Propostas de ensino da história e expectativas de aprendizagem na reorientação curricular em São Paulo

André Luiz Paulilo

Resumo


O artigo discute aspectos da política curricular para o ensino de história em São Paulo. Analisa as recomendações governamentais sobre o ensino da história em escolas públicas. O autor percebe nas políticas governamentais uma orientação centralizadora nas decisões sobre diretrizes curriculares, conteúdos dos estudos e avaliações. Neste artigo procurei analisar, de um ponto de vista crítico, as representações acerca do magistério da história presente na política de reorientação curricular das secretarias de educação do Estado de São Paulo e da sua capital. No transcurso da investigação, as evidências registram um ordenamento e hierarquização da autoridade e das competências educacionais.

 


Palavras-chave


Ensino de história; Política curricular; Prática docente

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. Conhecimento oficial: a educação democrática numa era conservadora. Petrópolis: Vozes, 1997.

APPLE, M. Ideologia e currículo. São Paulo: Brasiliense. 1982.

ARAÚJO, L.T. O uso do livro didático no ensino de história: depoimentos de professores de escolas estaduais de ensino fundamental situadas em São Paulo. São Paulo, 2001. Dissertação (Mestrado) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade da PUC-SP, 2001.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Marins Fontes, 2006.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 6 ed. São Paulo, 1992.

BALL, S. Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BALL, S. What is policy? Texts, trajectories and toolboxes. Discourse, Londres, v. 13, n. 2, p.10-17, 1993.

BALL, S.; BOWE, R.; GOLD, A. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. Londres: Routledge, 1992.

BALL, S.; GOODSON, I. Defining the curriculum: histories and etnographies. Londres: Falmer Press, 1984.

BARTHES, R. O prazer do texto. 3 ed. São Paulo: Perspectiva. 2002.

BERNSTEIN, B. Classes, códigos e controle. A estruturação do discurso pedagógico. Petrópolis: Vozes. 1996.

BITTENCOURT, C. Disciplinas escolares: história e pesquisa. In: OLIVEIRA, M. A. T.; RANZI, S. M. F. (Org.). História das disciplinas escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, 2003. p. 9-38.

BORNE, D. Comunidade de memória e rigor crítico. In.: BOUTIER, J; JULIA, D. (Org.). Passados recompostos: campos e canteiros da História. Rio de Janeiro: UFRJ; FGV, p.133-141. 1998.

CAIMI, F. E. Aprendendo a ser professor de história. Passo Fundo: Ed. UPF. 2008.

CARVALHO, M.M.C. Por uma história cultural dos saberes pedagógicos. In: SOUSA, C. P.; CATANI, D. B. (Org.). Práticas educativas, culturas escolares, profissão docente. São Paulo: Escrituras Editora, 1998.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados, 11 (5), p. 173-191, 1991.

CHAUÍ, M. Cultura e democracia. São Paulo: Cortez,. 1989.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, n. 2, p. 177-229,. 1990.

CIAMPI, H. A história pensada e ensinada: da geração das certezas à geração das incertezas. São Paulo: EDUC, 2000.

ECO, U. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1971.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. 2 ed. São Paulo: Ática, 2008

FONSECA, T. N. L. História e ensino de história. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FORQUIN, J-C. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais.

Teoria & Educação. n. 5, p. 28-49, 1992.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008

GIMENO SACRISTÁN, J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. Petrópolis-RJ: Vozes, 1995.

GOODSON, I. F. As políticas de currículo e de escolarização. São Paulo: Vozes, 2008.

GREIMAS, A. J.; COURTÈS, J. Sémiotique: dictionnaire raisonné de la théorie du langage. v. 1, Paris: Hachette. 1979.

HAMILTON, D. Sobre as origens dos termos classe e curriculum. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 6, p. 33-52, 1992.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

MAINGUENEAU, D. O contexto da obra literária. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

McKENZIE, D. F. Bibliography sociology os texts: panizzi lectures. Londres: The British Library, 1986.

MOREIRA, A. F. Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1987.

MOREIRA, A. F. Currículos e programas no Brasil. Campinas: Papirus, 1990.

PAIM, E. A. Do formar ao fazer-se professor. In: MONTEIRO, A. M.; GASPARELLO, A. M.; MAGALHÃES, M. S. (Org.). Ensino de história: sujeitos, saberes e práticas. Rio de janeiro: Mauad X, 2007. p. 157-171.

POPKEWITZ, T. História do currículo, regulação social e poder. In: SILVA, T. T. (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 173-210.

POPKEWITZ, T. Reforma educacional: uma política sociológica. Poder e conhecimento em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997

PROST, A. As palavras. In: RÉMOND, R. (Org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: FGV Editora, 1996. p. 295-330.

POPKEWITZ, T. Doze lições sobre a história. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

ROCHA, E. A. B. Livros didáticos de história: diversidade de leitores e de usos. In: ROCHA, E. A. B.; REZNIK, L; MAGALHÃES, M. S. (orgs.). A história na escola: autores, livros e leituras. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2009, p. 201- 226.

SÃO PAULO (Cidade). Referencial de expectativas para o desenvolvimento da competência leitora e escritora no ciclo II do ensino fundamental. São Paulo: SME/DOT, 2006a.

SÃO PAULO (Cidade). Referencial de expectativas para o desenvolvimento da competência leitora e escritora no ciclo II: caderno de orientação didática de História. São Paulo: SME/DOT, 2006b.

SÃO PAULO (Cidade). Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para o ensino fundamental: ciclo II – História. São Paulo: SME/DOT, 2007.

SÃO PAULO (Estado). Proposta Curricular do Estado de São Paulo: História. São Paulo: SEE, 2008a.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 5ª série – 1º bimestre. São Paulo: SEE. 2006b.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 6ª série – 1º bimestre. São Paulo: SEE, 2008c.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 7ª série – 1º bimestre. São Paulo: SEE, 2008d.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 8ª série – 1º bimestre. São Paulo: SEE. 2008e.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 5ª série – 3º bimestre. São Paulo: SEE, 2008f.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 7ª série – 3º bimestre. São Paulo: SEE, 2008g.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 5ª série – 4º bimestre. São Paulo: SEE, 2008h.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. História: ensino fundamental. 7ª série – 4º bimestre. São Paulo: SEE. 2008i. SAVIANI, D. Escola e democracia. 25 ed. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1991.

SILVA, M. R. Currículo e competências: a formação administrada. São Paulo: Cortez, 2008.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SILVA, T. T.; MOREIRA, A. F. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994.

SOARES, O. P. A atividade de ensino de história: processo de formação de professores e alunos. Araraquara: Junqueira & Marin, 2008.

WILLIS, P. Aprendendo a ser trabalhador: escola, resistência e reprodução. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2012v18n2p07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br