Uberlândia. 2012. p. 1-10.

STEPHANOU, M. Instaurando maneiras de ser, conhecer e interpretar. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 18, n. 36, p. 15-38, 1998.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 9ª Ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2013v19n2p87

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br