Novela em sala de aula: a utilização de “Escrava Isaura” em uma proposta de aula-oficina

Henrique Bresciani

Resumo


O objetivo deste texto é apresentar os resultados de uma atividade, desenvolvida pelo PIBID/história – UEL, que consistiu em uma intervenção em escolas, nas quais são desenvolvidos os trabalhos do PIBID. Foram realizadas aulas-oficina (BARCA, 2004) levando em consideração uma perspectiva de ensino de História que tem como propósito o desenvolvimento do pensamento histórico (RUSEN, 2001) em detrimento de modelos que se pautam na transmissão de conteúdos, que seriam, em tese, assimilados pelos alunos. Assim, as aulas foram estruturadas tendo em vista a necessidade de trazer documentos históricos para o contexto de sala de aula. Também tentei estabelecer um diálogo com elementos que envolvem o aluno no presente, partindo do pressuposto de que o ensino de história efetiva-se ao possuir uma utilidade prática para a vida (RUSEN, 2001).  Nesse sentido, ao desenvolver a temática da escravidão no Brasil, optei por utilizar como fonte histórica a novela “Escrava Isaura”, transmitida entre 1975 e 1976, enquanto uma linguagem ainda atual, e documentos históricos situados no período abordado pelo seu enredo. A proposta objetivou contrapor as representações construídas sobre a escravidão doméstica, em torno da personagem Isaura, com as fontes históricas do período, visando incentivar uma perspectiva crítica em relação às novelas históricas. As aulas também serviram para proporcionar a reflexão em torno de conceitos históricos de segunda ordem (LEE, 2001), tais como o de fonte histórica e anacronismo.


Palavras-chave


Ensino de História; Educação histórica; Aula-oficina; Escravidão; Novela

Texto completo:

PDF

Referências


ALFACE, H.; MAGALHÃES, O. O cinema como recurso pedagógico na aula de História In: CAINELLI, M; SCHMIDT, M.(Org.). Educação Histórica: teoria e pesquisa. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011. p. 249-267.

BARCA, I. Aula oficina: do projecto à avaliação. In: BARCA, I. (Org.). Para uma Educação Histórica de Qualidade. Actas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: CIEd, Universidade do Minho.

CAINELLI, M; SCHMIDT, M. A. Ensinar História. 2. ed. São Paulo: Scipione, 2009.

FREITAS, J. A. Novelas de época e o ensino de História: “Sinhá Moça” (2006) e suas representações acerca do processo de abolição Brasileiro. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE, 1., 2011, Florianópolis. Anais [...]. Disponível em: http://www.eventos.faed.udesc.br/index.php/tempopresente/tempopresent e/paper/viewFile/205/102

MEIRELLES, W. R. O cinema na história: o uso do filme como recurso didático no ensino de história. História e Ensino, Londrina, v. 10, p. 77-88, 2004.

RÜSEN, J. Historisches Lernen. In: BERGMAM, K. et al. (Eds.). Handbuch der Geschichtsdidaktik. 5. ed. Seelze: Kallmeyer, 1997. p. 261-265.

THOMPSOM, E. P. A miséria da teoria: ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2012v18nespp31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br